Next Page: 10000

          

. El hotel NH Ribera del Manzanares renueva su certificado BREEAM® y alcanza la máxima puntuación

 Cache   

BREEAM NH HOTELES

Hace unas semanas se reafirmó el compromiso con la sostenibilidad de sus responsables al revalidar el certiificado que obtuvo en 2015. Con esta renovación el edificio alcanza el nivel Excepcional en la categoría de gestión,el más alto en nuestra escala de construcción sostenible.

 

BREEAM NH 1

29 Noviembre 2019 - El hotel NH Ribera del Manzanares, en Madrid, renovó en septiembre su certificado BREEAM® de construcción sostenible y ha refrendado las altas puntuaciones que consiguió en 2015, cuando se evaluó por primera vez la sostenibilidad del inmueble. El hotel ha sido evaluado en base al esquema BREEAM® En Uso, la metodología específica para en edificios no residenciales ya construidos con al menos dos años de actividad. En el apartado constructivo ha conseguido una calificación de Muy Bueno, mientras que en su gestión ha logrado la calificación de Excepcional, la máxima puntuación que concede del certificado de construcción sostenible de referencia en el mundo.

Mantuvimos la renovación por el valor añadido que le proporciona este certificado al inmueble y a NH Hotel Group
Manuel María Gómez Gamarra, Director Engineering & Maintenance Southern Europe de NH Hoteles

El hotel NH Ribera del Manzanares cuenta en sus instalaciones con una serie de medidas y requisitos que garantizan el respeto medioambiental, la eficiencia energética y el cuidado de la salud y el confort de clientes y trabajadores, lo que convierten en un referente de sostenibilidad en el sector hotelero.

La asesora BREEAM Laura Villa, de Ecobuilt, fue la responsable de realizar el informe de evaluación y asesorar a los propietarios, tanto en 2015, cuando obtuvieron el certificado, como ahora, en su renovación.

Respecto a la renovación del certificado BREEAM En Uso, Manuel María Gómez Gamarra, Director Engineering & Maintenance Southern Europe de NH Hoteles afirmó que “se ha decidido mantener la renovación debido al valor añadido que le proporciona este certificado a la propiedad del inmueble, así como a NH Hotel Group”.

BREEAM: Exteriores del NH Ribera del Manzanares

Favorecer el bienestar de los usuarios

Un edificio sostenible debe cumplir una serie de requisitos mínimos para garantizar que son espacios saludables para los usuarios. En el caso de los hoteles este aspecto es todavía más importante y el NH Ribera del Manzanares ha implantado varios de los requisitos de la metodología BREEAM® de construcción sostenible.

La prioridad de la luz natural para la iluminación es uno de estos requisitos. Favorecido por la fachada de vidrio del hotel, que a su vez cuenta con medidas para prevenir el deslumbramiento, permite reducir el uso de iluminación artificial y contribuye al bienestar del usuario.

Por otra parte, cada estancia del hotel y cada habitación cuentan con un óptimo confort térmico que puede regularse a las necesidades o preferencias de cada persona. Este sistema está monitorizado y se controla diariamente.

Para evitar afecciones respiratorias, los productos utilizados en la limpieza y las pinturas y materiales del edificio están exentos de COVs (Compuestos Orgánicos Volátiles), presentes en varios productos químicos y perjudiciales para la salud durante una exposición prolongada. Además, se compran productos y alimentos ecológicos de proximidad, garantizando de esta forma la calidad del servicio.

En este apartado destaca la total accesibilidad y adaptabilidad del hotel para garantizar su uso a personas con movilidad reducida, que cuentan con plazas de aparcamiento y habitaciones adaptadas a sus necesidades.

Certificado BREEAM: Estancia del NH Ribera del Manzanares

Proteger el medioambiente

La eficiencia energética es un aspecto destacado de las construcciones sostenibles. Además de suponer un ahorro económico en el mantenimiento, contar con sistemas eficientes reduce la contaminación al mitigar las emisiones de CO2.

Para cumplir estos requisitos, el NH Ribera del Manzanares ha contratado los servicios de una empresa que suministra energía 100% renovable. En la cubierta del edificio se han instalado colectores solares para disminuir el consumo energético del sistema centralizado para la producción de ACS y calefacción.

La biodiversidad del entorno también se ve favorecida. Por ejemplo, se han incorporado especies vegetales autóctonas, que no necesitan riego adicional al estar adaptadas al clima, y se ha instalado una cubierta vegetal sobre el aparcamiento, una medida que ayuda a climatizar y absorbe parte de las emisiones de CO2 del inmueble. El propio aparcamiento cuenta con puntos de recarga para vehículos eléctricos y una zona de estacionamiento de bicis, medidas para promover vías de transporte alternativas.

El hotel cuenta con un riguroso protocolo de gestión y reciclaje de residuos y existe cartelería y paneles informativos que explican a clientes y trabajadores cuales son las normas y las medidas de sostenibilidad que deben aplicarse para un correcto uso de las instalaciones.

 

 

 

  


          

4 dicas de inglês para as férias

 Cache   
Woman Walking on Pathway While Strolling Luggage
Foto: @freestockpro

As férias de verão são as mais esperadas pelos brasileiros para realizarem as viagens dos sonhos, principalmente para destinos internacionais. Segundo agências de turismo, dos 10 destinos mais visitados pelos brasileiros, cinco são cidades localizadas nos Estados Unidos, com Orlando liderando o ranking. Ainda assim, muitas pessoas se sentem inseguras com o seu nível de inglês e com possíveis dificuldades encontradas pela falta de domínio de outro idioma.

Para ajudar os viajantes, o professor de Letras e especialista em Linguística Jorge Henrique, fundador do curso online Inglês Sem Neura (inglessemneura ), separou algumas dicas para se preparar e facilitar a comunicação enquanto estiver aproveitando as férias no exterior:

1 - Pesquise a fundo


Depois de definir o seu destino, é importante pesquisar sobre o local, como os principais pontos turísticos, hospedagem, meios de transporte disponíveis e trajetos que você fará com mais frequência, por exemplo. Verifique todos os documentos necessários para entrar no país e mantenha uma cópia destes com você em caso de necessidade. Com as passagens em mãos, vale a pena analisar a contratação de um seguro viagem para se prevenir de possíveis imprevistos.

2 - Utilize o português como base


Antes da viagem, coloque o áudio dos seus filmes e séries preferidos em português, enquanto mantém a legenda em inglês. Pode parecer estranho assistir dublado, mas você compreende melhor as informações ouvindo-as na sua língua materna e lendo em inglês - isto acontece pelo fato do nosso cérebro sempre utilizar o idioma-base (no nosso caso, o português) ao assimilar uma nova língua, realizando associações para naturalmente consolidar o aprendizado.

3 - Sem pressão


Tenha como prioridade aproveitar suas férias da maneira que mais lhe agradar, deixando a sua mente aberta para absorver o novo idioma. O importante é permitir que a comunicação ocorra da forma que for possível, mesmo que por gestos ou mímicas. Estas ações fazem parte da construção do aprendizado.

4 - Não tenha vergonha de errar


Ninguém nasce falando perfeitamente algum idioma, nem mesmo a língua materna. Por isso, não tenha medo de falar com outras pessoas durante a sua viagem, principalmente em locais com guias turísticos. Apenas com a prática é possível adquirir maior conhecimento, fora as boas conversas e experiências. "Não existe habilidade de fala e fluência sem erros. É necessário falar sempre, lembrando que a língua existe para unificar, para construir relações, e nunca para afastar".


Gostaram do post? Nos conte nos comentários e compartilhe com os amigos.

          

Comment on The 3D mapping solution by TODAY NEWS: Latest World news, US News - TODAYNEWS.com

 Cache   
[…] Routescene UAV LiDAR system and software was a key component in a LiDAR drone survey on Alderney in the Channel Islands, […]
          

ONG de Búzios prepara Festa de Natal para moradores de Maria Joaquina. Doações podem ser recebidas até 14 de dezembro.

 Cache   




O projeto De Mãos Dadas, um dos trabalhos sociais da ONG buziana Associação de Educação para Paz, aguardo o mês de dezembro com muita alegria. No dia 19/12 (quinta-feira), acontece e formatura da segunda turma do Curso de Corte, Costura e Modelagem voltado para as mulheres de uma das comunidades menos favorecidas de Búzios – o bairro de Maria Joaquina. Já no dia 21/12 (sábado), tem Festa de Natal na Praça Central do bairro, das 9h às 14h.


Graças a parceiros, voluntários e doares, a festa terá distribuição de presentes para os pequenos e 200 cestas básicas para as famílias. Pula-pula, futebol de sabão e, claro, Papai Noel, prometem alegrar crianças de todas as idades! A comunidade buziana pode ajudar a tornar a celebração ainda maior: até o dia 14 de dezembro, doações de brinquedos coletivos como jogos, bolas, frescobol, além de alimentos... podem ser entregues na Golden Prana, no Porto da Barra (loja 27).

Corte, Costura e Modelagem

A formatura das oito beneficiárias do projeto será no galpão onde acontecem as atividades – e elas vão muito além das aulas e da capacitação para o mercado de trabalho. As ações, que acontecem durante todo o ano, três vezes por semana, são intercaladas com oficinas terapêuticas, fundamentais para o fortalecimento da autoestima e o desenvolvimento das virtudes das alunas.

De Mãos Dadas abraça ainda os filhos das beneficiárias. Enquanto as mães aprendem a lidar com agulhas, linhas, tecidos e máquinas, crianças e adolescentes (bebês de colo a 13 anos) participam de oficinas lúdicas que incluem arte, reciclagem, música e contação de fábulas.

As atividades visam trabalhar a construção do caráter e a desenvolver valores humanos como honestidade, respeito, responsabilidade e humildade. Tais aprendizados também fazem parte da “grade” de atividades das mulheres, ampliando os ensinamentos para toda a família. Toda a “engrenagem” do projeto é movida por voluntários.

Em 2019, De Mãos Dadas atendeu oito beneficiárias e 15 crianças. No primeiro ano (2018), foram 15 adultas e 23 menores – todas as mães

foram inseridas no mercado de trabalho, produzindo roupas e acessórios para a loja Golden Prana Spiritual Design, no Porto da Barra. A loja pertence à ONG e toda renda é revertida para o projeto.

O objetivo para 2020 é levar o projeto para outros bairros carentes da cidade e atender a um número maior de famílias, capacitando 40 mulheres e reunindo cerca de 120 crianças. Para aumentar os números, o projeto busca patrocinadores e novas certificações federais – a expectativa é de que, em breve, as doações possam ser descontadas no Imposto de Renda.

Voluntários e Parceiros

As atividades do projeto De Mãos Dadas - aulas de Corte e Costura, oficinas infantis e atendimentos terapêuticos - que duram um ano e acontecem três manhãs por semana, movimentam uma rede de voluntários, que se dividem entre as ações.

Já os apoiadores financeiros garantem o café da manhã e a distribuição de cestas básicas mensais para as participantes do projeto e suas famílias.

E ainda tem as doações de roupas, brinquedos e alimentos, arrecadados em frequentes campanhas e eventos promovidos pela ONG. Para ajudar, basta entrar em contato pelo whatsapp (22) 9-9782-6059.

Associação de Educação para Paz

A ONG foi formalizada em 2016, mas as ações do coletivo que deu origem à associação começaram em 2004, através de atendimentos voluntários de terapias específicas abertas ao público.

As atividades terapêuticas também incluíram oficinas de arterapia para crianças da Creche Tia Maria (ONG Progissol) e aulas de desenvolvimento da inteligência emocional no Colégio Estadual João Oliveira Botas. Nesse meio tempo, diferentes comunidades receberam doações de roupas e alimentos arrecadados em eventos solidários organizados pelo coletivo.

Dar e receber

A associação oferece atividades de cunho filantrópico, social, cultural, educacional e terapêutico voltadas para a comunidade. É uma associação civil, que tem como finalidade promover projetos baseados nos valores humanos e de construção do caráter para crianças, adolescentes, adultos e idosos.

O maior objetivo é transformar positivamente as vidas das famílias, fornecendo ferramentas para lidar com o cotidiano, capazes de promover equilíbrio e harmonia. Assim como desenvolver a inteligência emocional, para ajudá-los a superar seus limites, materializar seus objetivos e incentivar relacionamentos saudáveis e cooperativos no ambiente familiar e social.

Contatos ONG Associação de Educação para Paz:

Endereço: Porto da Barra (loja 27) – Espaço Golden Prana

Whatsapp: (22) 9-9782-6059


Facebook: /Associação-de-Educação-para-Paz

Instagram: @ong_educacaopararapaz



          

Entrevistas SWCP: Patrick Comerford

 Cache   



Patrick Comerford é um ator e artista em efeitos especiais. Com mais de duas décadas de experiência no cinema, televisão, comerciais, teatro e apresentações corporativas, foi um dos artistas principais em animatronic para `The Force Awakens´sendo os seus dois personagens principais, no departamento de criaturas:Grummgar e Bollie Pringle. Ele também foi o operador do GA-97 o dróide de comunicações no castelo da Maz, Strono "Cookie" Tuggs e Quiggold para algumas filmagens individuais. Em `Rogue One´foi o artista facial do Almirante Raddus, o droid na cena de abertura e Bor Gullet.Em Star Wars:Os últimos Jedi, ele fez a animatronic do Trypto Buball.


SWCP: Quais foram as principais dificuldades que você teve para encarnar os personagens de Star Wars?


P.C:  Essa é uma pergunta interessante. Acho que é seguro dizer que grande parte do filme que qualquer membro da equipa faz, é resolver problemas.
Toda a gente tem as suas áreas de responsabilidade.A minha função principal sobre os filmes de Star Wars tem sido como um performer de animatronics - às vezes trabalhando simplesmente com fantoches de personagens (como o Grummgar em Ò Despertar da Força´), mas a maior parte trabalhando como ator de personagens - um notável grupo de homens e mulheres por quem eu tenho o maior respeito.
Cada traje e cada cabeça de animatronic são diferentes. A primeira coisa que eu tenho de fazer é familiarizar-me com cada cabeça individualmente antes de entramos no set.  Há um número diferente de sistemas de controle que temos usado ao longo dos anos e eu tenho de ter a certeza que estou feliz com a maneira de como eles são criados. Todos os artistas de animatronic têm preferências, particularmente quando se trata de realizar o diálogo e às vezes isso pode significar trabalho com um mecânico para ajustar a programação para uma cabeça específica para que você automaticamente saiba que expressão e formato da boca causem uma certa combinação de posições do dedo   mesmo se perder de vista o rosto do personagem quando eles (ou a câmera) estão em movimento. 
Os mecânicos de Star Wars são alguns dos melhores (e mais pacientes!) do mundo. Sem a sua ajuda,o meu trabalho seria muito mais difícil. Às vezes pode haver uma pessoa a manobrar os olhos num controlador, enquanto o outro manobra a boca num controlador diferente, mas na maior parte desse trabalho,eu estou incumbido de cuidar de toda a face. 


A minha primeira responsabilidade é executar todas as expressões faciais, emoções e quando necessário, o diálogo para qualquer criatura que esteja fazendo.Para conseguir isso, o ator que usa o traje e eu discutimos o que eles querem fazer e eu observo cuidadosamente os ensaios com o realizador para certificar-me de que estamos todos em sintonia.
Igualmente importante, é ter a certeza de que o ator trajado está seguro e tem o que ele ou ela precisa fazer para o seu trabalho, mantendo-os informados sobre as filmagens em que estão envolvidos e o ambiente em torno deles, tais como riscos de viagem e mudança de posições da câmera. Eu tenho um microfone que está conectado a um fone de ouvido colado ao artista para que eu possa mantê-lo informado e também passar novas instruções do realizador quando é necessário. Na maior parte, o ator trajado limita a sua visibilidade quando usa uma cabeça de animatronic e há raras ocasiões, tais como com o Almirante Raddus(Rogue One)quando devido aos requisitos de projeto da cabeça, o actor (neste caso o Paul Kasey) não tem absolutamente visibilidade tendo por isso de ficar completamente dependente de informações em tempo real que recebe.Num mundo ideal, você sempre tem uma 'cabeça' de ensaio primeiro para que o actor possa habituar-se a um ritmo e ter uma ideia de como as coisas acontecem - mas uma vez que a cabeça esteja colocada, estes podem mudar e raramente escusam de passar por todo o processo novamente.   
Um típico conjunto de orientação que eu possa dar seria algo como "A Jyn Erso está se a aproximar de ti ás tuas três horas(sentido dos ponteiros do relógio),vira-te e cumprimenta-a em 3-2-1 - agora! " ou "Estás a chegar á escadaria em 3-2-1-desce-2-3 - e estás em baixo".
O Traje de trabalho é cansativo, quente e técnicamente muito exigente. O que alguém como o Paul faz tão bem é fazer tudo parecer natural e sem esforço.É muito mais difícil do que a maioria das pessoas imagina. 


Quando um artista de animatronic faz o diálogo para uma criatura no set nós naturalmente precisamos ver a cara da criatura que estamos a filmar, de preferência com linha de visão devido ao ligeiro atraso num monitor. 
Uma coisa que as pessoas que assistem aos filmes provávelmente não estão cientes,é que isso inevitavelmente nos coloca num lugar completamente diferente para a criatura em si, o que significa que muitas vezes um ator está a conversar com um personagem na frente deles enquanto ouve o manipulador de marionetes dizer as linhas de diálogo a cerca de 30 cm atrás da sua orelha esquerda,o que pode ser um pouco de chocante no início. 


O facto de que eles fazem isso tão naturalmente,é um crédito para o incrível elenco com quem trabalhamos. Acho que a coisa mais importante para todos os marionetistas e artistas é de certificarmo-nos de que fazemos jus á extraordinária quantidade de trabalho que foi ter de criar cada personagem.Isto representa uma vasta pirâmide de habilidade e esforço de todos os membros dos departamentos CFX, roupas e adereços que combinam para criar a criatura que vocês vêm no filme. 
Nos últimos 5 anos eu fui afortunado o bastante por fazer parte de uma equipa que continha um grande número de pessoas extremamente talentosas e trabalhadoras que incorporam tudo o que você gostaria de uma equipa quando você pisa no set.O Neal Scanlan rodeou-se com um grupo muito especial de pessoas e cada um deles trouxe seu"O seu jogo para a mesa". Eu não posso exagerar o nível de profissionalismo, carinho e orgulho que todos colocaram no seu trabalho, muitos dos quais trabalham longas horas nas oficinas por meses a fio e nunca são vistos aos olhos do público. É um sentimento maravilhoso andar pelos sets e saber que tudo o que é pedido a si,é que por mais difícil que as coisas possam ficar,com um departamento como este,não há problema que não se consiga resolver. Acho que tenho o melhor trabalho em Star Wars e quando tens este tipo de apoio,qualquer dificuldade é apenas um desafio á espera de ser realizado.

SWCP: Lembra-se de alguma situação engraçada ou incomum que tenha ocorrido durante as filmagens dos filmes? 

P.C: Há tantas situações inusitadas e tanto riso no set que é difícil destacar um só.As rodagens feitas na Irlanda para `O Último Jedi´ foram repletas de momentos surreais, desde o cenário massivo da aldeia do zelador que estava colocado nas falésias 122 metros acima do mar, para ver a enorme marioneta da vaca do mar, teve de vir um helicóptero do penhasco e depois de filmar,voou longe através da Baía para o acampamento-base.Sobre o voo de volta para o Reino Unido,o Mark Hamill tendo um bom espírito desportivo,assumiu o papel de hospedeiro... O fanboy em mim nunca vai esquecer o facto de ter recebido uma toalhita húmida pelo Luke Skywalker!


SWCP: Você e o Harrison Barny são os sócios e fundadores da Global  Puppeteering Services.Pode descrever um pouco mais sobre esta empresa? 

P.C: Conheço o Barny desde o meu primeiro trabalho de marionetista trabalhando na série de TV “Spitting Image” (Onde o Brian Herring também começou ao mesmo tempo) temos sido amigos desde aí e tendo trabalhado em filmes, séries de TV e dezenas de comerciais juntos,marionetando tudo, desde cães verdadeiros a sofás,testes de acidentes com manequins,entre outros.Nós fundámos a Global Puppeteering Services como um veículo para trabalharmos juntos em projetos mas na verdade já não existe como uma entidade - embora por razões sentimentais ainda não tenhamos eliminado o website oficial da empresa.

SWCP: Entre as dezenas de criaturas que encarnou durante sua carreira, há algumas das quais você tenha um carinho especial? 


P.C: O Almirante Raddus será sempre especial para mim, em parte por causa do Paul e em parte porque era o primeiro personagem falante do elenco que fiz em Star Wars.Eu e o Nick Kellington divertimo-nos muito com o Snook Uccorfay em `O Último Jedi´ - embora tivesse acabado com apenas um vislumbre fugaz no filme. Eu fiz um monte de trabalhos realmente agradáveis com o Harley Durst no personagem Molloch do filme `Solo.Uma História de Star Wars´, mas apenas alguns dos personagens acabaram no corte final após as refilmagens (dos quais Chris Clarke assumiu e eu não estava disponível nessa altura).Há uma série de grandes coisas no episódio IX que não posso falar, mas que estou animado para ver na tela.
Às vezes, é muito sobre as pessoas com quem estás a trabalhar assim como os próprios personagens.Trabalhando com o Phill Woodfine em `Ferdy the duck´ e em `The Pelicans on Babe: Pig In The City´ foi uma experiência preciosa e trabalhando juntos novamente em Star Wars foi um enorme prazer.(O Phill definitivamente cai na categoria de herói desconhecido.O seu trabalho para o departamento de CFX tem sido consistentemente excelente, como qualquer membro da equipa te diria).
Eu não posso deixar de fora o Chucky e a Glen em `A semente de Chucky´.Don Mancini criou tais personagens alegremente malévolos e trabalhar para o Tony Gardner ao lado de Peter Chevako e o resto da equipa da Alterian foi uma época que recordo com grande carinho. Oh - e há 3 anos eu era o braço direito do primeiro-ministro John Major. (Na série "Spitting Image"...)

SWCP:  E qual foi seu trabalho mais difícil de fazer até agora?

P.C: Na verdade, acho que não tive o que eu chamaria de um trabalho realmente difícil.  Alguns podem representar desafios mais do que outros, mas existem muitas pessoas no mundo que ganham a vida a salvar vidas e a lidar com as condições e circunstâncias que eu nunca tive de fazer. Relembro constantemente a sorte de poder fazer o que faço.

SWCP: Que mensagem você gostaria de enviar aos fãs de Star Wars?


P.C: Tudo o que posso dizer é obrigado por todo o apoio que temos recebido ao longo dos anos - eu próprio sou um fã de Star Wars desde 1977 e cada vez que entro num set é como ser uma criança numa loja de doces.Sou apenas uma diminuta engrenagem numa grande máquina. Espero que as pessoas gostem do que temos feito até agora e eu estou tão animado como qualquer um para ver o episódio IX!
Que a força esteja convosco! 


ENGLISH VERSION:
Patrick Comerford is an actor and special effects artist.With over two decades of experience working in film, television, commercials, theatre and corporate presentations,he was one of the principal animatronic performers for the Creatures Department in The Force Awakens his two main characters were Grummgar and Bollie Pringle. He was also operated GA-97 the communications droid in Maz's castle, Strono "Cookie" Tuggs and Quiggold for some individual shots. On Rogue He was the facial performer for Admiral Raddus, the droid in the opening scene, and Bor Gullet.In Star Wars: Episode VIII The Last Jedi, he did the animatronic performance of Trypto Buball.

SWCP: What were the main difficulties that you had to embody the characters of Star Wars?

P.C: That’s an interesting question. I think it’s true to say that a large part of film making for any crew member is problem solving.
Everyone has their areas of responsibility. My principal function on the Star Wars films has been as an animatronics performer - sometimes working on purely puppet characters (like Grummgar in The Force Awakens), but for the most part working with suit performers - a remarkable group of men and women for whom I have the utmost respect. 


Every suit and every animatronic head is different.The first thing that I have to do is familiarize myself with each individual head before we step on set.  There are a number of different control systems that we have used over the years and I have to make sure that I am happy with the way that they are set up. All animatronic performers have preferences, particularly when it comes to performing dialogue and sometimes this may mean working with a mechanic to tweak the programming for a specific head so that you automatically know what expression and mouth shape a certain combination of finger positions will give you even if you lose sight of the character’s face when they (or the camera) are on the move. 
The mechanics on Star Wars are some of the very best (and most patient!) in the world. Without their help, my work would be a lot more difficult. Sometimes there may be one person performing the eyes on one controller while another performs the mouth on a different controller, but for the most part I am tasked with looking after the whole face.
My first responsibility is to perform all the facial expressions, emotions and where required, the on set dialogue for whichever creature I am doing.  To achieve this, the suit performer and I will discuss what they want to do and I carefully watch rehearsals with the director to make sure that we are all on the same page.

Equally important though, is to make sure that the suit performer is safe and has what he or she needs to do their job by keeping them informed about the shot they are involved in and the environment around them such as trip hazards and changing camera positions. I have a microphone which feeds to an earpiece taped to the performer’s ear so that I can keep them informed and also pass on any new instructions from the director as required. For the most part, the suit performer has limited visibility when wearing an animatronic head and there are rare occasions, such as with Admiral Raddus on Rogue One - when because of the head’s design requirements the suit performer (in this case Paul Kasey) has absolutely no visibility at all so they are completely reliant upon the real time information they are given.  In an ideal world, you always have a ‘heads off’ rehearsal first so that the suit performer can pace out their blocking and have an idea about where things happen - but once the head is on these can change and there is rarely time go through the whole process again. 
A typical set of guidance that I might give would be something like “ Jyn Erso is approaching you from your 3 o’clock, turn and greet her in 3-2-1 - turn.” or “You are coming up on the steps in 3-2-1-down -2-3- and you’re down.) 

Suit work is tiring, hot and technically very demanding. What someone like Paul does so well is to make everything look effortless and natural.  It’s a lot more difficult than most people realize.
When an animatronic performer is doing dialogue for a creature on set we naturally need to see the face of the creature we are performing, preferably with line of sight due to the slight delay on a monitor. 
One thing that people watching the films are probably not aware of is that this inevitably puts us in a completely different place to the creature itself, which means that often an actor is having a conversation with a character in front of them whilst hearing the puppeteer say the lines from twenty feet behind their left ear, which can be a bit of a shock the first time.  The fact that they do this so naturally is a credit to the amazing cast that we work with. I think that the most important thing for all the puppeteers and performers is to make sure we do justice to the extraordinary amount of work that has gone in to creating each and every character that we get to perform. By the time something reaches set, it represents a vast pyramid of endeavour and skill from all the members of the CFX, costume and props departments who combine to create the creature you see on film.

In the last 5 years I have been fortunate enough to be part of a team that contained a multitude of extremely talented and hard working people who embody everything that you would want from a crew when you step on set.  Neal Scanlan surrounded himself with a very special group of people and every one of them brought their ‘A’ game to the table. I cannot overstate the level of professionalism, care and pride that everyone put into their work, many of whom work long hours in the workshops for months on end and are never in the public eye. It is a wonderful feeling to walk on set and know that whatever is thrown at you, however hard things may get, that as a department there is no problem that you can’t solve.
I think I have the best job on Star Wars - and when you have that kind of support, any difficulty is just a challenge waiting to be met.


SWCP: Do you remember of any funny or unusual situation that has occurred during filming the movies?

P.C: There have been so many unusual situations and so much laughter on set and off, that it’s hard to single them out.  The Ireland location shoot for The Last Jedi was full of surreal moments, from the massive cantilevered set of the caretaker village that stuck out from the cliffs 400 feet above the sea, to watching the huge Sea Cow puppet being helicoptered off the cliff after filming and flown away across the bay to base camp.  On the flight back to the UK, Mark Hamill being the good sport that he is, he even took on the role of flight attendant…The fanboy in me will never forget being handed a wet wipe by Luke Skywalker!

SWCP: You and Barny Harrison are the partners and founders of Global Puppeteering Services. Could you tell us a bit more about this company?

P.C: I have known Barny since my first puppeteering job working on the TV series “Spitting Image” (where Brian Herring also started at the same time) We have been friends ever since and have worked on films, TV series and dozens of commercials together puppeteering everything from real dogs to sofas, crash test dummy goats and individual pieces of popcorn.  We formed Global Puppeteering Services as a vehicle to work on projects together but it doesn’t actually exist anymore as an entity - although for sentimental reasons we haven’t got round to taking down the website yet.


SWCP: Among dozens of creatures that you performed during your career, is there some for whom you have a special affection?

P.C: Admiral Raddus will always be special for me, partly because of Paul and partly because it was the first speaking cast character that I did on Star Wars.  Nick Kellington and I had a lot of fun with Snook Uccorfay on The Last Jedi - although it ended up with only a fleeting glimpse in the film. I did a lot of really enjoyable work with Harley Durst on Molloch in Solo, but only some of that ended up in the final cut after the reshoots (for which Chris Clarke took over and I was not available). There are a number of great things in IX that I can’t talk about, but which I am excited about seeing on screen. 

Sometimes it’s as much about the people you are working with as the characters themselves.Performing with Phill Woodfine on Ferdy the duck and the Pelicans on Babe: Pig In The City was a treasured experience and working together again on Star Wars has been such a pleasure.(Phill definitely falls into the category of unsung hero. His work for the CFX department has been consistently outstanding, as any crew member would tell you).
I can’t leave out Chucky and Glen in Seed of Chucky.  Don Mancini created such gleefully malevolent characters and working for Tony Gardner alongside Peter Chevako and the rest of the Alterian team on that was a time I remember with great fondness.Oh - and for 3 years I was Prime Minister John Major’s right hand man. (On Spitting Image…)

SWCP: And what was your most difficult job to do so far?

P.C: In all honesty, I don’t think I have had what I would call a genuinely difficult job.  Some may pose more challenges than others, but there are many people in the world who earn their living saving lives and dealing with conditions and circumstances that I never have to face. I am constantly reminded of just how lucky I have been to do what I do.

SWCP: What message would you like to send for Star Wars fans? 



P.C: All I can really say is thank you for all the support we have received over the years - I’ve been a Star Wars fan myself ever since 1977 and every time I walk on to a set it’s like being a kid in a candy store.  I’m just a tiny cog in a vast machine.
I hope that people like what we’ve been doing so far and I’m as excited as anyone to see Episode IX!
Que a força esteja convosco! 

          

Fácil de lidar Uv400 2019 enfants lunettes de soleil filles marque oeil de chat enfants lunettes garçons UV400 lentille bébé lunettes de soleil mignon lunettes nuances lunettes Filles CKffhn

 Cache   
Fácil de lidar Uv400 2019 enfants lunettes de soleil filles marque oeil de chat enfants lunettes garçons UV400 lentille bébé lunettes de soleil mignon lunettes nuances lunettes Filles CKffhn
Détails de l'article
  • Type de lunettes: Lunettes de soleil
  • Type de l'article: Lunettes
  • Matériel de l'objectif: Résine
  • Matériel de la monture: Polycarbonate
  • Style: Goggle
  • Nom de la marque: TTVXO
  • Nom du département: Enfants
  • Attribut optique de l'objectif: Uv400
  • Sexe: Filles
  • Couleur de l'objectif:Mixed each color,Choose color in orde


acheter
          

Rodríguez Larreta presentó su nuevo gabinete y propuso a Alberto Fernández una relación sin roces políticos

 Cache   

Horacio Rodríguez Larreta y su GabineteHoracio Rodríguez Larreta y su nuevo Gabinete

El jefe de Gobierno porteño, Horacio Rodríguez Larreta, afirmó que hay "mucho trabajo por hacer en la Ciudad", al presentar a su Gabinete en la sede gubernamental del barrio de Parque Patricios y propuso a Alberto Fernández una relación institucional sin roces políticos.

 

"A cada vecino le pido que sigamos juntos. Trabajar cara a cara con ustedes es la única manera de gestionar que conocemos. Nosotros estamos al servicio de cada porteño y sus aportes son fundamentales para seguir haciendo de Buenos Aires un gran lugar para vivir", manifestó Rodríguez Larreta.

 

Al presentar el Gabinete que lo acompañará en su segundo mandato, el jefe de Gobierno porteño consideró que "un buen equipo tiene que tener experiencia y juventud", y resaltó que sus ministros cuentan con la "experiencia" para "consolidar la transformación" de la Ciudad y a la vez la "juventud para sumar ideas nuevas".

 

"Estoy muy contento y orgulloso de presentarles a los ministros que me van a acompañar en los próximos cuatro años en la Ciudad. Todos compartimos el mismo desafío: trabajar para que los vecinos vivamos mejor", enfatizó.

 

En ese marco, Rodríguez Larreta dijo estar "muy entusiasmado por todo lo que se viene", y manifestó: "Todavía tenemos mucho trabajo por hacer en la Ciudad, y estoy seguro de que todo el equipo va a sostener y promover los valores que hace cuatro años están presentes en el día a día de nuestra gestión".

 

Dentro de los ministros que continuarán su gestión se encuentran Soledad Acuña (Educación), Enrique Avogadro (Cultura), Martín Mura (Economía y Finanzas), y Bruno Screnci (Gobierno).

 

En tanto, el vicejefe de Gobierno porteño, Diego Santilli, seguirá al mando del ministerio de Seguridad, ya que Rodríguez Larreta consideró que "gracias a su trabajo y al de su equipo, bajaron todos los delitos en la Ciudad".

 

Como jefe de Gabinete de ministros continuará en su cargo Felipe Miguel, mientras que la cartera sanitaria estará comandada por Fernán González Bernaldo de Quirós.

 

Además, se reflotará el ministerio de Desarrollo Económico, que fue eliminado durante la primera gestión de Rodríguez Larreta, y tendrá como jefe de la cartera a José Luis Giusti.

 

El ministerio de Ambiente y Espacio Público se convertirá solo en Espacio Público y su titular será Clara Muzzio, en tanto que el actual ministro Eduardo Macchiavelli quedará en la coordinación de lo que será la Secretaría de Ambiente.

 

Por último, el jefe de Gobierno confirmó que la Secretaría General seguirá liderada por Fernando Straface, con el objetivo de continuar "contribuyendo a la proyección nacional e internacional de la Ciudad".


          

Importador Exportador Distribuidor de Argentina busca socio aliado

 Cache   
Soy importador/exportador y distribuidor de iluminación en Bahía Blanca (centro de Argentina), busco socio inversor para formar, impulsar y consolidar interesante empresa en éste mismo […]
          

¿Necesita un inversor para sus proyectos?

 Cache   
¿Necesita un inversor para sus proyectos? ¿Está buscando un préstamo o inversores para su proyecto, necesita dinero para cubrir sus necesidades financieras, consolidar la deuda […]
          

Aproximación y caracterización de la tecnología de fabricación de los recipientes cerámicos en las minas prehistóricas de Gavà.

 Cache   
El objetivo fijado se centra en el estudio de las técnicas de fabricación de los recipientes cerámicos recuperados en las Minas Prehistòricas de Gavà durante el Neolítico Medio, planteando el desarrollo de un trabajo en el cual incluimos el conceptode Chaîne Opératoire y, por lo tanto, su implicación en los estudios tecnológicos. Esto permitirá fijar una nueva metodología analítica de trabajo que se puede aplicar al registro arqueológico cerámico que permitirá validar una serie de hipótesis resultantes mediante los datos obtenidos, que nos aproximará al conocimiento de las producciones cerámicas des de una perspectiva tecnológica y social. ; The aim focus in the study of the manufacturing techniques of pottery vessels recovered in Minas Prehistóricas de Gavà in the Middle Neolithic, proposing the development of a work in which included the concept of Chaîne Opérative and, obviously, its implication in technological studies. It has allowed us fix a new analytical methodology of work to applied in archaeological pottery that allows us to give validation to a new hypothesis from new data, that will bring us closer to the knowledge of pottery productions from a new technological and social perspective.
          

Factores psicológicos que influyen en la calidad de vida y en la satisfacción con la recuperación del paciente intervenido en cirugía ortopédica y traumatología /

 Cache   
Objetivo: Determinar las variables psicológicas, físicas y sociales que influyen en la Calidad de Vida Relacionada con la Salud y en la satisfacción con la recuperación en los pacientes intervenidos de artroplastia total de rodilla primaria. Validar la Escala de Satisfacción con la Recuperación de la Intervención de Rodilla (ESRIR). Método: Se realizó una exploración de las determinantes psicológicas, físicas y sociales que pueden interferir en la percepción de satisfacción del paciente intervenido de artroplastia total de rodilla y en su Calidad de Vida Relacionada con la Salud. Estudio observacional longitudinal prospectivo correlacional. Muestra, muestreo, selección: Muestra 104 pacientes (Intérvalo de Confianza: 95%, Precisión: 3%, Proporción: 5% Pérdida calculada: 5%). Muestreo no probabilístico de conveniencia con inclusión accidental de los participantes según consentimiento. Recogida de datos y análisis: Se recogieron los datos en la Corporación Sanitaria Parc Taulí de Sabadell, a los pacientes intervenidos de artroplastia total de rodilla primaria mediante los cuestionarios en la visita preoperatoria de enfermería, a los 30 días y 90 días del alta por vía telefónica. Se calcularon índices descriptivos, coeficientes alfa de Cronbach, prueba de Kolgomorov-Smirnov, coeficientes de correlación y análisis multivariable de regresión lineal. Resultados: La Escala de Satisfacción con la Recuperación de la Intervención de Rodilla (ESRIR) presenta buenos índices de fiabilidad y validez. La cirugía de artroplastia total de rodilla tiene, generalmente, un impacto positivo en la calidad de vida y el alivio del dolor del paciente. La mayoría de los pacientes se mostraron muy satisfechos con el proceso de recuperación. Los mejores predictores de las variables de resultado fueron el cumplimiento de las expectativas, y las variables psicológicas satisfacción con la vida y malestar emocional. ; Objective: To determine the psychological, physical and social variables that influence health-related quality of life and satisfaction with recovery in patients undergoing total knee arthroplasty. Validate the Satisfaction with Knee Intervention Recovery Scale (ESRIR). Method: An exploration of the psychological, physical and social determinants that may interfere in the perception of satisfaction of the patient undergoing Total Knee Arthroplasty, and in its Health Related Quality of Life was performed. A prospective correlational longitudinal observational study. Sample, Sampling, Selection: Sample 104 Patients (Confidence Interval: 95%, Accuracy: 3%, Proportion: 5% Calculated Loss: 5%). Non-probabilistic sampling of convenience with accidental inclusion of the participants according to consent. Data collection and analysis: Data were collected at the Corporación Sanitaria Parc Taulí in Sabadell for patients undergoing primary Total Knee Arthroplasty using the questionnaires at the preoperative nursing visit at 30 and 90 days after by phone. Descriptive indices, Cronbach's alpha coefficients, Kolmogorov-Smirnov's test, correlation coefficients, and linear regression multivariate analysis were calculated. Outcomes: The Satisfaction with Knee Intervention Recovery Scale (ESRIR) presents good reliability and validity indexes. Total knee arthroplasty surgery generally has a positive impact on the patient's quality of life and pain relief. Most patients were very satisfied with the recovery process. The best predictors of outcome variables were the fulfillment of expectations, and the psychological variables satisfaction with life and emotional distress.
          

El Ayuntamiento de Nules y FACSA renuevan la red de agua potable la red la calle Camí Nou

 Cache   
El Ayuntamiento de Nules y FACSA renuevan la red de agua potable la red la calle Camí Nou La actuación, que forma parte del Plan de Mejora de Infraestructuras Hidráulicas, ha consistido en la renovación de 170 metros de nueva tubería de polietileno y 110 mm de diámetro, que ha permitido sustituir las antiguas conducciones de fibrocemento y 70 mm de diámetro. Además, se han instalado 3 válvulas y dos bocas de riego nuevas y se han reformado todas las acometidas. Estas actuaciones completan las que se han llevado a cabo en la calle contigua, Senda Olivereta, donde también se han renovado 310 metros de tubería. Unas obras que han permitido a su vez instalar nuevas canalizaciones de polietileno de 110 mm de diámetro y sustituir la antigua conducción de fibrocemento de 70 mm de diámetro. Además, durante esta actuación también se instalaron 3 válvulas y 2 bocas de riego y se renovaron 14 acometidas. Desde el Ayuntamiento de Nules han destacado la “importancia” de estas actuaciones, “con las que se ha renovado un tramo importante de la red de distribución de agua potable y con las que se pretende mejorar el servicio”. De hecho, según ha recordado el alcalde de Nules, David García, “esta actuación se enmarca en el Plan de Mejora de Infraestructuras Hidráulicas con el que se quiere garantizar y mejorar la calidad del servicio de abastecimiento de agua en nuestra población”. Por su parte, desde FACSA han explicado que estos trabajos “han permitido consolidar el mallado de la red, lo que contribuirá a mejorar la calidad del agua, además de conseguir una distribución más eficiente de las presiones de suministro, al conectar los extremos de la red y eliminar la caída provocada por los ramales de los terminales de las antiguas redes de distribución”. De este modo, tanto el Ayuntamiento de Nules como FACSA ratifican su apuesta con la calidad en la prestación del servicio y la mejora en el acceso a los recursos hídricos.
          

Space laser scans reveal massive migration of ocean wildlife

 Cache   
Based on findings from “CALIPSO” lidar and IR earth observation joint venture by NASA and French Space Agency.
          

A UNESCO lança uma nova publicação: Relatório sobre violência contra meninas e mulheres

 Cache   

news_151119_violence_against_women.jpg

Por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, com o apoio da Delegação Permanente do Canadá na UNESCO e em colaboração com a França Médias Monde, a UNESCO apresenta em 22 de novembro de 2019 na sua sede, em Paris, a publicação "Relatório sobre a violência contra meninas e mulheres: um manual para jornalistas".

Concebido no âmbito do mandato da UNESCO de promover o desenvolvimento nos media, da educação jornalística e da igualdade entre homens e mulheres, este manual é um recurso para profissionais dos media em todo o mundo, com a intenção de estimular a reflexão sobre as práticas atuais de informação, promovendo e melhorando a cobertura ética da violência de genero.

"Abordar a violência de género significa abordar uma questão que preocupa a humanidade. Refletir sobre representações tendenciosas, estereótipos, preconceitos e violência contra meninas e mulheres significa introduzir mudanças para que, finalmente, essa violência seja coberta pelos media de uma maneira que reflita plenamente as preocupações das nossas sociedades ...] Os jornalistas podem ajudar a quebrar o silêncio e a tirar esse assunto da esfera privada, onde muitas vezes permanece relegado ".

Trecho de "Reportagem sobre violência contra meninas e mulheres: manual para jornalistas", UNESCO, Paris, 2019

 

A publicação

O jornalismo ao serviço do interesse público é uma alavanca essencial na luta contra a violência contra mulheres e meninas. Embora a cobertura tenha melhorado nos últimos anos em muitas partes do mundo, os relatórios atuais sobre violência de género ainda estão longe de descrever com precisão o escopo e a profundidade do que poderia ser descrito como uma epidemia global, mas silenciosa.

(...)

primeiro capítulo fornece conhecimentos básicos e referências em 10 áreas temáticas:

  • Cyberbullying e assédio online de mulheres jornalistas
  • Assédio sexual, agressão sexual e estupro
  • Feticidio e infanticidio específicos de género
  • Tráfico de seres humanos e contrabando de migrantes
  • Os chamados crimes de "honra"
  • Casamentos forçados
  • Casamentos precoces ou casamentos de crianças
  • Mutilação / Ablação Genital Feminina
  • Violência contra as mulheres em conflito          
  • Violência de um parceiro íntimo ou antigo e assassinatos domésticos

Fornece aos profissionais dos media algumas recomendações e exemplos de boas práticas. O manual também visa ajudar os jornalistas a lidar melhor com os dilemas que enfrentam ao reportar essas questões específicas de género.

Cada subcapítulo temático inclui as seções Definição, Figuras, Explicações e Contexto, bem como dicas e boas práticas sobre como abordar o tópico. Também contém um glossário com as principais noções e uma lista de recursos úteis em relação ao tópico. O manual mostra como cada tipo de violência ocorre nos países em desenvolvimento e nos países desenvolvidos e, portanto, diz respeito a todos nós.

segundo capítulo oferece recomendações gerais sobre como abordar e enquadrar histórias sobre a violência contra mulheres e meninas. Fornece conselhos práticos sobre as principais etapas do processo de criação de relatórios e edição, como garantir o senso de dignidade, a segurança e confiança dos entrevistados, o consentimento informado, a audição receptiva, a escolha do local, a sensibilidade cultural, a escolha do intérprete, a entrevista das crianças, a escolha das imagens, etc.

Uma seção final contém uma lista de declarações, resoluções e convenções internacionais.

O manual “Denunciar violência contra meninas e mulheres: um manual para jornalistas” está disponível em francês e inglês aqui.

 

Referência: Informar sobre las violencias contra las niñas y las mujeres: La UNESCO lanza una nueva publicación. (2019). UNESCO. Retrieved 26 November 2019, from https://es.unesco.org/news/informar-violencias-ninas-y-mujeres-unesco-lanza-nueva-publicacion

 


          

Concurso "Ensaio Filosófico no Ensino Secundário" | 6ª edição

 Cache   

ensaiofilosofico.png

No âmbito do protocolo de colaboração entre a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e a Associação de Professores de Filosofia (ApF), a RBE associa-se à divulgação do concurso Ensaio Filosófico, cuja 6.ª edição é lançada hoje, precisamente, no Dia Mundial da Filosofia.

Promovido para suscitar o interesse pela escrita e reflexão filosóficas, realçar a importância da disciplina de Filosofia na formação geral dos alunos do ensino secundário e consolidar competências em literacia da informação, o Concurso Ensaio Filosófico 2019-20 decorre até ao dia 1 de junho de 2020, de acordo com o respetivo regulamento. Qualquer esclarecimento adicional pode ser solicitado através do endereço eletrónico dir.apfilosofia@gmail.com.

portal da ApF agrega ainda um leque variado de recursos filosóficos bem como propostas de atividades que podem ser implementadas em diferentes contextos e que pretendem contribuir para a construção da autonomia e de uma cidadania ativa e responsável.

 

Para mais informações, consulte o regulamento do concurso AQUI.


Veja também: Ensaios outras edições
 
Regulamento [PDF]
Regulamento

 

Referência: Ensaio filosófico • Associação de Professores de Filosofia. (2019). RBE: Rede de Bibliotecas Escolares. Retrieved 21 November 2019, from http://rbe.mec.pt/np4/2436.html


          

Measuring the third dimension

 Cache   
Topic tags: 

Greg Blackman looks at the latest techniques to capture and analyse 3D image data

Surface-based matching in Halcon, from MVTec Software

The 3D imaging market is set to be transformed by investment pumped into the automotive and consumer sectors. Last year, in this magazine, Yole Développement’s Dr Guillaume Girardin said those markets will push 3D sensing beyond $18bn by 2023.

Automotive is going through a self-driving revolution, which needs a lot of sensing capabilities. One is lidar, or light detection and ranging. There are many variations in the technology – differences in the laser wavelength that is pulsed out, the signal returning from which gives a map of the environment; differences in the method used to scan the laser light; and other intricacies. Bill Gates is funding a lidar startup, Lumotive, with beam steering technology based on metasurfaces; BMW has signed an agreement with Israeli firm Innoviz for its solid-state lidar; while Outsight, at the recent Autosens conference in Brussels, introduced a 3D camera that combines lidar with hyperspectral analysis.

In the consumer market, Apple’s iPhone X, along with phones from Xiaomi, Huawei and others, have 3D sensing technology for face recognition.

All this investment in 3D sensing bodes well for industrial imaging, as technology developed for larger markets, like consumer, trickles down to the niche machine vision sector. Sony, for instance, is developing time-of-flight (ToF) sensing technology for applications such as gesture control in cars or mobile devices. It now offers its DepthSense ToF sensor that combines CMOS with SoftKinetic’s ToF technology, which Sony bought in 2015. The DepthSense sensor is already used in industrial cameras like Lucid Vision Labs’ Helios camera and Basler’s Blaze 3D camera. Helios delivers 640 x 480-pixel depth resolution at a 6m working distance, with four 850nm VCSEL laser diodes.

ToF, which operates on a similar principle to lidar but without scanning the laser beam, has its place among industrial 3D solutions. The technique does not offer very precise depth data, but it is sufficient for applications in logistics, for example, to give the dimensions of boxes. Other 3D imaging methods include: structured light, like systems provided by Isra Vision; stereovision, such as the technology from Scorpion Vision or the new Visionary S stereo camera from Sick; and triangulation, like that from LMI Technologies. All have benefits and flaws, and applications for which they work well.

Slovakian firm Photoneo won the 2018 Vision Award, presented at the Vision show in Stuttgart, for its parallel structured light technology, which can capture around half a million 3D points at 20fps. Each sub-pixel in Photoneo’s sensor can be controlled by a unique modulation signal. The camera uses structured light, but transfers individual coded light patterns to the sub-pixels in the sensor, where they are sampled at one point in time. This means the camera projects one pattern and captures one image but can get multiple virtual images from it, each illuminated by a different light pattern. It is also possible to switch the sensor into a sequential mode and get the full 2-megapixel resolution with metrology-grade quality. It means the technology gives the high resolution and accuracy of structured light, but can also capture objects in motion.

Software solutions

There are many ways to analyse 3D data, although the recommendation from Luzia Beisiegel, product owner of the Halcon library at MVTec Software, is to do as much as possible in the 2D space, ‘because it is simpler, more intuitive and faster’, she said.

Each 3D application starts with a pre-processing step, to remove unnecessary information, such as outliers from the point cloud. Beisiegel explained that this is normally based on a standard blob analysis applied on the z-mapping, which she said is much more intuitive and faster than doing the same operations in the 3D space on non-ordered point clouds.

The latest version of Halcon, 19.11, includes a function called Generic Box Finder, which allows the user to find boxes of different sizes in a predefined range of height, width, and depth, based on point cloud information. It addresses applications that have to handle boxes of different, unknown sizes, such as in logistics and pharmaceutical industries.

‘The requirement for using the Generic Box Finder is that point clouds are ordered,’ said Beisiegel. ‘This means that 3D point cloud 
co-ordinates can be mapped onto 2D image co-ordinates. The resulting images are called xyz-mappings and can be attached as attributes, for instance, to the point cloud format om3d.’

Most of the relevant 3D operators in Halcon have a mapping mode integrated, such as the Sample Object Model 3D operator. This mode is around five times faster than working in the 3D space on non-ordered point clouds, said Beisiegel. 

‘On Windows systems, it is difficult to reach real-time 3D image processing,’ she added. ‘However, we are always working on improving the speed of our operators, including our 3D operators. We do this by using ordered point clouds, and we have already most of these modes integrated in Halcon.’

A 3D application, where the height image has encoded in its grey-values the 
z co-ordinate mapped onto 2D co-ordinates, can be processed on embedded hardware. There are a lot of 3D applications that can be solved in this way, according to Beisiegel – reading embossed text and numbers, detecting surface defects, or measuring heights; all those applications can be solved without needing a lot of memory or a powerful CPU, because it is based on 2D information. Point-cloud processing, on the other hand, requires a lot more memory, because there is more information to be processed.

Standard 3D applications in industrial automation – such as in the assembly sector – include 3D measurement, bin picking and surface comparison. In some cases, especially for more robust bin picking, the shape of the part is known in the form of a CAD model.

Other markets include logistics and agriculture, both of which generally don’t have major requirements in terms of accuracy, but here the major challenge is handling objects of unknown shapes and sizes.

There are also pick-and-place applications where the shape is only partially known. A 3D surface is described by 3D point co-ordinates and normal directions. Based on those two attributes, a point cloud can be segmented according to different features, such as difference of neighbouring normals, curvature feature, or the area of the surface (the number of points). In Halcon it is possible to segment objects based on normal directions or other surface information.

Other software packages, such as those from Matrox Imaging or Stemmer Imaging’s Common Vision Blox, all have comprehensive libraries for working with 3D data. New in Sherlock 7 vision software, from Teledyne Dalsa, is a tool called Shape Extraction, which extracts raised or indented features, such as embossed characters or stamped and engraved markings.

Beisiegel, at MVTec, said the firm is trying to make its 3D tools as simple as possible for the user. This is the focus of the Generic Box Finder, for instance – it has a simple interface where the user enters intuitive parameters, while other, more complex parameters run in the background as a default.

‘For noisy point clouds it can be difficult to estimate default parameters,’ noted Beisiegel. Noise can be from reflective materials, or not enough texture available on the surface for a stereovision sensor without a pattern projector, for example. In such cases the image processing library needs to process those noisy point clouds. ‘Automation of processes is one of the focuses of our algorithms,’ she said.

‘Imaging boxes of unknown size is challenging,’ Beisiegel added, in relation to Halcon’s Generic Box Finder. Boxes are 3D objects, but if viewed from above they can be seen as a 2D plane. Another challenge is that when boxes are close together, the edges are not clear. ‘There are a lot of challenges that still need to be solved in this application,’ she concluded.

Other tags: 

          

El Ayuntamiento de Madrid se sube a la ola verde con la Cumbre del Clima pese a sus políticas de retroceso

 Cache   

La inesperada celebración de la Cumbre del Clima en Madrid ha colocado a la ciudad frente al espejo. La capital lleva semanas atravesada por una paradoja: quiere, y le toca, mostrarse como un referente medioambiental pero su Gobierno está tomando medidas que van en la dirección contraria. El intento del equipo municipal, dirigido por José Luis Martínez-Almeida (PP), de suspender las multas a los coches que entraran en el centro nada más llegar al Palacio de Cibeles, frenado por los tribunales, señaló a la ciudad como la excepción europea y reactivó el proceso sancionador de Bruselas. Ahora, con la cita internacional en casa, el Gobierno bipartito de PP y Ciudadanos trata de subirse a la ola verde y aprovechará la atención internacional para validar sus políticas medioambientales.

"Me siento orgulloso de una cumbre de estas características, que lo que va a generar es un debate esencial y de la que esperemos que salga un acuerdo que no solo beneficie a Madrid como marca", dijo Martínez-Almeida hace unas semanas. El mismo regidor confesó en septiembre que si gobernara en solitario habría hecho desaparecer Madrid Central, pese que los datos constatan que la zona de bajas emisiones funciona. Sacar coches del centro redujo un 11% la contaminación en toda la ciudad durante su primer año de implantación, que se cumple ahora. 

No pudo hacerlo. Los tribunales impidieron suspender las multas, aunque la medida tuvo un efecto inmediato en Europa. La Comisión Europea anuló la prórroga de gracia que había concedido a España por sobrepasar reiteradamente los límites legales de contaminación y terminó por llevar el caso ante el Tribunal de Justicia Europeo. Con la multa pisando los talones a España, el plan B del Ayuntamiento, gobernado por un bipartito PP-Ciudadanos, es una estrategia llamada 'Madrid 360' que ha sido contestada prácticamente por todos –oposición, organizaciones ecologistas y expertos– por fomentar el uso del coche contraviniendo la política de disuasión que están marcando las ciudades europeas. 

La iniciativa tiene cientos de medidas, entre ellas la creación de líneas de autobuses gratuitas, aparcamientos disuasorios o ayudas para comprar coches eléctricos, pero la más importante ni siquiera convence a su socio de Gobierno, que posó en primera fila el día de la presentación oficial: abrir la puerta a la entrada de más coches en el centro  (los etiqueta C con alta ocupación) sin haber cuantificado el impacto que tendrá en las emisiones. 

Las decisiones controvertidas no acaban ahí. José Luis Martínez-Almeida y Begoña Villacís llevan en su historial de Gobierno la eliminación de jardineras de la calle Galileo que quitaron espacio al coche o la reconversión de un carril bici segregado en un ciclo carril donde también pueden entrar vehículos. Esta última iniciativa valió al Ayuntamiento una reprimenda de la ministra de Transición Ecológica, Teresa Ribera: "Es provocar una multa a España por parte de Bruselas". 

Revisionismo vs. Madrid Green Capital

La Cumbre del Clima aterriza en Madrid en medio de este revisionismo, que no solo empuja individualmente el alcalde. El PP ha respaldado las medidas del Ayuntamiento en materia medioambiental y también el argumentario del que beben: la libertad individual de cada ciudadano."No se puede actuar prohibiendo y diciendo a los madrileños cómo tienen que moverse, sino que los madrileños decidan cómo quieren moverse", decía el alcalde esta misma semana para justificar su oposición a Madrid Central. 

La formación de Pablo Casado ha coqueteado incluso con el negacionismo y en sus filas hay aún quien siembra dudas sobre la emergencia climática y la urgencia de actuar que reconocen todos los paneles de científicos. La portavoz parlamentaria del PP, Cayetana Álvarez de Toledo, fijó la postura del partido en uno de los debates electorales previos al 10N. "La Cumbre del Clima nos va a dar una ocasión para ir al fondo del asunto y buscar una política de la evidencia. Que no esté basada en puras supersticiones ni de un tipo ni del otro". 

En todo caso, el Ayuntamiento y la Comunidad –gobernadas por bipartitos de PP y Ciudadanos– intentarán que la acogida de la cita internacional impulse a la capital como una ciudad puntera en la lucha contra la emergencia climática.

La capital se ha puesto sus mejores galas ahora que todos los ojos la miran. El Consistorio ha lanzado una campaña, Madrid Green Capital, con vídeos que muestran imágenes espectaculares de todas las zonas verdes de la capital (Casa de Campo, Retiro...). Pero la iniciativa, presentada personalmente por el alcalde y la vicealcaldesa, ha quedado atravesada por la polémica con acusaciones de "greenwashing" por parte de grupos ecologistas y Unidas Podemos. El nombre elegido para la campaña coincide con un reconocimiento verde europeo que Madrid no tiene: el título de European Green Capital, entregado a las ciudades que son modelo en sostenibilidad. 

Las medidas de marcha atrás también encuentran excepciones en la política de movilidad del Consistorio. Mientras retira carriles bici, construirá otros nuevos, como el de Castellana, separado y seguro dando respuesta a una demanda de las asociaciones ciclistas. En todo caso, ninguna de estas políticas se pondrán en marcha hasta que las cámaras de medio mundo se hayan marchado y la ciudad vuelva a la normalidad. Después, el Gobierno municipal tiene tarea por delante: convencer a la mitad naranja de su equipo de que Madrid 360 será efectivo, obtener el visto bueno de Bruselas y dar respuesta los comerciantes, empresarios y transportistas que ganaron su voto con su oposición a Madrid Central. 


          

Plan K para la desdolarización: sumar bancos al pacto social para validar cepo, más emisión y quita a Leliq

 Cache   
En un encuentro de su fundación, Marcó del Pont planteó la estrategia para impulsar el plan sin repetir situaciones conflictivas del gobierno de Cristina
          

Comentário sobre Como lidar com uma pessoa com distimia: dicas de especialista por Lua

 Cache   
Meu Deus, nunca tinha lido nada a respeito de distimia, meu marido é um homem jovem, tem uma boa casa, um bom emprego, saúde, e sempre foi infeliz, sem motivo , uma tristeza infinita. Parece que esse texto retrata a nossa vida. Vou mostrar pra ele. Obrigada eurekka
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Eurekka Psicólogos

 Cache   
Que bom que gostou, Marcia! Ficamos muito felizes com o seu comentário :)
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Eurekka Psicólogos

 Cache   
Muito obrigada, Fabiana!
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Fabiana Ferreira Rolim

 Cache   
Parabéns excelente texto !!!
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Marcia

 Cache   
Parabéns pela matéria... muito completa!
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Eurekka Psicólogos

 Cache   
Obrigada, Rosana! Que bom que adorou :)
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Eurekka Psicólogos

 Cache   
Que demais Laura! Esse é mesmo o nosso objetivo, ficamos felizes demais que tenha te ajudado :)
          

Comentário sobre Como lidar com a frustração de 4 formas diferentes e vencer por Eurekka Psicólogos

 Cache   
Muito obrigada Luciana, ficamos muito felizes que você tenha gostado!
          

Global Automotive LiDAR Sensor Market - Analysis By Vehicle Type, By Technology & Industry Trends with Forecast to 2030

 Cache   
Bharat Book Bureau Provides the Trending Market Research Report on “Global Automotive LiDAR Sensor Market: World Market Review By Vehicle Type, By Technology: Opportunities and Forecast (2019-2030)”under Automotive Category. The report offers a collection of superior market research, market analysis, competitive intelligence and Market reports. Executive Summary A comprehensive research report created through extensive primary research (inputs from industry experts, companies and...
          

Bitso lanza remesas mediante criptomonedas

 Cache   
El blockchain es una tecnología que se comienza a consolidar en el mercado mexicano con casos de uso como pagos a través de criptomonedas, contratos inteligentes y, recientemente, remesas. Hoy en día las remesas suceden principalmente a través de procesos tradicionales que, además de tiempo, requieren de ubicaciones físicas, efectivo, y cambio de divisas. En […]
          

LiDar and its Applications Part 6 – Forest Fires

 Cache   

In a previous article, we talked about the importance of planning and forest management. Management is all about risk tolerance. Optimizing risk is the goal. […]

The post LiDar and its Applications Part 6 – Forest Fires appeared first on The Future Is Pretty Rad.


          

Space-based lasers track Earth’s largest animal migration in unprecedented global study

 Cache   
A joint study by NASA and the French space agency, Centre National d’Etudes Spatiales (CNES), has used space-based lasers to produce the first global study of the great migration of tiny marine animals that takes place twice every day. Using the Cloud-Aerosol Lidar and Infrared Pathfinder Satellite Observations (CALIPSO) satellite that was launched in 2006, the unprecedented […]
          

Dicas para quem vai fazer um dia a Estrada Nacional 2

 Cache   
Após já muitas semanas, e antes que a memória comece a desvanecer, seguem algumas dicas da recente experiência para ajudar quem um dia queira fazer a aventura da EN2 de bicicleta.


1. Sozinho ou em grupo?

Na minha opinião fazer a EN2 sozinho não será uma experiência agradável, a não ser que se queira fazer numa de isolamento e introspecção pessoal.

A par já será interessante para ter uma companhia, repartir os custos e até partilhar a experiência no seu todo.

Nós fizémos num grupinho de 3 e acho que foi o ideal, pois acaba por ser uma boa convivência social de apoio, confraternização e até a repartição de custos é mais simples.

Se calhar mais que 3 já seria logisticamente mais complicado gerir ritmos, vontades e alojamento... a não ser que houvesse um grande alinhamento prévio nesse grupo.

2. Duração

Cada pessoa ou grupo terá o seu ritmo, que dependerá muito da forma física e calendário disponível, pelo que o meu conselho é baseado na experiência recente desta nossa viagem.

Nós fizémos em 6 dias a rolar, mas dado que para chegar ao ponto de partida em Chaves tivémos de tirar outro dia para essa viagem acaba por ser 7 dias para este percurso.

O que aconselho, partindo de Lisboa, será que quem queira e possa tire apenas a tarde de sexta de "féria" e apanhe o autocarro para Chaves de forma a começar a viagem no Sábado seguinte e assim fazer a viagem em 8 a 9 dias a rolar, de Sábado a Domingo.

Desta forma poderão fazer a viagem de forma mais vagarosa e apreciando os cantos e recantos do interior de Portugal, fazendo até distâncias mais curtas para quem não esteja em tão boa forma física.

E assim apenas necessitar de 5 dias e meio úteis de folga do trabalho.

3. Transportes

Lisboa > Chaves : Autocarro

Nós fomos os 3 de Lisboa para Chaves pela Rede de Expressos.

Recentemente a Rede Expressos passou a cobrar pelo transporte de bicicletas (e outros equipamentos desportivos como pranchas de Surf) e eu acho isso muito bem!

Antes ficava um pouco ao critério do motoristas e de haver muita ou pouca bagagem normal se a bicicleta podia ou não embarcar no dito autocarro. Agora assim é um custo de um serviço pelo que tem meessssmo de levar a bicicleta como bagagem. O custo do bilhete da bicicleta são apenas 5€!

Convém comprar com antecedência para garantir o lugar para a bicicleta...


"Quero fazer uma viagem com a Rede Expressos/Renex e tenho uma bicicleta para transportar. Posso viajar?
Sim, pode. O transporte de bicicletas ou pranchas de surf implica um acréscimo no preço do bilhete de 5 euros. Apenas é permitido o transporte mediante a compra prévia, exclusivamente online, mediante o pagamento da referida taxa. Dada a limitação de espaço, é permitido um total de quatro unidades, entre bicicletas e pranchas de surf, por veículo. Estas devem estar em condições de viajar sem provocar danos nas restantes bagagens ou volumes, sendo obrigatório desmontar a roda da frente, colocando-a sobre o quadro e estando o respetivo conjunto embalado numa caixa ou bolsa preparada para o transporte. Se não houver espaço para mais bicicletas no horário escolhido, a célula de seleção de viagem com bicicleta não estará disponível. Depois de adquirir o bilhete, o passageiro deve apresentar-se para embarque, com a sua bicicleta/prancha de surf, com uma antecedência mínima de 15 minutos antes da saída. Outras bagagens especiais: serão aplicáveis os mesmos preços e condições a todos aqueles equipamentos e acessórios de desporto e/ou lazer equiparáveis, similares aos descritos anteriormente e que, pelas suas dimensões e/ou características, devam ser transportados no porão do autocarro. Estas bagagens devem estar em condições de viajar sem provocar danos nas restantes bagagens ou volumes, sendo obrigatório o respetivo embalamento para o transporte."

https://www.rede-expressos.pt/faq

Faro > Lisboa : Comboio Intercidades

No nosso último dia de viagem a rolar chegámos a Faro com alguma pressa para ainda conseguirmos o regresso no Domingo, pois como país civilizado temos muito poucos comboios a ligar pontos relevantes do país.

Os comboios intercidades permitem o transporte de bicicletas, sem desmontar nem embalar, num máximo de duas por cada carruagem, o que num dia como domingo estávamos apreensivos se iriamos ou não conseguir embarcar. Felizmente chegámos a tempo e horas à estação e lá comprámos as passagens para o regresso a Lisboa. Não se paga para transportar a bicicleta, mas é preciso na compra do bilhete indicar que se pretende levar uma bicicleta para reservar o espaço da mesma.


"O transporte de bicicletas é gratuito.

Comboios Intercidades das Linhas do Norte (Lisboa – Porto / Guimarães / Braga / Viana do Castelo), Beira Alta, Beira Baixa, Alentejo (Lisboa Oriente / Évora) e Sul

As carruagens de 2ª classe destes comboios Intercidades possuem suportes específicos para o transporte de bicicletas tradicionais, permitindo o transporte de 2 bicicletas por carruagem.

Condições particulares:

  • Apenas é permitido o transporte de uma bicicleta tradicional por passageiro;
  • O peso da bicicleta deve ser igual ou inferior a 15 kg;
  • O transporte de bicicletas está condicionado à disponibilidade dos lugares destinados a esse efeito - lugares 15 e 17 das carruagens de 2.ª classe nos comboios Intercidades da Linha do Norte (Lisboa-Porto/Guimarães/Braga/Viana do Castelo) e lugares 12 e 18 das carruagens de 2ª classe nos comboios das Linhas da Beira Alta, Beira Baixa, Alentejo (Lisboa Oriente/Évora) e Sul. No caso destes lugares já não se encontrarem disponíveis, apenas é possível transportar bicicletas se as mesmas se encontrarem dobradas ou desmontadas e acondicionadas no espaço disponível para bagagem, não sendo admitida mais do que uma bicicleta por passageiro.
  • Os suportes existentes nas carruagens não possuem cadeados."
https://www.cp.pt/passageiros/pt/informacao-cliente/informacao-util/transporte-bicicletas


4. Alojamento

Acampar versus Hóteis/Pensões/Alojamento Local

Desde o início que este grupo de jovens quarentões decidiu que não se queriam sujeitar a essas delícias e maravilhas do campismo, há quem goste e nada contra, mas não queriamos levar toda essa parafernália a pesar na bicicleta e gastar tempo a montar e desmontar a tenda todos os dias.
#CicloturismoEmHotéis era o mote... Traveling light :)

Marcações e reservas

Nesta aventura, à excepção do alojamento em Chaves que previamente reservamos online pelo Booking, todos os remanescentes alojamentos foram sendo marcados no próprio dia à medida que nos iamos aproximando da localidade que consoante o nosso ritmo definíamos como objetivo de meta.

Obviamente dado o tempo limitado que tinhamos para a travessia sabiamos mais ou menos quais seriam as etapas e os destinos diários, mas fomos ajustando os mesmos e assim sem termos os alojamentos previamente marcados estavamos mais libertos dessa obrigação de rolar para lá chegar.

Portanto o conselho que deixo é terem um macro-plano de intenções de etapas diárias e fazerem em andamento as reservas dos alojamentos quando se aproximam o suficiente para decidir a meta do dia.

Nós reservamos quase tudo via app móvel do Booking, excepto o alojamento no parque de campismo de Castro Verde que fizémos por chamada telefónica.

Hotel + Alojamento Local + Parque de Campismo

Em Chaves ficámos num pequeno e antigo hotel num quarto triplo e com pequeno-almoço, cada um pagou nem chegou a 13€... :)

Nos restantes dias fomos pernoitando em alojamento local, e pagámos entre os 50€ e os 80€, o que a dividir por três acaba por não ser nenhum exagero.

A última noite foi nos bungalows do parque de campismo de Castro Verde que são basicamente casas, não sei porque lhes chamam bungalows.

Apenas no alojamento local em Góis as bicicletas não pernoitaram connosco e ficaram numa garagem, de resto vieram sempre connosco para as casas/quartos.

Calhou pelo menos uma vez a cada um dormir na sala, sendo que eu fui o último no parque de campismo e a cama era enorme - azar, não tenho culpa de ter calhado uma boa cama na sala no último alojamento :)

Todos nós ressonávamos, pelo que dica importante: levar tampões para os ouvidos! Deu-me muito jeito...

5. Refeições

Felizmente no nosso grupinho ninguém era esquisitinho com a comida o que nos permitiu mais uma vez repartirmos as refeições principais de almoço e de jantar, diminuindo assim os custos. Como muitas vezes no interior as doses são generosas pediamos quase sempre apenas dois pratos e chegava bem para os três.

Apenas os pequenos-almoços e as refeições ligeiras que iamos consumindo ao longo do caminho eram pagas em separado pois nem todos comiamos o mesmo. Também parámos várias vezes em supermercados e afins para comprar frutas, barrinhas e líquidos.

Muitas vezes enchiamos as nossas garrafas de água em torneiras de cafés e restaurantes, infelizmente não conseguimos encher nas fontes e fontanários pois estavam quase todos secos. Recordo no entanto que bebemos sofregamente em Vila de Rei, numa das poucas fontes que encontrámos, e que jorrava uma água deliciosa ao travo.

Portugal é tem um manacial gastronómico fenomenal, os Italianos e Franceses tem a fama toda mas a nossa comida típica e regional é algo de agradar aos deuses. Deliciámo-nos opiparamente de Norte a Sul. E constatámos que os preços aumentam à medida que se desce por Portugal a baixo.

Fomos bastante constantes nas bebidas... ao almoço era sempre vinho branco, que escorrega como refresco, e à noite era tinto para dormirmos ainda melhor.

Comemos os pratos regionais e os do dia, dividindo as despesas as refeições completas oscilaram entre os 6€ (!!!) e os +-18€. E comemos como Abades! Como Reis! Como Imperadores!

(razão pela qual ao fim de tanto km e caloria queimada acabei quase com o mesmo peso com que comecei a travessia da EN2)

6. Trajeto

A EN2 é sem dúvida uma atração turística que está sub-aproveitada... diria mesmo que está muito mal aproveitada.

Está mal divulgada, apesar do push pré-eleições do atual primeiro-ministro que falou e promoveu a EN2 como foco turístico esta deveria ter muito mais foco.

Tem má sinalização, mesmo má, em Vila Real quase que entrávamos numa auto-estrada pois tem uma placa com fundo branco a apontar para a mesma entrada da auto-estrada. Há muitos troços interiores com pouca ou nenhuma sinalização, obrigando-nos várias vezes a recorrer a mapas e aos telemóveis.

Tem pouco apoio e informação, e até um suposto passaporte com os tais carimbos para validar as passagens é desmotivante (nós nem nos preocupamos com isso, as fotos e videos são prova mais que suficiente), com os locais fechados ou até não assinalados, uma série de bandeiras sobre a EN2 mas com um grafismo que mal se nota a quem passa.

Portanto o meu conselho é estudar previamente o mapa e os pontos de maior dificuldade já identificados por muitos outros peregrinos.

Uma das coisas que fizémos, e que se pudesse voltar atrás não faria, foi fazer o antigo trajeto da EN2 pela IP3 durante ali uns 4 kms... basicamente é proibido e até mais ou menos perigoso apesar de ter uma berma considerável, mas os energúmenos de carro e camiões que ali ao lado passavam faziam questão de apitar e fazer razias como que a fazer-nos pagar pela ousadia de ali circular. Neste troço depois de Santa Comba Dão tem de se fazer uns kms numa estrada alternativa que não é a EN2, é o meu conselho a quem um dia fizer o trajeto... que se lixe o traçado original, em 738 kms não são um pouco de kms que tiram o mérito!

Há muitas zonas do trajeto que são idilicas, outras nem por isso. Muitas são sossegadas e seguras, outras nem por isso. Muitas tem berma larga e bom piso, outras nem por isso.

No fim de todo trajeto o sentimento de vitória, de realização, de felicidade acaba por minimizar estes troços menos agradáveis, mas... há zonas que não é para "pessoas sensíveis". E muito menos para famílias, com crianças mais pequenas.


7. Bagagem

Esta foi a minha primeira experiência em cicloturismo e até pensava que ia demasiado leve... mas afinal até levei foram coisas a mais.

Primeiro estando nós em Portugal e não num qualquer local inóspito há sempre comércio que nos acuda quando precisamos de algo, como por exemplo protetor solar que me esqueci e depois comprei.

Levei roupa a mais que não usei, e quiça me faltou uma camisola mais quentinha.
A meio da viagem comprei mais uma tshirt, pois se durante o dia ia secando a roupa que lavava de véspera - os boxers, meias e camisola e calções almofadados, já tshirt para usar depois da viagem à noite não dava para lavar...

Levei boxers e meias que não usei pois como ia lavando e secavam facilmente com o vento ou no estendal ao sol nas paragens para almoço.

Dependendo da estação que escolherem para a viagem aconselho irem o mais leve possível.

Lista do que eu levei:
- bolsa de higiene pessoal;
- boxers e meias para X dias / 2 - ir lavando e secando;
- camisola e calção - eu levei 2 conjuntos de ciclismo leves que ia lavando alternadamente;
- calças para usar de manhã cedo quando está fresquinho, e à noite para ir jantar fora;
- camisola/casaco para usar de manhã cedo quando está fresquinha e à noite;
- capacete, dado que ia atingir velocidades e locais que não conhecia;
- chapéu, eu usei debaixo do capacete;
- óculos: escuros e outros transparentes;
- 2 conjuntos de luzes traseira e dianteira;
- impermeável: andei a carregar a semana toda e só usei quando saí do comboio em Lisboa e chovia copiosamente, safou-me nos ultimos 20 minutos da viagem!
- carregador USB com três saídas;
- cabos USB Mini e USB-C;
- dois pares de sapatilhas, umas calçadas na pedalada e outras para a noite - ms facilmente se pode levar apenas um par;
- Telemóvel;
- Relógio;
- phones: usei duas vezes na viagem mas não é algo que me agrade, ir de phones na estrada, mas dá jeito para as viagens de autocarro e comboio!

Coisas que levei mas não usei, ou podia ter abdicado:
- power bank : não usei mas convêm ter;
- chinelos : levei e só usei nos alojamentos, mas podia não ter levado;
- calções de banho : levei mas não usei;
- toalha : levei e não usei;
- coluna de som USB : não usei;
- cabos elásticos;

Não levei mas devia ter levado:
- luvas, pois de manhã estava mesmo muito frio!


...


Não é uma aventura fácil mas também não é impossível!
É uma epopeia pessoal! Só é preciso decidir ir e... ir!

Boa viagem e boas pedaladas!



Post retirado do blog da viagem na EN2: https://estradan2.blogspot.com/


          

ARIES

 Cache   

Cuida mucho la parte de la familia y amistad pues podrías estar cometiendo un error al darle mayor importancia a quien no lo merece, no confundas tus sentimientos y pon las cosas en claro si realmente te gusta esa persona y piensas que tienen futuro date esa oportunidad pues quizás no se te presente una igual en el futuro.  Algunas veces te atontas demasiado por creer en promesas falsas, renuévate, cambia tu rutina, conoce nuevos amigos y nuevas personas, camina por otros lugares, enfrenta al mundo, ve por tus metas y proyectos, cierra ciclos dolorosos que la felicidad te está esperando, pero te estás centrando en cuestiones tan tontas que solo te llevan a los mismos caminos que el tiempo lo vas perdiendo.  Vienen grandes oportunidades en tu vida, oportunidades que deberás de aprovechar ahora más que nunca porque serán la clave para que logres consolidar cuanto te propongas.  Debes aprender que la vida es muy corta para dejar pasar las buenas oportunidades, ya no es momento que te detengas por nadie y vayas por eso que mueve tu mundo y constituye tu felicidad.


          

Presidenta do PCdoB defende ênfase contra Bolsonaro em 2020

 Cache   


 
Política

Presidenta do PCdoB defende ênfase contra Bolsonaro em 2020


Em seu informe na abertura da 7ª reunião do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que se iniciou na sexta-feira (29) e segue até domingo (1o), a presidenta Luciana Santos fez um diagnóstico das conjunturas nacional e internacional, concluindo que os comunistas precisam se fortalecer para as eleições de 2020. Esse diagnóstico, segundo Luciana Santos, contribui para fortalecer o movimento por uma ampla frente em defesa da democracia e contra o governo de Jair Bolsonaro.

Mesa dirigente da reunião Mesa dirigente da reunião
Jair Bolsonaro alterou a estratégia com que liderava seu governo, disse a presidenta do PCdoB, Luciana Santos ao abrir a reunião. Segundo Luciana, o presidente da República tomou para si “a condução da coalisão que formou para governar”. Mais do que isso, ele iniciou uma “nova fase” de seu projeto de poder – um projeto “de longo prazo” – centrado na criação de um “partido-movimento genuinamente de extrema-direita” – a Aliança para o Brasil.

A despeito de suas peculiaridades, o fenômeno do bolsonarismo “não tem como ser compreendido sem uma visão alargada do ambiente político internacional, de suas contradições, impasses e alternativas”, avalia a dirigente do PCdoB. Entre os fatores que influenciam essa correlação de forças, Luciana cita a luta em torno da “multipolaridade do sistema internacional” (sobretudo o duelo EUA x China), a crise estrutural do capitalismo e a “ebulição de conflitos políticos e sociais” no Ocidente, em particular na América Latina.

Em diversas regiões do Planeta, com a estagnação da economia mundial, a crescente precarização do trabalho e o desemprego, a extrema-direita se fortaleceu eleitoralmente, ao “capturar o sentimento anti-establishment” e se apresentar como alternativa. Uma vez no poder, esse trunfo, invariavelmente, se esvazia, como ocorreu no Brasil.

“Em quase um ano no poder, Bolsonaro faz um governo inimigo da democracia, carrasco do povo e traidor da Nação”, denuncia Luciana. “Seu governo flerta com o autoritarismo, ataca instituições, promove valores reacionários e implanta uma agenda antinacional. Faz da agenda econômica ultraliberal a âncora de seu governo, com o desmonte do Estado, privatizações, desvalorização do trabalho e perda de direitos. Bolsonaro faz essencialmente um governo para as elites econômicas do País.”


Segundo Luciana, o bolsonarismo é, em essência, “um movimento autoritário e de viés fascistoide”. Com menos popularidade do que há um ano e sem um programa para enfrentar os desafios do Brasil, o governo se desenvolve “à base da improvisação” – seja ao gerir a máquina do Estado, seja ao tratar das queimadas na Amazônia ou do desastre ambiental do litoral nordestino, seja na dramática situação de desemprego. São 12,4 milhões de brasileiros sem ocupação e 38 milhões na informalidade).

Um exemplo de retrocesso, vendido como solução para o desemprego entre os mais jovens, é a nefasta Medida Provisória 905, que cria o chamado “Programa Verde e Amarelo” – uma espécie de nova reforma trabalhista. É para reagir a esse cenário que surgem iniciativas como o Plano Emergencial de Emprego e Renda (liderado pela Minoria na Câmara Federal) e uma proposta de Reforma Tributária Progressiva.

“O Poder Legislativo, sobretudo a Câmara de Deputados, tem sido um importante expoente na contenção dos arroubos autoritários do presidente e de seus filhos. Em inúmeros casos, ambas as Casas se posicionaram institucionalmente contra os excessos”, disse Luciana. “Ao mesmo tempo, o parlamento é o palco principal das disputas em torno da agenda econômica do governo Bolsonaro. A ação da oposição, em aliança com setores do centro, tem permitido vitorias pontuais.”

A presidenta do PCdoB destacou que Sergio Moro, antes apontado como superjuiz e superministro, terminará 2019 como o “grande derrotado”, a ponto de ter sido chamado até de mero “funcionário do Bolsonaro” pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. “Moro teve seu Pacote Anticrime desidratado no Parlamento, viu sua candidatura ao STF ir pelo ralo, passou por constrangimentos públicos com o presidente e ainda teve sua áurea de bom moço desmascarada com as revelações do The Intercept.”


Houve outras vitórias importantes na luta pelo Estado Democrático de Direito, como os freios ao “Partido da Lava Jato”, a restituição do princípio constitucional da presunção da inocência no Supremo Tribunal Federal (STF) e mesmo a advertência dada pelo Conselho Nacional do Ministério Público ao procurador Deltan Dallagnol. “O Partido da Lava Jato está na defensiva, mas continua vivo. A nova sentença dada pelo TRF-4, contra o ex-presidente Lula, indica que o estado de exceção segue em funcionamento dentro do estado de direito.”

Tudo somado, há no País um ambiente político de fragmentação e polarização. “A instabilidade política e econômica se tornou um novo normal. Não se sabe se o presidente terminará ou não seu mandato. A resultante desse quadro é que o debate sobre a sucessão se iniciou junto ao governo – e as forças que atuam no tabuleiro da política olham 2020 pensando em 2022”, analisa Luciana Santos.

Na extrema-direita, Bolsonaro “neutralizou a disputa de protagonismo entre os polos de poder – a farda, a toga, o mercado ou o clã –, que colocaram as diferenças em segundo plano e demonstram coesão na sustentação do governo”. Concluída a reforma da previdência e consumada a ruptura com o PSL, o bolsonarismo, agora, entra “em uma nova fase de seu projeto de poder, com a criação de uma força política modelada à sua imagem e semelhança”.

Para Luciana, a Aliança para o Brasil é uma “decisão arriscada, mas estratégica de Bolsonaro. Tem potencial para se tornar a principal força política do País e é a demonstração de que o projeto de poder do bolsonarismo é de longo prazo – suas pretensões não terminam em 2022. Apesar da queda na popularidade, o bolsonarismo possui uma base social, estável, ativa e fanatizada”.

Na resistência, o PCdoB, ao lado de outros partidos de esquerda, defende a construção de uma Frente Ampla – para além da própria esquerda –, em defesa da democracia, da soberania nacional e dos direitos dos trabalhadores. O governador Flávio Dino (PCdoB-MA) é peça-chave no Consórcio Nordeste, que une os nove estados da região em busca de alternativas ao desenvolvimento. “Mas também há, em nosso campo, certo nível de dispersão e de dificuldades em viabilizar unidades mais duradouras, devido às diferenças de orientação tática que nos limita a forjar ações mais amplas e duradouras.”

O Partido, imerso nessas batalhas, fomenta seu projeto eleitoral, tendo como objetivo máximo isolar e derrotar as forças bolsonaristas. “Devemos nos apresentar com nossa cara, levando uma mensagem de esperança, de dias melhores para nossa gente. O PCdoB sabe cuidar das pessoas e das cidades. Nossa forma governar é aprovada por quem conhece”, declarou Luciana.

O foco do PCdoB será construir alianças no campo progressista, sobretudo nas capitais e em cidades com mais de 200 mil habitantes e as capitais. “Será pelas cidades que iremos começar a derrotar o bolsonarismo”, diz a presidenta do Partido.

O resultado do pleito municipal de 2020, além do fortalecimento político dos comunistas, deve mirar o cumprimento das exigências da legislação eleitoral. “As novas regras eleitorais, principalmente o fim das coligações proporcionais e a vigência da cláusula de barreira, exigem uma nova compreensão do processo e ações concretas diferentes das que estávamos habituados. Nosso desempenho em 2020 está fortemente vinculados aos desafios de 2022.” Daí a orientação de lançar mais candidatos a prefeito, projetar grande número de lideranças e compor chapas completas e competitivas de vereadores.


Hoje, passada a etapa de Conferências Estaduais, o PCdoB já tem 13 pré-candidatos a prefeito definidos, com destaque para o lançamento em todas as capitais do Sul e do Sudeste. Em São Luís e Manaus, a decisão de concorrer à prefeitura está tomada, mas falta definir quem serão os pré-candidatos.

De acordo com a dirigente comunista, “devemos colocar nossos esforços nesta que é a nossa atividade prioritária deste período: ampliar bastante o número de pré-candidaturas a prefeito, cobrir os pontos estratégicos dos estados com presença no horário eleitoral e completar as chapas de vereadores para que sejam realmente competitivas”.

É nesse espírito que surge o “Movimento 65”, que, segundo Luciana, “vai acolher filiações democráticas de lideranças de feições políticas e ideológicas amplas e comprometidas com uma plataforma patriótica, democrática e progressista”. Assim, apresentar candidaturas majoritárias pela legenda 65 “será regra, e não mais exceção”.


Plenário do Comitê Central do PCdoB

Leia abaixo os pontos do informe:

O Comitê Central do PCdoB reúne-se às vésperas de se completar um ano de governo Bolsonaro. Ao longo deste período, foi-se descortinando as variáveis fundamentais que compõem o bolsonarismo, sua natureza e a dinâmica de funcionamento dos polos que lhe dão sustentação. 

O bolsonarismo promove ataques ininterruptos a democracia, aos direitos dos trabalhadores, e a soberania nacional. Trata-se de um governo que promove o esgarçamento do tecido social, alimentando a fragmentação, a polarização da sociedade, e a confrontação entre as instituições.

As forças progressistas e democráticas deram importância à batalha contra Bolsonaro. Seja nas ruas, como no parlamento, e mesmo o poder executivo. Apesar de diferenças táticas, e dificuldade de unidade em nosso campo, colhemos algumas vitorias importantes. O PCdoB atua buscando abrir diálogo com o maior número de expoentes possíveis, com todos que se opõem a escalada autoritária. Atuamos na conformar uma frente ampla, em defesa da democracia, da soberania e dos direitos. 

O projeto de poder do bolsonarismo entra em uma nova fase, e a luta de resistência também. A batalha eleitoral que se avizinha será a arena principal desta disputa.

O bolsonarismo é fruto de múltiplos fatores, dentre eles, a emergência de forças obscuras no cenário internacional. Como temos dito, este fenômeno político não tem como ser compreendido sem uma visão alargada do ambiente político internacional, de suas contradições, impasses e alternativas. 

Vivemos um momento singular da história, onde se dá uma intensa e complexa luta em torno da multipolaridade do sistema internacional. Os dínamos desta transição conflituosa são os EUA e a China, esta sob a direção do Partido Comunista. A parte visível deste embate se dá na disputa pela liderança da economia mundial, na mudança de padrões tecnológicos e de produção, com inúmeros desdobramentos geopolíticos.

Esta transição se dá em um ambiente de crise estrutural do capitalismo, caracterizada por uma hipertrofia da esfera financeira que gera recessão, baixo crescimento e um crescente déficit de demanda. 

A consequência direta disto é a ebulição de crises políticas e sociais nas chamadas democracias ocidentais, e em particular na América Latina. Há um sentimento cada vez maior de injustiça e uma percepção de que a desigualdade somente se aprofunda. Essas crises perpassam os sistemas políticos e coloca em xeque as democracias liberais.

Este mal-estar difuso que se transforma em protestos sociais multitudinários se alimenta do sucateamento dos serviços públicos, da desindustrialização, da perca de renda pelos trabalhadores, da precarização do trabalho, do desemprego, principalmente entre os jovens. No curso destes fenômenos, cresce a insatisfação com o establishment político. 

No curso desta luta, a extrema-direita busca capturar o sentimento anti-establishment, anti-status quo. Aí se coloca a questão central do nosso tempo – Que alternativas são apresentadas?

Parcelas das elites flertam com saídas autoritárias para continuar implementando seu ideário, este é o caso brasileiro. Existem outros caminhos e rumos para a humanidade, de desenvolvimento e progresso civilizacional. É tempo de desenvolvermos o pensamento marxista, de encontrar respostas aos dilemas contemporâneos. Ressignificar experiências. A China a seu modo, demonstra que há alternativas com desenvolvimento soberano, democrática e capazes de oferecer bem estar para o povo. 

América Latina – um continente rebelde 

Aos que diziam que a onda conservadora no continente chegou para ficar, a realidade denota que, está em curso em nossa região uma intensa e aguda luta de classes, em torno de que projeto político e de desenvolvimento os países da região buscam. Se um projeto autônomo, que promova o desenvolvimento e a inclusão social; ou um projeto de vassalagem, entreguista e excludente. 

O apertadíssimo resultado eleitoral no Uruguai, onde venceu a direita, as rebeliões populares ocorridas no Chile, Equador, Colômbia contra o programa neoliberal, a resistência ao golpe na Bolívia, demonstram que o momento é de luta, que há disposição de resistir. Ao mesmo tempo, a região nos dá lições de que, quando reunimos amplas forças, quando rompemos com o sectarismo, a vitória é certa, como demonstrou o resultado da eleição argentina, com a atitude de grandeza de Cristina Kirchner. Devemos prestar nossa solidariedade, aos povos em luta em nossa região.

A situação do Brasil e de sua gente piorou após um ano de governo Bolsonaro 

Ao completar um ano, Bolsonaro faz um governo inimigo da democracia; carrasco do povo; e traidor da Nação. Flerta cotidianamente com o autoritarismo, com o ataque as instituições, promove valores reacionários e implementa uma agenda ultraliberal e antinacional. 

Faz da agenda econômica a âncora de seu governo. Implementa uma agenda de desmonte do Estado, de drenagem dos recursos públicos para o pagamento dos serviços da dívida. Promove a privatizações, desvalorização do trabalho, e a perca de direitos. Bolsonaro faz essencialmente um governo para os ricos, para as elites econômicas do país. 

O bolsonarismo é em essência um movimento autoritário e de viés fascistoide. Busca meios e oportunidades para produzir interpretações, realizar mudanças para alterar o marco institucional e permitindo uma reinterpretação retrógada e repressiva do texto constitucional, como tem sido visto em seus comentários sobre o uso da GLO, e do próprio Ministro Paulo Guedes sobre o AI-5.

O grupo político que assumiu o poder em janeiro de 2019 não possui um programa para enfrentar os desafios do Brasil. É um governo que se desenvolve na base da improvisação, que não coloca como prioridade os reais problemas existentes na sociedade. Isto pode ser visto com a improvisação para gerir a máquina do estado, no tratamento dado às queimadas, na letargia para atuar sob o acidente ambiental do litoral nordestino e na dramática situação de desemprego que assola o país.

Desemprego, desindustrialização e fuga de divisas – a economia no primeiro ano do governo Bolsonaro

Em um cenário em que o número de desempregados é de 11,7%, e atinge a 12,4 milhões de brasileiros, que outros 38 milhões são de trabalhadores atuando na informalidade, e 24 milhões em condição de subutilizados. E que segundo a pesquisa Síntese de Indicadores Sociais, do IBGE, 13,5 milhões de brasileiros viviam, em 2018, com menos de R$ 145 por mês. Pela primeira fez se vê um governo reduzir o salário mínimo ao invés de o aumentar o combate à desigualdade, e a geração de emprego não constam nas sua iniciativas.

A indústria que representa 52,7% das exportações brasileiras, 62% do investimento em pesquisa e desenvolvimento, 26% da arrecadação de tributos federais e 20% da arrecadação previdenciária, e emprega na atualidade 6,4 milhões de trabalhadores, continua estagnada. Acompanha este quadro a queda vertiginosa da indústria no PIB, que este ano atinge 10,4% e pode chegar em 2020 com um número inferior a dois dígitos. Sua capacidade de competição e inovação vem se comprometida com a queda de ações dirigidas a implementação da indústria 4.0.

Se bem o governo vende a ilusão de que há avanços e melhora no ambiente de investimentos, não é algo menor que, o dólar tenha saído de R$ 3,70 em agosto, para R$ 4,25 em novembro. Soma-se a isto o nível de incertezas decorrentes da variação de alto do dólar, da fuga de capitais que somente em outubro produziu a saída de US$ 9 bilhões do país, além do déficit de US$ 21,4 bilhões, na balança comercial sendo o pior resultado desde 1982. 

No atual quadro, qualquer evento menor, repercute positivamente na economia. O segundo semestre está marcado por uma retomada da atividade econômica, centrada essencialmente na melhoria do consumo das famílias, decorrente de medidas como a liberação dos recursos do FGTS, renegociação de dívidas, e abertura de novos créditos. 

Frente a este quadro, as medidas da dupla Bolsonaro-Guedes são de mais austeridade, de maior flexibilização nos direitos trabalhistas, privatizações e de mecanismos para drenar ainda mais recursos públicos para o serviço da dívida. 

Em busca de fazer caixa, o governo avança nas tratativas de privatizar a Eletrobras, Telebras, Correios, Porto de Santos, Dataprev, Serpro, Casa da Moeda entre tantas outras.

A Medida Provisória 905 o chamado “Programa Verde e Amarelo” que altera trechos importantes da legislação trabalhista, como desoneração da folha de pagamento na contratação, libera trabalho no fim de semana e feriados sem acordos convencionais, e como compensação propõe que os trabalhadores desempregados passe a contribuir com a previdência (15%) no período que estiverem recebendo o seguro desemprego.

O Projeto de Lei 5387, do Banco Central, que visa atualizar o mercado cambial brasileiro, permitirá que se abram contas em dólar entre outras coisas, deixando o país mais vulnerável aos fluxos do mercado externo, e abrindo brechas para uma possível dolarização. 

A outra iniciativa se chama um Plano Mais Brasil, um conjunto de três Propostas de Emenda à Constituição (PEC Emergencial, do Pacto Federativo e dos Fundos), que reconfiguram profundamente a natureza do Estado brasileiro e o Pacto Constitucional de 1988. Trata-se de um conjunto de medidas que visa constitucionalizar uma política de austeridade e de estado mínimo. 

Como se vê, não há, no amplo conjunto de iniciativas que o governo vem apresentando, uma única que seja dirigida ao estímulo do nível da produção. 

O Brasil precisa de outra agenda econômica 

Para tirar o país da situação econômica que se encontra é necessária à adoção de uma outra política econômica. Destaca-se neste sentido a proposta apresentada pela Liderança da Minoria na Câmara dos Deputados de um Plano Emergencial de Emprego e Renda, que propõe reativar o programa Minha Casa Minha Vida, instituir aumento real do valor do salário mínimo, retomar obras paralisadas entre outras iniciativas. Na mesma linha foi apresentada na Câmara uma proposta de Reforma Tributária Progressiva. 

Uma política externa alienada aos interesses nacionais

Existem riscos enormes em de uma política externa alienada em um contexto internacional muito difícil. O desnorteamento da política externa brasileira, cuja característica recente tem sido a hostilização de parceiros fundamentais, como é a Argentina, e as ameaças de saída do Mercosul, ou o afrontoso episódio de estimular mercenários invadirem a embaixada da Venezuela em Brasília. 

A realidade mostra que o Itamaraty perdeu a bússola na sua gestão e, com amadorismo, escancara portas à concorrência de Estados Unidos, França e China na área de maior relevância geopolítica aos interesses do Brasil, a América do Sul.

Os resultados da política externa neste primeiro ano são negativos. As apostas feitas pelo clã Bolsonaro, de que a amizade com Trump renderia aspectos concretos ao Brasil se demonstraram ser uma mera ilusão – não há amizades em política externa, somente interesses -. Tanto a entrada do Brasil na OCDE, como a exportação de carnes brasileiras para os EUA se viram frustradas. Diante das dificuldades encontradas tem tido que, pontualmente, adotar posições pragmáticas com respeito a China.

Temos profundas e severas críticas ao Tribunal Penal Internacional (TPI), por ele ser em grande medida um instrumento das grandes potencias contra os interesses dos povos e nações. No entanto, é um fato grave que o Presidente da República, venha a ser denunciado naquela corte por acusação de genocídio. As consequências deste fato vão muito além de macular a imagem do Brasil no exterior. 

O parlamento tem sido espaço privilegiado da luta política 

O parlamento, e em particular a Câmara de Deputados, tem sido um importante expoente na contenção dos arroubos autoritários do presidente da República e de seus filhos. Em inúmeros casos ambas as Casas do Congresso Nacional, se posicionaram institucionalmente contra os excessos seja do chefe do executivo, como de expoentes do poder judiciário que almejavam ultrapassar os parâmetros de sua atuação. 

Ao mesmo tempo, o parlamento tem sido o palco principal das disputas em torno da agenda econômica do governo Bolsonaro. Se bem, a ação da oposição, em aliança com setores do centro tem permitido vitorias pontuais, como foram vistas na reforma da previdência, há no parlamento ampla maioria em defesa da agenda econômica de Guedes. 

A postura de Bolsonaro de não se responsabilizar pela construção de suas iniciativas, faz com que o parlamento tenha um protagonismo não visto anteriormente. Tornou-se rotineiro o parlamento aprovar um projeto, o presidente vetar, e os parlamentares derrubarem o veto. Bolsonaro busca com isto terceirizar a responsabilidade das iniciativas tomadas e responsabilizar os outros pelo seu avanço ou não. 

O grande derrotado de 2019 

O ex-super-juiz, e ex-super-inistro, Sergio Moro, termina 2019 colhendo um vasto conjunto de derrotas. Chamado de funcionário do Bolsonaro pelo presidente da Câmara Rodrigo Maia, Moro teve seu Pacote Anticrime desidratado no Parlamento, viu sua candidatura ao STF ir pelo ralo, passou por constrangimentos públicos com estilo autoritário e debochado do presidente. E teve sua áurea de bom moço desmascarada com as revelações do The Intercept que revelou sua conduta parcial como juiz da Operação Lava Jato.

Moro tenta ainda neste fim de ano, conseguir alguma vitória para chamar de sua. Busca com manobras no parlamento aprovar o Pacote Anticrime. No entanto, se depender da sagacidade da bancada comunista, em particular da Líder da Minoria Jandira Feghali e da disposição do Centrão, Moro terminará o ano sem atingir seu objetivo. 

No que tange a responsabilidade concreta de Moro, a política de segurança pública, baseada no atira primeiro pergunta depois, já deixou mais de 1500 mortos pelas forças de segurança do Rio, sendo que destas 6 eram crianças. 

Vitórias importantes na luta pelo Estado Democrático de Direito 

Foi na luta em defesa do Estado Democrático de Direito e a busca de impor freios ao Partido da Lava Jato que obtivemos vitórias importantes. Os diálogos tornados públicos pelo The Intercept (onde vale registro a atuação corajosa de nossa camarada Manuela d’Ávila), estão chegando ao estágio de consequências práticas. Ao colocar à luz dos olhos públicos os métodos e os objetivos políticos pelos quais a Operação Lava Jato se orientava. Ficou evidente que não se tratava de combate a corrupção, mas sim de um projeto de poder e até da busca de obtenção de benefícios pessoais. 

Isto tem impactado também no Supremo Tribunal Federal (STF), que restituiu o princípio constitucional da presunção da inocência, com a votação que reafirmou a inconstitucionalidade da prisão em segunda instância. Dito resultado, é consequência da Ação Direta de Constitucionalidade (ADC), impetrada pela pelo PCdoB, tendo como principal advogado jurista Celso Bandeira de Melo.

Cabe registro a advertência dada pelo Conselho Nacional do Ministério Público, por 8 votos contra 3 ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato, por críticas feitas ao Supremo Tribunal Federal. Se bem, é uma punição branda, ela sinaliza uma mudança na atitude dos órgãos de controle frente aos excessos da dita operação. 

O Partido da Lava Jato está na defensiva, mas continua vivo. A nova sentença dada pelo TRF-4, contra o ex-presidente Lula, indica que, o estado de exceção continua em funcionamento dentro do estado de direito. Há uma insubordinação dos expoentes do judiciário comprometidos com a Lava Lato, e que buscam a todos os modos reverter as derrotas que se anunciam. 

O movimento das forças políticas olhando 2020 e pensando em 2022 

No decorrer de 2019, as forças políticas buscaram compreender o novo cenário, e a dinâmica política que seria imprimida pelo governo Bolsonaro, com vistas a definir de modo mais preciso sua tática. A atitude de repulsa à política e aos partidos se expressou logo na conformação dos Ministérios. Ela se estendeu em uma atitude de confrontação com o Parlamento, e de hostilidade com o STF e com os meios de comunicação. Mesmo após a investida da faixa presidencial, Bolsonaro tem mantido o figurino do antiestablishment. 

O ambiente político após um ano de governo Bolsonaro é de fragmentação e polarização em um contexto em que a instabilidade política e econômica se tornou um novo normal. Paira sempre a interrogante se o presidente terminará ou não o seu mandato. A resultante deste quadro é que o debate sobre a sucessão se iniciou junto com o governo e as forças atuam no tabuleiro da política olham 2020 pensando em 2022. 

O campo da extrema direita 

O Bolsonarismo entra em uma nova fase do seu projeto de poder. No decorrer do ano Bolsonaro assumiu para si a condução da coalisão que formou para governar. Neutralizou a disputa de protagonismo entre os polos de poder, deixando claro que não seria tutelado pelos militares, e que a caneta do ex-juiz Moro já não tinha tantos poderes. Seja a farda, como a toga, o mercado ou mesmo o clã, colocaram suas diferenças em segundo plano e tem demonstrado coesão na sustentação do governo, sob a batuta de Bolsonaro. 

Após a aprovação da reforma da previdência, da ruptura com o PSL, o bolsonarismo avança em seu projeto de poder - a criação de uma força política modelada a sua imagem e semelhança. Trata-se de uma decisão arriscada, porém estratégica, que visa constituir um partido-movimento genuinamente de extrema direita, com potencial para se tornar a principal força política do país. A Aliança para o Brasil é a demonstração de que o projeto de poder do bolsonarismo é de longo prazo e que suas pretensões não terminam em 2022. 

Comandando pelo clã, o partido-movimento expressa de modo nítido os valores e a visão retrógrada e autoritária de mundo que possui núcleo familiar. Combina o uso político da fé, expressa compromissos com uma agenda ultraliberal, adota um nacionalismo submisso e uma visão armamentista da segurança. É um instrumento político para além das eleições, busca lutar pelo estabelecimento de uma nova ordem. Apesar da queda na popularidade, o bolsonarismo possui uma base social estável, ativa e fanatizada.

A saída de Bolsonaro para o Aliança pelo Brasil, deixa o PSL com força e recursos para se consolidar como um outro polo no campo da extrema direita. Figuras como o governador do Rio, Wilson Witzel e a deputada paulista Joice Hasselmann almejam sonhos maiores e podem atingi-los se não entrarem em atrito com o presidente da sigla, Luciano Bivar. 

No campo da centro direita, as forças buscam se recompor da derrota sofrida em 2018, e se posicionar como uma alternativa a Bolsonaro. Neste campo se destaca o governador de São Paulo João Doria que busca se firmar no PSDB mas encontrando grandes dificuldades de sedimentar apoios. 

O campo da centro direita e centro 

A principal vítima da aventura golpista que levou a queda da presidenta Dilma e teve como resultado a eleição de Bolsonaro foi o PSDB. O partido que flertou com a Lava Jato sonhando com a presidência amanheceu vendo Bolsonaro e Moro subindo a rampa do Planalto. Teve sua representação no parlamento profundamente reduzida e suas lideranças históricas foram varridas do comando da sigla. 

Procura se reinventar se posicionando como “um partido liberal na econômica e extremamente progressista nos costumes” dado que o lugar político da direita conservadora foi ocupado por Bolsonaro. A candidatura do governador de São Paulo, João Doria, à Presidência da República em 2022 é um processo “em construção” e com grande força. Contudo, há quem defenda como FHC, uma candidatura distinta, como a do apresentador Luciano Huck. 

Centrão

O Centrão, conformação diversificada de partidos, e que tem na figura do presidente da Câmara Rodrigo Maia do DEM, sua principal expressão política, tem se caracterizado por um nível de coesão elevado e se posicionando em defesa da agenda econômica liberal e do Estado Democrático de Direito. É peça decisiva para o andamento de qualquer matéria no Congresso Nacional. 

Grande parte das mitigações feitas na reforma da previdência se deram em decorrência de aliança com o centro. Cabe destacar ainda, o episódio em que de forma arbitraria uma juíza do Paraná tentou transferir o ex-presidente Lula para um presidio em São Paulo e que a reação deste campo político foi determinante para que dito fato não ocorresse. 

Contudo, possuem dificuldade em manter este nível de coesão para a construção de um projeto presidencial. Neste aspecto surgem distintos balões de ensaio que vão da fusão de siglas a nomes e alianças que estão sendo testadas ao longo do curso político. 

Entre os distintos arranjos que são construídos na orbita do centro político, se destacam os movimentos do apresentador Luc
          

Evalúan proceso de adjudicación de PTAR

 Cache   

LA PATRIA | Manizales

Detener adjudicación de la Planta de Tratamiento de Aguas Residuales (PTAR) del río Chinchiná afectaría su cierre financiero y ejecución, según lo indicado por el Ministerio, advirtieron Alcaldía y Aguas de Manizales a través de un comunicado en respuesta al alcalde electo, Carlos Mario Marín.

Por eso lo invitaron a reunirse el viernes para revisar el proceso de este proyecto. Marín no asistió, pero sí acudió su equipo de empalme. También estuvo presente Zaida Sandoval, delegada del ministerio de Vivienda, y funcionarios de la Secretaría de Obras y Corpocaldas.

Alejandro Estrada, gerente de Aguas de Manizales, explicó que como lo expresaron en la misiva están de acuerdo en que se revise la contratación de la PTAR y así tomar decisiones en conjunto para continuar con esta obra que contribuye al impacto sobre la cuenca del río Chinchiná.

Además de que solo hay un oferente, el equipo del alcalde electo observó que no hay un mecanismo que obligue al contratista a validar los diseños y asumirlos en adelante, para evitar reclamaciones futuras. “El contrato prevé la anulación del proceso, sin asumir responsabilidades frente a los oferentes. El documento no contempla una matriz de riesgos con su respectiva asignación, resultante de una adecuada planificación precontractual”, se asegura en un documento de observaciones.

Estrada sostuvo que el equipo de Marín manifestó inquietudes de tipo procedimental que podrían establecer un riesgo durante la ejecución del contrato.

El gerente indicó que acordaron con el equipo de empalme, encabezado por Arturo Espejo, y el Ministerio revisar durante una semana esta situación y para evaluar el nivel de riesgo de esta falla en el procedimiento y decidir si continúan con los planos en esa condición o buscan otra alternativa.

Sobre el comunicado

En el comunicado del jueves, firmado también por el alcalde, Octavio Cardona, le responden al comunicado que emitió Marín el martes, en el que manifestó su preocupación porque de dos oferentes, solo quedó habilitada una firma mexicana. Por lo que le pidió a la Procuraduría y la Contraloría revisar el proceso. Además contempló la posibilidad de que la licitación se detenga hasta hacer claridad en los puntos que lo inquietan para evitar futuros sobrecostos en la obra.

En la misiva, Cardona y Estrada explican cómo se ha planteado la PTAR y garantizan la transparencia en el proceso, que lleva casi tres años desde su planteamiento y que responde a una acción popular. Resaltan el trabajo de un equipo de casi 120 profesionales especialistas, además del aval del Ministerio de Vivienda y de la Banca internacional Alemana (KFW).

Además recuerdan que si la obra no se adjudica este año se perderían los recursos de la Nación. "Por cuanto el Ministerio de Vivienda, Ciudad y Territorio solo gira los recursos si se adjudica el proyecto en esta anualidad. Si se llega a dar la situación descrita anteriormente, se afectaría el cierre financiero del proyecto y no se podría llevar a cabo su ejecución, perdiendo los manizaleños la oportunidad de tener una de las obras más importantes para la ciudad y la cuenca del río Chinchiná saneada".

¿De qué se trata?

*La Planta de Tratamiento de Aguas Residuales los Cámbulos es una obra diseñada para tratar un caudal promedio de 640 litros por segundo de las aguas residuales que actualmente se vierten al río Chinchiná.

*La inversión será por $110 mil 168 millones. De este monto, $42 mil 800 millones provienen del Gobierno Nacional, $47 mil 148 millones de Aguas de Manizales e Infimanizales, $13 mil 520 millones de la Alcaldía y $6 mil 700 millones de Corpocaldas.

*La PTAR se ubicará en Los Cámbulos, detrás de la Terminal de Transporte.

* El 21 de septiembre se abrió la licitación pública para la contratación de la Planta de Tratamiento de Aguas Residuales. Los términos están dados bajo los lineamientos del Instituto de Crédito para la Reconstrucción (KfW por sus siglas en alemán).

*La fecha para adjudicación está programada para diciembre.

 


          

Chris Moorman crava o High Roller do 888poker LIVE London

 Cache   

O embaixador do 888poker, Chris Moorman bate  Benjamin Winsor e fica com o título do High Roller do LIVE London O embaixador do 888Poker, Chris Moorman saiu vitorioso depois dos dois dias do High Roller do 888poker LIVE London. O torneio atraiu 39 entradas e os seis primeiros lugares receberam uma parcela do prêmio de £ 77.220. O espanhol…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post Chris Moorman crava o High Roller do 888poker LIVE London appeared first on Poker é no MaisEV.


          

MILLIONS Online – partypoker dará US$ 1 milhão extra se o Chip Lider do Dia 1A for o campeão

 Cache   

Além dos US$ 20 milhões garantidos do MILLIONS Online o partypoker ainda vai dar mais US$ 1 milhão se o chip leader do Dia 1A for o grande campeão O partypoker se prepara para o MILLIONS Online do dia 1 de dezembro, que contará com US$ 20 milhões garantidos e vem recebendo diversas promoções. O destaque…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post MILLIONS Online – partypoker dará US$ 1 milhão extra se o Chip Lider do Dia 1A for o campeão appeared first on Poker é no MaisEV.


          

WPT lança seu próprio GTO Trainer

 Cache   

O WPT GTO Trainer promete levar o seu jogo para muito perto do ideal. A LearnWPT é uma plataforma de estudos sobre poker organizada pela World Poker Tour com um enorme acervo de aulas e profissionais dedicados ao aprimoramento do jogo de seus usuários. A mais nova ferramenta lançada pela instituição é o WPT GTO Trainer, um…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post WPT lança seu próprio GTO Trainer appeared first on Poker é no MaisEV.


          

Google Chrome traz de volta a opção para gerenciar abas

 Cache   
Google Chrome recebe uma nova atualização que traz uma de suas opções perdidas de volta. Se você é um dos que abre muitas abas durante sua navegação, com certeza, vai se interessar por esta nova adição. “Fechar outras abas” é uma das opções do Chrome que nos ajudava a lidar com o pânico das abas […]
          

Santilli abogó para que Cambiemos "no se rompa"

 Cache   

El vicejefe de Gobierno porteño, Diego Santilli, afirmó hoy que desde la ciudad de Buenos Aires van a actuar "sosteniendo la unidad y trabajando en conjunto" para que Cambiemos "no se rompa" y dijo que la prioridad del nuevo mandato de Horacio Rodríguez Larreta será "igualar la gestión que hicimos y corregir lo que hay que corregir".

Aseveró que una de las prioridades del reelecto Rodríguez Larreta estará enfocada en “igualar la gestión que hicimos y corregir lo que hay que corregir: ese es el desafío”. “La principal responsabilidad es conducir la Ciudad. No queremos hacer burocracia”, expresó Santilli, y señaló que "después del 2021 pensaremos, ahora hay que trabajar, hay que ayudar".

Santilli sostuvo que "hay que seguir trabajando, hay que conservar nuestro espacio porque dentro de dos años hay elecciones y dentro de cuatro también". Para eso, dijo que habrá que seguir "sosteniendo la unidad, trabajando en conjunto, consolidar nuestra relación con la UCR, con la Coalición Cívica, con Confianza Pública y con el Pro. La palabra sería 'unidad en la diversidad'".

Y, explicó que hablaba de "unidad porque somos diversos con pensamientos diversos en muchas cosas", tras lo cual señaló que "sostener nuestro espacio es el principal desafío de Cambiemos". Consultado sobre si veía peligro de quiebre de Cambiemos dijo: "No solo no lo veo, no se a quién le conviene".
          

LIFETIME - Destaques da programação de 02 a 08 de dezembro

 Cache   
Divulgação Lifetime
Conheça os destaques da programação do canal LIFETIME de 02 a 08 de dezembro. Destaque para a estreia da série nacional Criativos.BR – Moda e Identidade (com episódios inéditos de segunda a sexta-feira), para o final de temporada de Casas Inimagináveis e para novos episódios de O Píer.

Também no período, edições inéditas das séries Na Riqueza e Na Pobreza, Pequenas Grandes Mulheres, Project Runway e Dance Moms. E a faixa LIFETIME Movies estreia o thriller Trancado Para Dentro.

FINAL DE TEMPORADA - 2/12, segunda-feira, 20h15

Temporada de Casas Inimagináveis termina nesta segunda com duas transformações incríveis

Em Casas Inimagináveis (You Can't Turn That Into a House), série exclusiva do LIFETIME, os irmãos Taimoor e Rehan viajam pelos Estados Unidos reescrevendo as regras do design de residências. Eles transformam estruturas não convencionais, bizarras e perigosas em casas surpreendentes, engenhosas e luxuosas.

Não há trabalho que eles não possam assumir, seja renovando um trailer velho para uma casa móvel para convidados, transformando uma lixeira industrial em um refúgio à beira de um lago, ou juntando dois ônibus escolares para formarem uma estrutura única.

Com a sabedoria em negócios de Taimoor e o talento artístico de Rehan, além da ajuda do amigo e arquiteto Kyle Davis, esse time se une para tornar sonhos realidade, criando as propriedades mais excêntricas e casas inimagináveis.

No primeiro inédito de hoje, Retiro de caça, Taimoor e Rehan querem transformar um celeiro gigante fora de uso em um rústico refúgio para os amantes da caça. Será que eles vão conseguir acertar em cheio com o seu projeto? E, no último episódio, Casa de pedra, os irmãos vão para o Missouri com uma missão: transformar uma residência redonda abandonada em uma ostentosa casa de veraneio de estilo francês. Para conseguir atingir seu objetivo, eles deverão lutar contra uma avalanche de pedidos e uma estrutura inflexível. O projeto dará certo? Classificação indicativa: 10 anos

ESTREIA - 2/12, segunda-feira, 23h20

LIFETIME estreia a série nacional Criativos.BR – Moda e Identidade, sobre moda brasileira

A partir desta segunda, o LIFETIME exibe a série inédita Criativos.BR – Moda e Identidade. A produção faz uma viagem pela moda brasileira, e explora temas como identidades, talentos pouco conhecidos, a matéria-prima usada na produção de vestuários e acessórios, e os desafios criativos ligados a moda. Por meio de uma perspectiva inovadora, busca nas identidades uma ponte de diálogo com a critividade e a arte na moda.

A série é apresentada pela fashion stylist e consultora de moda e imagem Samantha Urban. Em cada episódio, um produtor convidado e o fotógrafo do programa, Lucas Assis, devem realizar um ensaio com produtos de diferentes cidades.

O LIFETIME exibirá episódios inéditos de segunda a sexta, às 23h20.

No episódio de estreia, Despretensiosamente Brasil, Samantha Urban desembarca em João Pessoa, na Paraíba. Ela visita a Estação Cabo Branco, complexo arquitetônico projetado por Oscar Niemeyer, um espaço que respira cultura, arte, ciência e tecnologia e é um dos principais pontos turísticos e cartões postais da cidade, onde será o primeiro ensaio. Samantha também viaja para o interior da Paraíba e conhece as etapas da produção e uso do algodão colorido, no Assentamento Margarida Maria Alves.

3/12 – terça-feira

Em Inventividade, Samantha  desembarca em Olinda, e é nas ruas da cidade que se realizará o ensaio fotográfico com o tema Inventividade. Um município brasileiro do estado de Pernambuco, Olinda está situada na mesorregião Metropolitana do Recife. A matéria-prima utilizada neste ensaio será o algodão colorido trazido da Paraíba, apresentado no episódio anterior, e as modelos serão algumas drag queens da cidade. Samantha passa pelas cidades de Pesqueira e Recife investigando a renda renascença, matéria-prima que levará para o ensaio em Fortaleza no Ceará, em mais uma ponte criativa.

4/12 – quarta-feira

No episódio Retrato de família, o segundo ensaio será em Fortaleza, cidade conhecida pelas belezas de suas praias, pela presença do sol na maior parte do ano, pela culinária, pela irreverência do seu humor, pela alegria do seu forró, dentre outras coisas. O ensaio acontece no Theatro José de Alencar, referência artística, turística e arquitetônica no país, além de ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, e terá o tema Retratos de Família. As modelos são familiares que conseguem traduzir nas fotos o tema do ensaio, utilizando a renda renascença. Enquanto o ensaio é produzido, Samantha irá em uma fábrica de moda íntima investigar a próxima matéria prima da ponte criativa, a lingerie.

5/12 – quinta-feira

Em Entre nós, Samantha vai a Campina Grande, na Paraíba, levando para o ensaio a matéria prima do Ceará, a moda íntima. O ensaio é realizado na Fazenda Casa de Cumpade que traz todo a estética da cultura nordestina, e terá como tema “Entre Nós”, sendo protagonizado por mulheres que venceram o câncer utilizando a moda íntima de Fortaleza. Enquanto isso, Samantha irá investigar em Campina Grande a matéria prima que protagonizará a próxima ponte criativa: os calçados.

6/12 – sexta-feira

O segundo ensaio do episódio Fronteiras será no Palácio do Rio Branco em Salvador, Bahia. Localizado na Praça Thomé de Sousa, ao lado do principal cartão postal de Salvador, o Palácio do Rio Branco é um monumento à História do Brasil. Foi sede política e residência dos primeiros governadores e vice-reis do país por mais de dois séculos na então colônia portuguesa, chegando a abrigar a Família Real portuguesa na sua passagem pelas terras brasileiras. O ensaio será estrelado por imigrantes utilizando a matéria prima da Paraíba, os calçados. A matéria prima que será investigada para o próximo ensaio são os tecidos étnicos. CI: livre

3/12, terça-feira, 21h

No inédito de Na Riqueza e Na Pobreza, mesmo contrariada, Megan aceita fazer o contrato pré-nupcial com Sean

O LIFETIME apresenta Na Riqueza e Na Pobreza (Marrying Millions), reality que acompanha seis casais que se amam e querem se casar, porém vêm de mundos diferentes - classes sociais opostas.

Em função do relacionamento amoroso, essas pessoas comuns passaram a ter uma vida de ostentação, viagens e glamour junto a seus companheiros. Mas, a caminho do altar, as diferenças sociais podem complicar bastante as coisas.

Os casais são: Bill e Brianna, Katie e Kolton, Gentille e Brian, Drew e Rosie, Shawn e Kate, e Sean e Megan.

Em Uma proposta construtiva, Brianna tenta fazer novos amigos em Miami, mas Bill a questiona após uma saída noturna. Rosie considera a ideia de fugir com Drew. Enquanto isso, Megan aceita com má vontade visitar um advogado para fazer o contrato pré-nupcial que Sean quer. Os amigos de Kate desconfiam de seu companheiro. CI: 12

4/12, quarta-feira, 21h

Preocupações e brigas atrapalham o projeto do retiro de Terra no México, esta semana, em Pequenas Grandes Mulheres

A divertida série Pequenas Grandes Mulheres (Little Women: LA), que gerou edições em outras cidades dos Estados Unidos, como Atlanta, Nova York e Dallas, além de diversos spin-offs, cumpre sua oitava temporada no LIFETIME. A produção acompanha as aventuras de um grupo único de amigas, espertas, sexy, engraçadas e com um grande coração, donas de personalidades fortes e de dramas ainda maiores. E, por acaso, acontece de elas também serem anãs.

Esta edição acompanha as profundas mudanças das garotas. A pós emagrecer 15 quilos, Christy está mais confiante e se sente uma nova mulher; Elena lança uma linha de maquiagem e escreve um livro infantil; Tonya está de volta à atuação, enquanto assume um relacionamento com Jaa; Jasmine renova os votos com Chris; e  Terra Jolé ajuda jovens pessoas pequenas e lança seu próprio retiro. A nova edição traz, também, novas integrantes ao grupo: as dançarinas Mykesha Smith, de 26 anos, e  Jordan Domingo, 19, a modelo Dominique (Dru) Presta, de 23, e Cole Seward, 25, também conhecida como Raquel  - a única drag queen pequena dos Estados Unidos.

Em Grande pequeno retiro, Christy pede conselhos a Tonya para salvar o seu casamento. A preocupação pela saúde de sua filha Penny, a visita de Lila e as constantes brigas entre Cole e Autumn ameaçam acabar com Retiro de Terra para Pequenas Grandes Pessoas no México antes de que o projeto sequer comece. CI: 14

5/12, quinta-feira, 21h

Em episódio inédito de Project Runway, os estilistas terão de criar looks com materiais de segurança

Heidi Klum, Tim Gunn e Nina Garcia estão no LIFETIME, na 16ª temporada de Project Runway. Em cada episódio, a série vencedora do Emmy celebra o melhor do design, do mundo das passarelas e da indústria da moda. Com criatividade e inovação, os estilistas competidores buscam alcançar um nome no competitivo mundo da moda.

A 16ª temporada – a última com a participação de Heidi Klum e Tim Gunn - sai do convencional e se torna mais inclusiva, apresentando modelos de todos os tamanhos na passarela, do 36 ao 52. E os estilistas terão de demonstrar sua habilidade em criar looks incríveis para todo tipo de mulher.

Os novos episódios mantêm o exigente júri do mundo do espetáculo e da moda: a colombiana Nina García, diretora de Moda da revista Elle, e o multipremiado designer Zac Posen. Entre as juradas convidadas desta nova temporada estão Olivia Munn, Demi Lovato, Katie Holmes e Jessica Alba.

Em Looks seguros, o desafio será com materiais não-convencionais e ninguém estará a salvo. Os estilistas deverão utilizar materiais de segurança para criar um visual deslumbrante. A poucos dias do início da Semana de Moda, quem vai se destacar? A atriz Carly Chaikin, de Mr. Robot, é a jurada da vez. CI: 12

6/12, sexta-feira, 20h15

A tensão entre as mães pode estragar os planos de Abby para as Nacionais, no inédito de Dance Moms

Dance Moms, sucesso do LIFETIME que conquistou a América Latina e o Brasil, está em sua oitava temporada. A série acompanha Abby Lee Miller, a apaixonada e superexigente instrutora de balé da escola que leva seu nome. Depois de enfrentar dificuldades pessoais nos últimos anos – uma condenação por sonegação fiscal e uma batalha contra um linfoma –, ela está de volta!

Abby Lee dirige sua escola com mão de ferro, mas sempre arruma tempo para ensinar suas jovens e talentosas alunas, e também para lidar com as exigências das mães das garotas, que fazem de tudo para que as filhas realizem seus sonhos profissionais.

No inédito desta sexta, Renascer das cinzas, a apenas uma semana das Nacionais e da chance de se redimir em Pittsburgh, a pressão aumenta para a equipe. Abby cria a coreografia grupal mais pessoal do ALDC, enquanto Brady e Pressley competem por um solo. Mas a tensão entre as mães pode causar uma renúncia inesperada e estragar tudo. CI: 12

ESTREIA – 7/12, sábado, 20h10

LIFETIME Movies estreia neste sábado o thriller Trancado Para Dentro

O destaque de hoje da faixa dedicada aos melhores filmes feitos para a TV é a exibição do longa inédito Trancado Para Dentro. Uma família terá de se defender de um ex-presidiário disposto a encontrar uma fortuna escondida.

Na trama, durante a sua permanência na prisão, um homem descobre onde está escondido o milionário fruto do roubo de um de seus companheiros de cela. Um tempo depois, uma jovem mulher, Taylor (Kaleigh Rivera), deverá sobreviver e proteger sua mãe deste ex-presidiário disposto a tudo para obter esse dinheiro.

Trancado Para Dentro  (Locked In, 2019, EUA)
Gênero: thriller
Direção: Damián Romay
Elenco: Josie Davis, Ryan Paevey, Kaleigh Rivera
CI: 14

7/12, sábado, 21h40

O melhor amigo de Oscar reaparece na vida de Alejandra para tentar ajudá-la, nos episódios inéditos de O Píer

Exclusiva do LIFETIME, a produção O Píer (El Embarcadero), dos mesmos criadores de A Casa de Papel, conta a história de um triângulo amoroso entre um homem e duas mulheres aparentemente muito diferentes. Depois da morte repentina dele, elas descobrem que compartilharam seu amor sem saber, durante oito anos.

Protagonizado por Álvaro Morte (o Professor, de A Casa de Papel), Irene Arcos (Vis a Vis, Elite) e Verónica Sánchez (Os Serranos), este thriller romântico já tem sua segunda temporada confirmada. Em oito episódios, O Píer rompe os esquemas tradicionais dos relacionamentos e levanta uma questão: é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

Na trama, Alejandra (Verónica Sánchez), além de receber a noticia do suicídio de seu marido, Oscar (Álvaro Morte), descobre que ele levava uma vida dupla, com uma filha e outra mulher, Veronica (Irene Arcos). Apesar de estarem casados há 15 anos, ela percebe que não o conhecia totalmente. E se faz passar por uma desconhecida para investigar a vida de Veronica em busca de respostas, o que a levará pelo mesmo caminho trilhado por Oscar.

As duas mulheres são de universos opostos: Alejandra é uma arquiteta bem-sucedida de Madri, urbana, perfeccionista, controladora, e tudo na sua vida precisa se encaixar. E Veronica vive em Albufera de Valência, região dedicada ao cultivo de arroz. Ela é uma mulher espontânea, destemida, que possui um grande magnetismo, força e sensualidade.

O LIFETIME exibe dois inéditos por semana, aos sábados, às 21h40.

No primeiro inédito de hoje, chega o momento de encarar a verdade. Veronica vai à cidade para a leitura do testamento de Oscar mas, antes de ir, ela quer conversar com a outra mulher dele, contar que eles tinham uma filha e que viveram uma história de amor de oito anos. No entanto, a mulher que encontra não se parece em nada com a Alejandra carinhosa de que Oscar falava.

Em seguida, no sexto episódio, Alejandra começa a se desestabilizar, não entende por que não consegue virar a página e deixar de ver Veronica. Katia, Blanca e Ada se mobilizam para ajudá-la e a apoiam em seu pior momento: está triste, desorientada e não quer saber mais nada dos arranha-céus em que ela trabalhou por tantos anos. É quando reaparece Fran, o melhor amigo de Oscar, para tentar devolver a paz à sua vida. CI: 18

          

WARNER CHANNEL - Destaques da programação de 02 a 08 de dezembro

 Cache   
Reprodução
Conheça os destaques da programação do canal WARNER CHANNEL de 02 a 08 de dezembro.

WARNER AO VIVO NA CCXP

Com apresentação de Valentina Pulgarin, a Warner invade a CCXP trazendo a maior cobertura AO VIVO

Quinta-feira, dia 05/12, a partir das 19h30
Sexta-feira, dia 06/12, a partir das 19:30
Sábado, dia 07/12, a partir das 19:30
Domingo, dia 08/12, a partir das 19:30

SEGUNDA-FEIRA, 02 DE DEZEMBRO

WARNER MOVIES

21h40: Noite da Virada (Noite da Virada, 2014). Comédia, Brasil, 16 anos. Com Marcos Palmeira, Júlia Rabello, Luana Piovani.

Sinopse: Duda, um músico sem futuro, é sustentado pela esposa Ana. No dia da festa da virada do ano, às vésperas de darem uma festa na casa deles, Duda decide contar para Ana que não a ama mais e avisa que pretende sair de casa. Com o passar do tempo, os convidados vão chegando e a situação se complica cada vez mais, principalmente diante da revelação de que Duda tinha um caso com a vizinha Rosa, que pode estar grávida dele e é casada com o monótono Mario. Rica tenta esconder o corpo de um traficante, que fazia negócios por ali, enquanto também tenta conter a libido da esposa. Ao longo da festa de Réveillon, o banheiro se torna o foco de todas as fofocas e polêmicas. Na noite da virada do ano, tudo pode acontecer.

TERÇA-FEIRA, 03 DE DEZEMBRO

21h40: Supernatural | 15ª temporada – EPISÓDIO INÉDITO

EP. 06 – "Golden Time" – Sam e Dean recebem a visita de um velho amigo, enquanto Castiel investiga o desaparecimento de uma adolescente.

WARNER MOVIES

22h30: Homem-Aranha 3 (Spider-Man 3, 2007). Aventura, EUA, 12 anos. Com: Tobey Maguire, Kirsten Dunst.

Sinopse: Peter Parker conseguiu encontrar um meio-termo entre seus deveres como o Homem-Aranha e seu relacionamento com Mary Jane. Porém o sucesso como herói e a bajulação dos fãs, entre eles Gwen Stacy, faz com que Peter se torna auto-confiante demais e passa a negligenciar as pessoas que se importam com ele. A situação muda quando ele precisa enfrentar Flint Marko, mais conhecido como o Homem-Areia, que possui ligações com a morte do seu tio Ben. Tendo que lidar com o sentimento de vingança, Peter passa a usar um estranho uniforme negro, que se adapta ao seu corpo.

QUARTA-FEIRA, 04 DE DEZEMBRO

21h40: Riverdale | 4ª temporada – EPISÓDIO INÉDITO

EP. 08 – "Chapter Sixty-Five: "In Treatment" – Enquanto moradores de Riverdale começam a receber mais misteriosas fitas de vídeo, os veteranos de Riverdale High aguardam ansiosamente pelas cartas respostas das Universidades.

WARNER MOVIES

22h30: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (Batman: The Dark Knight Rises, 2012). Ação, EUA, 12 anos. Com: Tom Hardy, Christian Bale.

Sinopse: Christopher Nolan está de volta para completar a trilogia de Gotham, iniciada com Batman Begins e elevada à estratosfera com o sucesso de bilheteria bilionário Batman - O Cavaleiro das Trevas. Marion Cotillard e Joseph Gordon-Levitt, de A Origem, unem-se ao elenco, ao lado de Anne Hathaway, como Selina Kyle (Mulher-Gato), e Tom Hardy, na pele do poderoso vilão Bane. Christian Bale vagueia pela noite, na pele do Homem Morcego, enfrentando o crime e a corrupção, com a ajuda de Michael Caine, Morgan Freeman e Gary Oldman.

QUINTA-FEIRA, 05 DE DEZEMBRO

19:30 - WARNER AO VIVO NA CCXP

21h40: Legacies | 2ª temporada – EPISÓDIO INÉDITO

EP. 06 – "That's Nothing I Had to Remember": Quando um monstro que busca a verdade chega a Mystic Falls, Hope e Lizzie temem que seus segredos as tornem alvos. Enquanto Mg, Kaleb e Kim procuram um aliado improvável, que pode ter conhecimentos de como derrotar o monstro, Freya é visitada por um dos estudantes de Salvatore.

WARNER MOVIES

22h30: Harry Potter E As Relíquias Da Morte: Parte 2 (Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2, 2011) Aventura, EUA, 12 anos. Com: Ralph Fiennes, Helena Bonham Carter, Rupert Grint, Emma Watson, Daniel Radcliffe.

Sinopse: A saga que marcou uma geração chega ao fim na segunda parte do capítulo final de Harry Potter. Após a primeira parte, em 2010, a última aventura do bruxinho culmina com a emocionante batalha final entre "O Menino que Sobreviveu" e o obscuro Lord Voldemort (Ralph Fiennes).

SEXTA-FEIRA, 06 DE DEZEMBRO

19:30 - WARNER AO VIVO NA CCXP

19h45: Harry Potter E As Relíquias Da Morte: Parte 2 (Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2, 2011) Aventura, EUA, 12 anos. Com: Ralph Fiennes, Helena Bonham Carter, Rupert Grint, Emma Watson, Daniel Radcliffe.

Sinopse: A saga que marcou uma geração chega ao fim na segunda parte do capítulo final de Harry Potter. Após a primeira parte, em 2010, a última aventura do bruxinho culmina com a emocionante batalha final entre "O Menino que Sobreviveu" e o obscuro Lord Voldemort (Ralph Fiennes).

22H00: 300: A Ascensão do Império (300: Rise of na Empire, 2014). Ação, EUA, 16 Anos. Com: Lena Headey, Sullivan Stapleton, Eva Green.

Sinopse: Após a morte do pai, Xerxes dá início a uma jornada de vingança e ruma em direção à Grécia. Enquanto os 300 espartanos liderados por Leonidas tentam combater os invasores, os exércitos do resto da Grécia se unem para uma batalha com as tropas de Artemisia no mar. Diante da necessidade de organizar a defesa e equipar o exército, Atenas liderou uma aliança entre várias cidades-estados gregas que deveriam contribuir com navios ou dinheiro nos gastos da guerra. O general ateniense Temístocles estava decidido a tentar uma estratégia para reconquistar a pólis Atenas e salvar a Grécia da conquista persa e para isso atraiu a marinha persa para um estreito canal, entre a ilha de Salamina e o continente para tentar vencer a armada inimiga.

23H55: O Garoto da Casa ao Lado (The Boy Next Door, 2015). Suspense, EUA, 16 Anos. Com: Jennifer Lopez, Ryan Guzman, John Corbett.

Sinopse: Uma professora recém divorciada (Jennifer Lopez) começa um romance com seu novo vizinho, que também é seu aluno na escola. O jovem se revela como obsessivo e perigoso: agora ela precisará tomar uma atitude antes que seja tarde demais.

SÁBADO, 07 DE DEZEMBRO

19:30 - WARNER AO VIVO NA CCXP

WARNER HITS

22h05 Alice Através do Espelho (Alice Through the Looking Glass, 2016) Aventura, EUA, Livre. Com: Mia Wasikowska, Johnny Depp.

Sinopse: Após retornar de uma longa viagem pelo mundo, a jovem Alice descobre que seu ex-noivo planeja vender a empresa que era do seu pai. Depois de uma briga com sua mãe sobre o assunto, ela vai para uma festa num casarão e se depara com um espelho mágico. Alice segue uma borboleta, que logo reconhece como Absolem, e retorna para o País das Maravilhas. A jovem é recebida pelos amigos, incluindo a Rainha Branca, o Coelho, os gêmeos Tweedles, o ratinho Arganaz, o Cachorro e o gato Cheshire. Lá ela descobre que o Chapeleiro Maluco está agindo mais louco do que o habitual e que está correndo um enorme risco de vida. Alice então decide procurar o Tempo para convencê-lo a retornar ao passado e evitar que o pior aconteça com seu amigo.

DOMINGO, 08 DE DEZEMBRO

19:30 - WARNER AO VIVO NA CCXP

22h00: Young Sheldon| 3ª temporada – EPISÓDIO INÉDITO

EP. 08 – "The Sin of Greed and a Chimichanga from Chi-Chi's": Na esperança de recrutar Sheldon, a Universidade faz uma lucrativa oferta de emprego para George. Georgie começa a trabalhar para o novo namorado de Meemaw, enquanto Mary está determinada a livrar sua casa da ganância.

DOMINGO HEROICO | FLASH – EPISÓDIO INÉDITO

22h25: EP. 7 - "The Last Temptation of Barry Allen, PT. 1": Enquanto Iris descobre uma grande conspiração, Barry está próximo da morte iminente em Crise - as convicções dele são testadas quando o monstruoso Dr. Ramsey Rosso infecta Flash com um alucinógeno.

DOMINGO HEROICO | ARROW – EPISÓDIO INÉDITO

23h15: EP. 6 - "Reset": Oliver se depara com uma situação de vida ou morte, depois de ser enganado por Lyla; Laurel tem a oportunidade de semear paz.

*Horário de Brasília. Programação sujeita a alterações sem aviso prévio.

          

La clave es tener un modelo de negocio claro y rentable

 Cache   

NEGOCIOS | LA PATRIA

Hay una sensación generalizada para emprender en el país. El Reporte Global de Emprendimiento 2018 reveló que el 90% de los colombianos está dispuesto a usar su tiempo libre en su idea de negocio y el 89% se la juega a tomar el riesgo de fracasar al comenzar su idea negocio.

A pesar de estas percepciones favorables, Juliana Barreto, especialista en Recursos Humanos y Ventas, mentora e inversionista en las dos primeras temporadas de Shark Tank Colombia, advierte que el emprendimiento no es un camino fácil y que no es para todo el mundo.

"Se vale no emprender y tomar otros caminos como el modelo tradicional de ser trabajador o empleado de alguien". Ella defiende a los emprendedores que pasan por el mundo corporativo de las empresas y luego deciden emprender. "Está comprobado que personas que empiezan a emprender a los 33, 35 y 38 años, que tiene un respaldo de experiencia en trabajos tradicionales, son muchos más exitosos que los otros".

Tasa de mortalidad

Las cifras de Innpulsa Colombia, entidad del Gobierno creada para apoyar y promover el crecimiento empresarial y la innovación, muestran que la tasa de mortalidad de los emprendimientos es de aproximadamente el 70% y solo el 23% de las empresas logra cruzar el umbral de los tres años de existencia.

Barreto señala que la clave es tener un modelo de negocio claro y que sea rentable. "Si no hay rentabilidad no hay negocio. Si no tienes número claros en tu cabeza no funciona, las cifras tienen que estar en verde. Así suene repetitivo: como es un camino difícil, los obstáculos que se presenten son oportunidades para mejorar, no son tatuajes, son morados y se curan".

La experta fue invitada a la tercera versión de Mujeres emprendedoras, realizada la semana pasada y organizada por la Red de Emprendimiento de Caldas, y patrocinado por las universidades de Manizales, Autónoma y Católica; Finanfuturo, Cámara de Comercio y Secretaría de Tic y Competitividad.

El mensaje de Barreto para los jóvenes que decidieron o quieren emprender es que lo piensen muy bien. "Eso de decir que soy mi propio jefe a los 22 no es verdad, de volverse millonario a los 22 no es verdad, si le ha pasado a una persona en el mundo es de buenas y les aseguro que sí le pasó hace dos años ya no tiene ni un peso en donde caerse muerto".

Ecosistema

La ventaja de Manizales y de Caldas es que tienen un ecosistema de emprendimiento favorable para las ideas de negocios. "Este ecosistema es fuerte. Manizales es una ciudad que tiene todas las oportunidades y su gente está convencida de los cualidades que posee. La región es poderosa porque tiene todo para emprender y es echada para delante", recuerda Barreto.

Disney Cardona Henao, profesional de emprendimiento en la Cámara de Comercio de Manizales, complementa las anteriores afirmaciones diciendo que el soporte de este ecosistema es la Red de Emprendimiento.

"Tenemos una red que articula a las empresas y a las instituciones de apoyo, especialmente de soporte financiero. Se genera una malla de servicios que ayudan al emprendedor en cualquiera de sus necesidades o etapas de negocio. Siempre el emprendedor tendrá varias instancias para fortalecerse y llevar su negocio a otros niveles".

La tarea, según la Red de Emprendimiento de Caldas, es crear el Observatorio de Emprendimiento, con el fin de medir el impacto de los programas y conocer las reales necesidades que aquejan a los emprendedores como falta de financiamiento, obstáculos para acceder a mercados, pocas ventas que afectan la rentabilidad, y un marco legal y tributario que sofoca a los negocios.

Juliana Barreto presenta algunas sugerencias, recomendaciones y críticas a quienes emprenden o tienen el deseo de hacer realidad su idea de negocio.

Panorama

* Caldas tiene un panorama atractivo para los inversionistas, eso ayuda a que el ecosistema del emprendimiento se consolide.

* La clave del éxito de Manizales es la defensa por los grupos heterogéneos, en el que mujeres y hombres trabajan de la mano al mismo tiempo. Ojalá de diferentes generaciones para tener variedad de visiones y perspectivas.

Ventajas de las mujeres

* Las mujeres a la hora de emprender tienen muchas ventajas competitivas, porque tienen unas competencias y habilidades poderosas cuando asumen posiciones de poder, lo hacen con inocuidad, respeto y poseen un elemento diferenciador: están enfocadas en la persona y no tanto en los resultados.

Consejos

* La persona tiene que estar convencida porque el emprendimiento es un camino difícil, en el que se trabaja el triple, dormirá poco y sacrificará muchas cosas en su vida.

* Si hay perseverancia y se esa persona logra consolidar su idea la satisfacción será impresionante. El orgullo que se siente porque el proyecto sale adelante merece aplausos para uno mismo.

* Trabajen fuerte y no se rindan, inténtenlo nuevamente, las caídas son morados no tatuajes.

* Rodearse de la mejor gente es la mejor opción. Pero primero hay que prepararse y leer mucho. Hoy no hay excusas para no hacerlo, es tan sencillo como buscar en Google y encontrar información sobre miles de ideas de negocio.

* Reinventarse todo el tiempo y estar preparado para recibir miles de críticas y observaciones, porque en el emprendimiento pasa frecuentemente.

Críticas

* Cuestionó a las personas que creen que todo le llegará caído del cielo, que no tendrán que trabajar tan duro, que se podrán levantar a las 10:00 a.m. y que un domingo estarán echados tomando pola con los amigos. Eso es mentira.

* Criticó la ingenuidad de la gente, que piensa que este mundo es fácil, cuando es bien complicado.

* El que quiere dinero tiene que trabajar fuerte y con mucho esfuerzo. El dinero de los empresarios más grandes del país no lo consiguieron de un momento a otro. Por ejemplo, de las más más importantes de la región está Super de Alimentos. La empresa no empezó ayer y para lograr ganancias vendiendo dulces de coco con arequipe tuvieron que pasar 70 años.

¿Qué es un ecosistema de emprendimiento?

Colin Mason y Ross Brown definieron en el 2014 que un ecosistema de emprendimiento es un conjunto de emprendedores interconectados, instituciones y procesos de seguimiento al emprendimiento que formal e informalmente se fusionan para conectar, mediar y dirigir el rendimiento del emprendimiento en una región.


          

La clave es tener un modelo de negocio claro y rentable

 Cache   

NEGOCIOS | LA PATRIA

Hay una sensación generalizada para emprender en el país. El Reporte Global de Emprendimiento 2018 reveló que el 90% de los colombianos está dispuesto a usar su tiempo libre en su idea de negocio y el 89% se la juega a tomar el riesgo de fracasar al comenzar su idea negocio.

A pesar de estas percepciones favorables, Juliana Barreto, especialista en Recursos Humanos y Ventas, mentora e inversionista en las dos primeras temporadas de Shark Tank Colombia, advierte que el emprendimiento no es un camino fácil y que no es para todo el mundo.

"Se vale no emprender y tomar otros caminos como el modelo tradicional de ser trabajador o empleado de alguien". Ella defiende a los emprendedores que pasan por el mundo corporativo de las empresas y luego deciden emprender. "Está comprobado que personas que empiezan a emprender a los 33, 35 y 38 años, que tiene un respaldo de experiencia en trabajos tradicionales, son muchos más exitosos que los otros".

Tasa de mortalidad

Las cifras de Innpulsa Colombia, entidad del Gobierno creada para apoyar y promover el crecimiento empresarial y la innovación, muestran que la tasa de mortalidad de los emprendimientos es de aproximadamente el 70% y solo el 23% de las empresas logra cruzar el umbral de los tres años de existencia.

Barreto señala que la clave es tener un modelo de negocio claro y que sea rentable. "Si no hay rentabilidad no hay negocio. Si no tienes número claros en tu cabeza no funciona, las cifras tienen que estar en verde. Así suene repetitivo: como es un camino difícil, los obstáculos que se presenten son oportunidades para mejorar, no son tatuajes, son morados y se curan".

La experta fue invitada a la tercera versión de Mujeres emprendedoras, realizada la semana pasada y organizada por la Red de Emprendimiento de Caldas, y patrocinado por las universidades de Manizales, Autónoma y Católica; Finanfuturo, Cámara de Comercio y Secretaría de Tic y Competitividad.

El mensaje de Barreto para los jóvenes que decidieron o quieren emprender es que lo piensen muy bien. "Eso de decir que soy mi propio jefe a los 22 no es verdad, de volverse millonario a los 22 no es verdad, si le ha pasado a una persona en el mundo es de buenas y les aseguro que sí le pasó hace dos años ya no tiene ni un peso en donde caerse muerto".

Ecosistema

La ventaja de Manizales y de Caldas es que tienen un ecosistema de emprendimiento favorable para las ideas de negocios. "Este ecosistema es fuerte. Manizales es una ciudad que tiene todas las oportunidades y su gente está convencida de los cualidades que posee. La región es poderosa porque tiene todo para emprender y es echada para delante", recuerda Barreto.

Disney Cardona Henao, profesional de emprendimiento en la Cámara de Comercio de Manizales, complementa las anteriores afirmaciones diciendo que el soporte de este ecosistema es la Red de Emprendimiento.

"Tenemos una red que articula a las empresas y a las instituciones de apoyo, especialmente de soporte financiero. Se genera una malla de servicios que ayudan al emprendedor en cualquiera de sus necesidades o etapas de negocio. Siempre el emprendedor tendrá varias instancias para fortalecerse y llevar su negocio a otros niveles".

La tarea, según la Red de Emprendimiento de Caldas, es crear el Observatorio de Emprendimiento, con el fin de medir el impacto de los programas y conocer las reales necesidades que aquejan a los emprendedores como falta de financiamiento, obstáculos para acceder a mercados, pocas ventas que afectan la rentabilidad, y un marco legal y tributario que sofoca a los negocios.

Juliana Barreto presenta algunas sugerencias, recomendaciones y críticas a quienes emprenden o tienen el deseo de hacer realidad su idea de negocio.

Panorama

* Caldas tiene un panorama atractivo para los inversionistas, eso ayuda a que el ecosistema del emprendimiento se consolide.

* La clave del éxito de Manizales es la defensa por los grupos heterogéneos, en el que mujeres y hombres trabajan de la mano al mismo tiempo. Ojalá de diferentes generaciones para tener variedad de visiones y perspectivas.

Ventajas de las mujeres

* Las mujeres a la hora de emprender tienen muchas ventajas competitivas, porque tienen unas competencias y habilidades poderosas cuando asumen posiciones de poder, lo hacen con inocuidad, respeto y poseen un elemento diferenciador: están enfocadas en la persona y no tanto en los resultados.

Consejos

* La persona tiene que estar convencida porque el emprendimiento es un camino difícil, en el que se trabaja el triple, dormirá poco y sacrificará muchas cosas en su vida.

* Si hay perseverancia y se esa persona logra consolidar su idea la satisfacción será impresionante. El orgullo que se siente porque el proyecto sale adelante merece aplausos para uno mismo.

* Trabajen fuerte y no se rindan, inténtenlo nuevamente, las caídas son morados no tatuajes.

* Rodearse de la mejor gente es la mejor opción. Pero primero hay que prepararse y leer mucho. Hoy no hay excusas para no hacerlo, es tan sencillo como buscar en Google y encontrar información sobre miles de ideas de negocio.

* Reinventarse todo el tiempo y estar preparado para recibir miles de críticas y observaciones, porque en el emprendimiento pasa frecuentemente.

Críticas

* Cuestionó a las personas que creen que todo le llegará caído del cielo, que no tendrán que trabajar tan duro, que se podrán levantar a las 10:00 a.m. y que un domingo estarán echados tomando pola con los amigos. Eso es mentira.

* Criticó la ingenuidad de la gente, que piensa que este mundo es fácil, cuando es bien complicado.

* El que quiere dinero tiene que trabajar fuerte y con mucho esfuerzo. El dinero de los empresarios más grandes del país no lo consiguieron de un momento a otro. Por ejemplo, de las más más importantes de la región está Super de Alimentos. La empresa no empezó ayer y para lograr ganancias vendiendo dulces de coco con arequipe tuvieron que pasar 70 años.

¿Qué es un ecosistema de emprendimiento?

Colin Mason y Ross Brown definieron en el 2014 que un ecosistema de emprendimiento es un conjunto de emprendedores interconectados, instituciones y procesos de seguimiento al emprendimiento que formal e informalmente se fusionan para conectar, mediar y dirigir el rendimiento del emprendimiento en una región.

 


          

Empezó la operación comercial del tren de carga entre Santa Marta y La Dorada

 Cache   

LA PATRIA | SANTA MARTA

El corredor férreo entre La Dorada y Santa Marta comenzó a operar de forma comercial y regular con tres trenes de carga semanales.

La Agencia Nacional de Infraestructura (ANI) y el Consorcio Ibines indicaron que se transportan desde La Dorada hasta Santa Marta por lo menos 90 toneladas de productos como vajillas, café y cerámica. La carga es de exportación y llegará a Panamá, Estados Unidos y Finlandia.

"Esta es la primera operación de esta naturaleza que se realiza desde que arrancó la operación del tren entre Santa Marta y La Dorada, hace tres meses. Se trata de tres plataformas cargadas con cerámica dirigida a Panamá, vajillas para Estados Unidos y un contenedor con café para Finlandia”, aseguró Manuel Felipe Gutiérrez, presidente de la ANI.

Objetivo

Esta iniciativa involucra empresas como el Puerto de Santa Marta, Santa Marta International Company (Smitco), Consorcio Ibines, contratista de obra de los corredores Bogotá - Belencito y La Dorada - Chiriguaná, y Ferrocarriles del Norte de Colombia (Fenoco S.A.), que tiene en concesión el corredor Chiriguaná - Santa Marta.

El objetivo es consolidar la operación comercial que se inicia cada jueves en el Puerto de Santa Marta y finaliza los domingos en el mismo punto.

La ANI invitó a organizaciones empresariales y compañías a usar el tren como medio de transporte de carga, con el fin de impulsar este corredor férreo de 767 kilómetros y que atraviesa cinco departamentos: Magdalena, César, Santander, Antioquia y Caldas.

Esta operación se complementa con la reactivación de la navegabilidad del río Magdalena que comenzó a principios de este mes con el transporte de carga desde Cartagena hasta La Gloria (Cesar).


          

La dirección acepta el arbitraje de UGT y rechaza la mediación de CCOO y SIE

 Cache   
La dirección acepta el arbitraje de UGT y rechaza la mediación de CCOO y SIE
CCOO Avanza
Luis Roca Mié, 27/11/2019 - 14:41

La dirección ha comunicado que acepta el arbitraje propuesto por UGT en la reunión de la Comisión Negociadora del V Convenio Marco de Endesa de ayer. Era lo previsto, ¿cómo no lo va a aceptar? La propuesta de mediación sin condiciones presentada por CCOO y SIE para poder seguir negociando de buena fe ha sido rechazada.

Durante la reunión, tanto la dirección como UGT exponen las condiciones del arbitraje, que será a través del SIMA (Servicio Interconfederal de Mediación y Arbitraje). El proceso tiene un paso previo que pasa por la mediación, pero es importante subrayar que este es parte del propio proceso de arbitraje. Es falso por tanto que UGT acuda a una mediación. Aquí se trata de un requisito previo e indispensable del proceso de arbitraje.

Como hemos dicho, ni la dirección ni UGT aceptan la mediación sin condiciones propuesta por CCOO, eliminando así cualquier voz crítica al proceso de arbitraje, silenciando, así, la voz de una parte importante de la plantilla. En incontables ocasiones hemos manifestado en la mesa de negociación que no vamos a validar ninguna pérdida de derechos, que ahora tocaba ganar. CCOO se mantiene en esa postura, conjuntamente con SIE.

Los derechos conquistados a lo largo de más de siete décadas están en peligro sin ninguna garantía, ese es el verdadero riesgo que no se explica. Desde CCOO utilizaremos todas las herramientas a nuestro alcance para revertir esta situación.


          

Pistolando #043 – Antipunitivismo

 Cache   

Tempo de leitura: 3 minutos   Não sei se vocês notaram, mas nossas cadeias são superlotadas e nem por isso nos sentimos mais seguros. Há maneiras melhores de lidar com quem infringe a lei? Ser antipunitivista significa gostar de bandido? (Não). Conversamos com Ana Carolina Bartolamei Ramos, juíza em Curitiba, e Elisa Cruz, defensora pública no Rio de Janeiro.  ...

O post Pistolando #043 – Antipunitivismo apareceu primeiro em Pistolando Podcast.


          

Juliette Binoche: “A única forma de mudar é as pessoas saírem às ruas”

 Cache   

Atriz mais bem paga do cinema francês e estrela de filmes como “A Liberdade é Azul”, “Chocolate” (com o qual foi indicada ao Oscar de melhor atriz) e “Cópia Fiel”, Juliette Binoche está pela primeira vez no Brasil. Convidada de peso da festa que celebrou na última sexta-feira (29) os 30 anos da distribuidora Imovision, foi definida pelo fundador Jean Thomas Bernardini, como uma atriz que representa seu ideal de cinema. “É uma atriz independente, que ultrapassa as fronteiras dos blockbuster. Ela conseguiu ser as duas coisas, comercial e de arte", afirma Bernardini, que indica “Cópia Fiel”, de Abbas Kiarostami (e pelo qual levou o Cannes de melhor atriz), o seu favorito dentre os estrelados pela atriz, que também tem um Oscar de atriz coadjuvante por “O Paciente Inglês”, de Anthony Minghella.

Juliette Binoche (Foto: Getty)

 

Colegas de profissão como Patricia Pillar, Barbara Paz, Leticia Sabatella e Hermila Guedes marcaram presença no Reserva Cultural de Niterói para prestigiar uma das mais conceituadas atrizes do mundo. Pouco conhecedora do cinema brasileiro - chegou a iniciar um projeto com Walter Salles que acabou não acontecendo e assistiu “Cidade de Deus” -, a atriz francesa, no entanto, tem dimensão dos recentes acontecimentos ambientais e políticos por aqui e em outros lugares do mundo e lamenta a visão dos governantes que não se preocupam com a diversidade cultural.

Em uma cronometrada conversa de 15 minutos com a Marie Claire, aos 55 anos e 35 de carreira Juliette falou sobre a importância da resistência, defendeu a necessidade de se equilibrar as energias masculinas e femininas e relembrou os casos de agressão sexual que
revelou ter sofrido em três momentos da vida - incluindo um diretor e uma delas quando era criança, por um professor.

MARIE CLAIRE: Você veio para uma celebração do cinema, a convite da Imovision, que traz muitos filmes do circuito alternativo para o Brasil. Qual a importância de apoiar e disitribuir o cinema independente?

Juliette Binoche: Pela resistência. Nós precisamos da resistência, para criar novos movimentos, criar consistência. O mainstream quer fazer mais dinheiro do que construir mudanças, do que levar as pessoas para dentro em algum lugar. Mas tenho que dizer que tem exceções dentro dele, você não pode botar tudo na mesma caixa. Mas é lindo de ver uma sala de cinema como essa, as pessoas trabalhando pra fazer diversidade, filmes vindo de diferentes lugares, e fazendo diferença, mostrando 'pequenos filmes' que podem realmente te mover de onde você está pra sempre. Um filme pode ajudar uma vida. Assim como música, literatura, natureza.
Estou bem feliz de fazer parte dessa noite. 


MC: Estamos vivendo um momento atípico no Brasil de ataques ideológicos à cultura partindo de representantes que deveriam supostamente promovê-la e financiá-la sem discriminação ou conservadorismo. Como você vê isso, num momento que esse conservadorismo que ascende não
se reflete só no Brasil...

JB: Isso está acontecendo em diversos lugares. Pra mim, o público que vem sendo fomentado pelos governos mostram uma sociedade saudável. Porque precisamos ter público. Precisamos ter mentes visionárias que vão trazer algo novo, porque precisamos evoluir e ter consciência. É saudável. É como a barriga que precisa das bactérias que nos dão mais vida. Você tem que ter controvérsias, tem que ter resistência, tem que ter diferentes pontos de vista, é parte da saúde. É muito triste o que está acontecendo nesse governo recente de vocês, eles não entendem o outro lado que a sociedade precisa. Pode ser uma parcela pequena, mas não importa. Arte é como um adubo que você coloca na planta, ela faz crescer de uma forma diferente, de uma forma melhor. E isso pra mim traz uma sociedade
e mentes saudáveis.


MC: O que você teria a dizer sobre a Marine Le Pen [política de extrema-direita na França em ascensão?

JB: (ela gargalha) Vamos falar sobre as flores, as árvores, o céu, o sol. Por que queremos falar sobre ela?


MC: O evento exibirá “A Liberdade é Azul" [um dos seus filmes mais famosos, do polonês Krzysztof Kieslowski, indicado ao Globo de Ouro e vencedor do César e de Veneza como melhor atriz]. Qual a importância desse filme para sua carreira como atriz?

JB: O que mais me surpreendeu é que a leveza que sentimos fazendo o filme também sentimos com a profundidade. Me surpreendeu que um não está contra o outro. Você pode ser alegre e profundo. Foi uma alegria e lindo a gente ter compartilhado isso com a equipe, com
os atores, com o diretor. E a forma como recebemos, a linda recepção que tivemos com o filme, me deixou espantada, porque foi a minha experiência mais leve e mais profunda. 


MC: Como é ser uma atriz hoje no cinema em comparação com 20, 30 anos atrás?

JB: É tão difícil quanto. Quando comecei, nos anos 80, tinham muitos diretores querendo mostrar suas novas visões, especialmente na França, e tinha que lidar com isso, entender a história, o ponto de vista. E eu ia, mas se não concordava tinha que falar e mudar a cabeça do diretor, o que também é possível. Mas, de alguma forma, é complicado, é difícil. Você tem que se expor como ator e como pessoa, suas emoções, seu corpo, tudo, é sobre os riscos de se expor. Isso demanda. E você, ao mesmo tempo, quer ser respeitado enquanto artista e delimitar: isso sim, isso não. Isso é difícil. Porque você tem os produtores que querem vender filmes e pressionam os diretores pra isso, mas você também tem diretores que resistem, que querem fazer suas obras e não só uma peça pra fazer dinheiro. É um equilíbrio que precisa se encontrar. Hoje é diferente, claro, tenho 35 anos de filmes atrás de mim. E você não se questiona da mesma forma com 20 ou com 50 anos. Com Claire Denis [com quem rodou “Deixe a Luz Entrar”], eu gostei. Eu nunca tinha sido exposta daquele jeito, sabia que podia confiar nela. Era provocativo, mas eu gostei, foi divertido, eu consegui. Eu tento não ter pré-concepções, mas eu não poderia fazer aquilo com qualquer um. Com Claire a gente fez um filme juntos e eu sabia que ela estava sempre sendo protetora, pelo jeito que ela me filmava.

MC: Você declarou ter vivido três agressões sexuais em diferentes momentos da vida, incluindo quando ainda era criança. Você em algum momento se arrependeu de falar sobre isso?

JB: Não, não, não (enfaticamente). Eu acho que é necessário e eu falei pra mim também, tinha de admitir que precisava falar sobre aquilo. O fato é que eu estava preparada para dizer não, essa é a questão. Você tem a força, use sua força. Quando eu era criança e um professor tentou me tocar eu não deixei. Quando um diretor me beijou eu disse que não, que tinha
um namorado. Quando um produtor me tocou, empurrei pra trás. Você tem que ser mais inteligente que o lobo.


MC: Você fala muito sobre equilíbrio. Como podemos equilibrar essas forças masculinas e femininas? 

JB: Todos nós temos uma energia feminina e masculina dentro da gente. Não é porque você é homem que você é só masculino, ou porque você é mulher você é só feminina. Isso não é verdade. Acabamos usando mais a energia masculina, que é mais fácil, do orgulho, da força, de se impor. E precisamos
disso, pois precisamos desse impulso. Como uma sociedade e como planeta, a gente vem sendo direcionado há muito tempo para o masculino, mas precisamos ir além disso, equilibrar isso, integrar essas forças em nós. A única forma de transformar isso é descer
do pedestal, ser mais humilde, porque a energia feminina dentro de nós é o da aceitação. O feminino não é uma coisa. E o corpo feminino, a imagem da mulher, vem sendo usada há tempos como se fosse.


MC: Há uma sensação de mudança nas estruturas de poder. Desde as acusações de abuso sexual contra Harvey Weinstein, um dos maiores nomes da indústria mundial do cinema, aos protestos que estamos assistindo pelo mundo, desde Hong Kong, na China, a países da América Latina, como Chile e Colômbia. Você sente que algo mudou?

JB: Não mudou, está mudando. Começou-se algo, mas tem muita coisa ainda pra explodir. Com a chegada da crise ambiental, nós temos que acordar e muito rápido. Precisamos de novas pessoas advogando pela gente. Transformações precisam acontecer. Não podemos nos manter na mesma ideia de que a economia faz tudo, que é a única possibilidade. Isso não é verdade. Eu acho que a única forma de mudar é as pessoas irem para as ruas, os jovens irem às ruas, mostrando que são contra o que está acontecendo no mundo, contra o que os governos estão fazendo. Os jovens sabem que esses que estão no poder hoje serão os criminosos do futuro, eles já entenderam que o que vem depois será pior do que o agora.


          

Um grande debate sobre a humanidade

 Cache   
O biólogo americano Jared Diamond e o historiador israelense Yuval Harari no evento Cidadão Global (Foto: Leo Orestes)

 

Juntos, eles já venderam mais de 50 milhões de livros em todo o planeta. Mas jamais haviam se reunido no mesmo evento. Até que o banco Santander, em parceria com o jornal Valor Econômico, alcançou esse feito inédito: o historiador israelense Yuval Noah Harari e o biólogo americano Jared Diamond foram as principais estrelas da segunda edição do evento Cidadão Global, o mesmo que, em 2017, havia trazido o ex­presidente americano Barack Obama.

“Este evento nos desafia a pensar, a questionar certezas. É uma atitude fundamental, porque o que existia há dez anos não necessariamente funciona mais. Mais do que nunca, as pessoas precisam encontrar suas redes, suas conexões, para definitivamente criar valor”, afirmou, na sequência, Sérgio Rial, desde 2016 presidente do Santander Brasil. “Vivemos um processo de transformação brutal; vários agentes que estavam calados agora são ouvidos. Nunca houve tanta democracia. O resto está nas nossas mãos”, completou.

Mudança global

O primeiro a se apresentar, Harari comentou que seu colega foi uma grande inspiração: “Jared, minha maior inspiração foi você. Eu li seu livro e pensei: ‘nossa, as pessoas podem escrever obras assim!’”. A conexão entre os dois ficaria mais clara no encadeamento de informações e análises.

Harari abordou o nacionalismo, suas origens e os mitos que o cercam. Explicou que a conexão entre cidadãos de um mesmo país, por si só, é bastante positiva. “Vamos derrubar alguns mitos sobre nacionalismo”, anunciou, para encadear o seguinte raciocínio: há 2 milhões de anos, os humanos viviam em agrupamentos muito pequenos. Posteriormente, passaram a se reunir em tribos, em que todos ainda se conheciam.

Já as nações são muito mais recentes. Surgiram há 5 mil anos como agrupamentos organizados, em que as pessoas não necessariamente se conhecem, mas aceitam um mesmo governo, vivem sob as mesmas regras e se diferenciam, em termos conceituais.

"Muitos líderes que se dizem nacionalistas, como o presidente americano, não o são", disse Yuval Harari (Foto: Leo Orestes)

 

 

O autor, conhecido pelos best­sellers “Sapiens: Uma breve história da humanidade”, “Homo Deus: Uma breve história do amanhã” e “21 lições para o século 21”, explicou que o nacionalismo se baseia no respeito e na admiração pelos cocidadãos, e no ódio pelos estrangeiros. “Muitos líderes que se dizem nacionalistas, como o presidente americano [Donald Trump], não o são”, explicou.

“Para ser nacionalista de fato não é necessário construir muros, muito pelo contrário”, prosseguiu o autor, para quem o foco de uma nação está em defender seus interesses, mas respeitando as regras gerais que regem o jogo diplomático. É como uma Copa do Mundo de futebol, ele comparou. “Em muitos outros momentos da história, seria impensável enviar as seleções da França e do Brasil para disputar um torneio esportivo na Rússia”, comentou. “Mas só dá certo porque todos seguem as regras previamente combinadas.” E assim as nações podem agir em conjunto, respeitando suas especificidades, como uma orquestra.

As regras que regem a relação entre nações, diz ele, vão se mostrar fundamentais para garantir que a humanidade supere três desafios que nenhum país, sozinho, seria capaz de encarar: a aniquilação nuclear, o aquecimento global e o desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Esse terceiro fenômeno, afirma o historiador, está prestes a gerar, pela primeira vez na história do planeta, uma raça de seres artificiais e inteligentes. “Estamos criando seres muito diferentes de nós, humanos, mais do que nós somos diferentes dos macacos”, alertou. “Todos esses desafios só podem ser administrados e superados pelas nações em parceria.”

Países em crise

Na sequência, Jared Diamond focou no tema de seu mais novo livro, publicado em 2019: “Reviravolta: Como indivíduos e nações bem­sucedidas se recuperam de crises”. O autor de “Colapso: Como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso” e ganhador do Prêmio Pulitzer pelo livro “Armas, germes e aço” comparou o Japão aos Estados Unidos.

"As forças destrutivas estão crescendo em todo o mundo", alertou Jared Diamond (Foto: Leo Orestes)

 

Quando foi atacado pelos americanos em 1853, o Japão se viu forçado a se abrir para o ocidente. Foi uma crise que o país solucionou mudando algumas estruturas sociais e modernizando suas indústrias. Em 1910, já era uma nação completamente diferente. Foi um caso muito bem­sucedido de nação que soube lidar com um período de grave questionamento sobre si mesma e sobre suas motivações.

Já os Estados Unidos contemporâneos, diz ele, se comportam exatamente como uma pessoa em negação. “Os americanos não admitem que exista uma crise. Diante de qualquer problema, colocam a culpa nos outros, sejam os canadenses ou os chineses. Mas não são nem os canadenses nem os chineses que estão colocando em risco a democracia do país. Essa atitude não é saudável.” Diamond concorda que, à parte as crises específicas de cada nação, o mundo está diante de desafios que colocam a humanidade em risco. “As forças destrutivas estão crescendo em todo o mundo. Mas o reconhecimento dos problemas também está crescendo”, comentou.

Ao final do evento, Jared Diamond e Yuval Harari conversaram com o advogado, professor e pesquisador brasileiro Ronaldo Lemos, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro. Harari comentou por que não usa smartphones: “preciso de tempo sem essa sobrecarga de informações”. Diamond, por sua vez, mostrou seu celular, amarrado com elásticos, e contou que só o utiliza para fazer ligações e ver e­mails. “Minha esposa me fez comprar esse aparelho, mas ele fica desligado quase todo o tempo.”


          

Viatges - Eivissa, Formentera, Marià Villangómez i el poemari Rituals

 Cache   

Viatges - Eivissa, Formentera, Marià Villangómez i el poemari Rituals


De cop i volta, llegint aquestes retxes, en tornaven a la memòria molts records: la presència sempre patent de Marià Villangómez en totes les nostres inicials provatures literàries dels seixanta i setanta; els viatges en temps de la clandestinitat quan fugíem per uns dies de la trista grisor ciutadana. Aleshores ens perdíem per les platges de Formentera -eren els anys dels hippis, de la brutal repressió contra els “barbuts de cabells llargs” i el “nudisme”- tot imaginant la possible existència d’un món més humà i llibertari. (Miquel López Crespí)


Era el temps d’arribar al port d’Eivissa amb aquells atrotinats vaixells antics de la Transmediterrània.

Aquests dies són ben especials. Inesperadament tornen estimats records ocults en els plecs de la memòria: la melangiosa presència d’Eivissa i Formentera regressa, potent, com una mar agitada per fortes onades de goig. De cop i volta, amb la trucada de la consellera de Cultura Fanny Tur comunicant-me que havia guanyat el I Premi de Poesia Illa de Formentera (juntament amb el poeta Bartomeu Ribas) en homenatge a Marià Villángómez, els records s’han acaramullat dins del meu cervell. A l’endemà la premsa d’Eivissa i de Ciutat destacava la notícia del guardó. El poeta Joan Serra i l’amic Joan Albert Ribas, membres del jurat, m’explicaven, una vegada lliurat el premi, l’alta qualitat de les obres presentades i la dificultat que tengueren per a escollir els poemaris finalistes. Sortosament per a qui signa aquest escrit i per a l’amic Bartomeu Ribas hi hagué unanimitat en la decisió dels membres del jurat.

Com explicava una mica més amunt, quan a l’endemà de la trucada de la consellera de Cultura vaig obrir els diaris, hi havia la notícia: “L’escriptor de sa Pobla Miquel López Crespí i Bartomeu Ribas acaben de guanyar el I Premi de Poesia “Illa de Formentera 2001” amb els poemaris Rituals i Agrupament de la peresa, respectivament. El premi “Illa de Formentera” s’ha instituït en honor del poeta Marià Villangómez i té la voluntat d’esdevenir un dels més importants dels premis de poesia convocats en els Països Catalans. El jurat era format per destacades personalitats del món de la cultura d’Eivissa i Formentera: l’escriptor Jean Serra; Rafel Serra en representació de l’Institut d’Estudis Eivissencs; Vicenç Ferrer, en representació de l’Institut Marc Ferrer; Francesc Escandell per part de l’OCB de Formentera; i Joan Albert Ribas.

‘L’acte de proclamació dels guanyadors ha tengut lloc a Formentera sota la presidència de la consellera de Cultura Fanny Tur. Hi eren presents igualment nombroses personalitats del món de la política i de la cultura: el diputat Santiago Ferrer, el batle de Formentera Isidor Torres, el regidor de cultura de Formentera Felip Portes, Josep Lluís Ribes (del Patronat de Cultura de Formentera)… Miquel López Crespí ha publicat aquest darrer temps nombroses obres de poesia, novel·la, teatre, narrativa i assaig Núria i la glòria dels vençuts, Revolta, Acte Únic, Cultura i antifranquisme, Record de Praga, La Ciutat del Sol, Llibre de pregàries, Un violí en el crepuscle…”.

De cop i volta, llegint aquestes retxes, en tornaven a la memòria molts records: la presència sempre patent de Marià Villangómez (1) en totes les nostres inicials provatures literàries dels seixanta i setanta; els viatges en temps de la clandestinitat quan fugíem per uns dies de la trista grisor ciutadana. Aleshores ens perdíem per les platges de Formentera -eren els anys dels hippis, de la brutal repressió contra els “barbuts de cabells llargs” i el “nudisme”- tot imaginant la possible existència d’un món més humà i llibertari. Era el temps d’arribar al port d’Eivissa amb aquells atrotinats vaixells antics de la Transmediterrània. Record ara mateix el “Ciutat de Mallorca” que posteriorment seria substituït pel “Ciudad de Tenerife” i unitats semblants, ja molt més grans i còmodes.

Una de les primeres coses que fèiem en arribar era anar al Museu del Puig des Molins, perdre’ns enmig de l’art immens de la civilització púnica i romana… Més tard anàvem a la recerca de la casa on romangueren amagats Rafel Alberti i María Teresa León quan esclatà la sublevació feixista pel juliol del 36…

Record que una de les primeres guies que vaig llegir referents a Eivissa va ser aquella tan famosa de Josep Pla editada per “Destino” en el febrer de l’any 1950. Per cert que aquest llibre em va desaparèixer, com a tants d’altres, en temps de la transició quan la nostra biblioteca particular era sovint “nacionalitzada” per companys sense gaire manies. Aquests companys mai no se’n recordaven de tornar volums que per a nosaltres eren molt apreciats. Doncs, be: com dèiem, Josep Pla, el famós escriptor -tan franquista ell, tan reaccionari però alhora tan bon prosista- explicava en la guia que comentam el seu viatge a les Illes (Mallorca, Menorca, Eivissa i Formentera) a finals dels quaranta. Aquesta guia portava per títol Guia de Mallorca, Menorca e Ibiza i posteriorment em faig poder fer amb l’edició del 1970, també de “Destino”, crec que al cap de poc que sortís.

Josep Pla es dolia, parlant de la civilització púnica, dels robatoris i destruccions fetes pels àrabs (i altres pobles entre els quals podríem parlar també dels cristians) que, a la recerca de joies i objectes de valor, feren malbé les tombes dels antics pobladors de l’illa germana.

He obert l’original del poemari guardonat [Rituals] i de sobte he ensopegat amb un poema començat a perfilar l’any 1972 a un baret de Sant Carles. En el fons no podem defugir el ressò de la vida que hem viscut, els ecos provinents dels esdeveniments que més ens han sobtat. Rellegesc aquesta pàgina i, com un sobtat llampec, em torna a la memòria el blau-verd de la mar eivissenca en aquells anys juvenils:

I si hi mires / dins del blau de la mar, / hi pots veure les pedres del fons, / petxines, / exèrcits de peixos, / talment un planeta gran, / inabastable com la mateixa terra. / Reialme perfecte del silenci / on moltes nits de lluna plena / ens hi submergíem en haver llegit / Durrell, els antics poetes grecs. / Contemplant la posta de sol, / sempre nova, / rutilant, / ens enfonsàvem en la darrera tebior / de l’horabaixa per art de màgia i encantament. / Malefici dels dies finals. / Esdeveníem, per uns moments, / antics guerrers de periclitades batalles. / Ens perdíem dins les ones / per tornar a ressorgir de nou a la vida, / nus, / xops d’estrelles.

Un somni aquest, el de “ressorgir de nous a la vida, nus, xops d’estrelles”, que a l’estiu de 1969, a Formentera, s’encarregava d’anihilar el representat de la dictadura franquista a l’iIlla. Algú recorda al tenebrós sergent Langa, de la Guàrdia Civil? Jo en vaig sentir parlar en aquells anys. Fins i tot hi hagué una petita denúncia a la revista Triunfo. Però el nom, com tantes d’altres coses, s’havia esborrat de la meva memòria fins que els amics Joan Cerdà i Rosa Rodríguez me l’han recordat en llegir el seu llibre La repressió franquista del moviment hippy a Formentera. 1968-1970 (Res Publica Edicions, 1999). Jo era a la pàgina tretze del llibre quan, de cop i volta… vet aquí el nom de Langa! Diuen els autors: “De tota manera, no hi ha acord sobre les xifres de hippis a Formentera aquell estiu. Una nota confidencial enviada pel capellà de Sant Ferran al Govern Civil hom parla de fins a 700 hippis a l’estiu de 1968, citant com a font el sergent Langa, l’home que, segons el clergue, ‘limpió’ Formentera. Gràcies a la tasca d’informador policíac d’aquest capellà, sabem que el sergent Langa arribà a Formentera en comissió de servei; va clausurar 19 cases llogades a hippis i ‘como la ley no les amparaba para vivir acampados, ser vieron obligados a abandonar la isla'”.

Aquest llibre de Joan Cerdà i Rosa Rodríguez és el més interessant que he llegit darrerament sobre aquells anys. Ha estat el lliurament del I Premi de Poesia Illa de Formentera en homenatge a Marià Villangómez, la lectura de La repressió… el que m’ha tornat a la memòria l’ambient d’Eivissa i Formentera en aquell temps. En el capítol “Les Pitiüses, refugi de joves contestataris”, en Joan i na Rosa situen a la perfecció l’època, l’ambient estatal i internacional que servia per a bastir tot tipus de contestacions al sistema: “A l’estiu de 1968, arreu del món occidental, la revolta dels joves nascuts després de la segona guerra mundial fa trontollar les estructures de benestar assolides, sorgeix una generació que s’afirmarà marginant-se del poder institucional. A França, la societat està paint els Fets de Maig; als Estats Units, la qüestió racial té múltiples manifestacions, entre les quals destaquen l’eclosió dels Panteres Negres i l’assassinat de Martin Luther King; el clam contra la guerra del Vietnam esdevé tot un signe d’identitat contestatària. A Mèxic, el govern metralla estudiants. A l’Estat espanyol, el franquisme, a través de Carrero Blanco, adverteix la societat que les Forces Armades s’encarregaran d’acabar amb qualsevol intent d’alteració del sistema nascut de la insurrecció de juliol de 1936”.

És només un punt de la introducció però que marca molt bé alguns aspectes essencials de com era el món quan nosaltres, fugint per uns dies de les persecucions de la Brigada Político Social ens perdíem per Cala Tarida o Cala Vadella, per Cala d’Hort o per les casetes de Formentera, abans de l’allau turística del present. Ara bé, en desembarcar a la Sabina, després de passar prop dels freus i de l’illa de l’Espalmador, el primer que anàvem a veure eren les restes del Camp de Concentració de Formentera.

Evidentment ens seduïa el moviment hippi, però no érem hippis. Coneixíem diversos aspectes de la cultura dels EUA. Des de sempre ens havien interessant els seus escriptors, conèixer l’obra i la trajectòria vital d’autors compromesos com James Dalwin, Bernard Malamud, Arthur Miller, Mary Mac Carthy, Malcolm X, Susan Sontag, Edward Albee, Carson Mc Cukllers, Morman Mailler… entre un gran exèrcit d’intel·lectuals admirats. Jack Kerouac i Allen Ginsberg (malgrat totes les seves contradiccions) eren especialment estimats. En l’adoració pel cànem (cannabis) per part dels hippis hi havia molta assumpció de les teories, no solament d’Artaud, sinó de moltes de Paul Bowles, per exemple, o del mateix Allen Ginsberg. I els viatges, els llargs viatges iniciàtics a indrets llunyans a la recerca de cultures “no contaminades” per la societat de consum, hi podíem trobar (a part d’aquestes antigues influències de la pràctica d’Artaud en el món de les drogues) les novel·les de Kerouac (especialment En el camí). Era la moda de fumar kif, prendre peiot, fer-se addicte a la marihuana…

Són els anys en els quals, a part dels escriptors dels quals parlam, també anam a la recerca de l’obra de Pete Seggers, de Joan Baez, de Bob Dylan… La pellícula Easy Rider dirigida per Dennis Hopper i escrita, produïda i interpretada per Peter Fonda l’any 1969 descriu a la perfecció aquell temps. Easy Rider és ja un clàssic que encara avui esdevé una eficient arma intellectual per entendre aquella generació que produí, a part dels hippis, els lluitadors antisistema ianquis dels seixantes i començament dels setanta. Easy Rider és una seriosa crítica -ben pessimista, ben forta- al somni idealista del “flower-power”, alhora que va veure el profund reaccionarisme d’uns EUA que no accepten cap mena de canvi.

Crec que cap a 1970 teníem prou bagatge cultural per entendre d’on, des de quines coordenades intellectuals sorgia el moviment hippi (rebuig a la guerra del Vietnam i a l’imperialisme ianqui; enyorança d’un món més humà diferent del brutal materialisme capitalista; recerca de la poesia, retrobament de l’amor i de certes possibilitat de viure d’acord amb la naturalesa…). En aquell temps escoltàvem també els Beatles i ens delíem també per veure El submarí groc. No tot eren pel·lícules d’Eisenstein i Tziga Vertov o teatre de Beltolt Brecht i poesia de Neruda i Maiakovski en temps de la clandestinitat!

Tot allò era -no ho negaré ara- seductor, i per això hi havia certa dosi d’admiració envers aquells joves que provaven de rebutjar una brutal societat de consum que vivia, com els paràsits, a costa de la fam i la brutal explotació del Tercer Món.

Però tornem a Formentera, a aquelles enyorades arribades al port de la Sabina. En aquella època imaginàvem que de seguida que hi hagués democràcia, el primer que farien les forces antifeixistes seria retre un homenatge a tots els republicans morts per la reacció. Com ens erràvem! La consigna, els pactes entre pretesa “oposició” i el franquisme reciclat pel repartiment de sous i poltrones institucionals, es van fer damunt l’amnèsia històrica, damunt un pacte sagrat per oblidar la memòria antifeixista del nostre poble. Només fa uns mesos (any 2000) els sobrevivents de camp de concentració, vint-i-cinc anys després de la mort del dictador, i a iniciativa pròpia, han pogut retre un sentit homenatge als republicans assassinats pel feixisme.

L’eco dels nostres morts, dels torturats i assassinats en el camp de concentració de Formentera, també és ben present en el poemari Rituals. És complicat analitzar els difícils viaranys de la poesia, esbrinar motius, la causa exacta d’un pensament, d’una metàfora. Però jo sé ben cert que moltes de les idees que hi ha reflectides en el poema “Era el final” es congriaren en aquestes visites (camps de concentració, murs d’execució, presons de la dictadura on patiren i foren assassinats els millors fills i filles de la nostra terra:

“Era el final. / Les tropes desfilaven per les avingudes. / Definitivament, / amb el cor com un braser apagat, / perdut, / solcava l’aire per damunt d’uns rails irreals. / Ulmàries humides de rosada / i foscos roures sota la lluna d’ombres. / Màgia en salts d’aigua saturant paratges nostàlgics. / Ressonen cordes distants. / Pertot arreu corrua de presoners. / Ix dansa de boirines / mentre els actes més senzills esdevenen enganys. / Qui se’n recorda dels morts? / El seu eco retruny a través de l’esperit / com una gran endemessa eixorca. / Ara ja sabíem que cada pregunta, àdhuc la més senzilla, / contenia una amenaça. /.


(1) Parlar de Marià Villangómez és anar a la recerca d'alguns dels més estimats records ocults en els plecs de la memòria: la melangiosa presència d'Eivissa i Formentera regressa ara, potent, com una mar agitada per les més fortes onades. Recentment la consellera de Cultura Fanny Tur em comunicava que havia guanyat el I Premi de Poesia Illa de Formentera (juntament amb el poeta Bartomeu Ribas) en homenatge a Marià Villángómez. L'obra guardonada era Rituals. De sobte, els records referents a la influència de Marià Villangómez dins de la generació d'escriptors dels anys seixanta i setanta s'han acaramullat dins del meu cervell.

Un dia hauré d'analitzar a fons, cercant les arrels, la influència de la poesia de Marià Villangómez en algun dels meus poemaris (i concretament en aquest que ara ens ocupa, Rituals, publicat amb suport del Consell Insular d'Eivissa i Formentera per "Res Publica Edicions").

Joan Fuster, en el capítol "Notícia de les Illes, del País Valencià i del Rosselló" (Literatura Catalana Contemporània, pàgs. 254-260) deia, en parlar de la superació de l'"Escola Mallorquina" (tot situant el paper bàsic de Rosselló-Pòrcel en aquesta línia) que malgrat que de principi "els versos de Dolç i de Villangómez, en contrast amb els de Rosselló, semblaven assegurar la continuïtat de l''Escola'..." el cert és que, continua Joan Fuster: "L'evolució es precipita en uns anys, i canvia completament la fesomia del grup insular. Es pot observar en el procés seguit per l'obra de Miquel Dolç i per la de Marià Villangómez... els tres primers volums publicats per Marià Villangómez -Terra i somni (1948), Elegies i paisatges (1949), Els dies (1950)- continuen la línia tradicional de les Illes. Després, amb Els béns incompartibles (1954), i els llibres que el seguiren, Ceguesa de l'estel (1956), Sonets de Balansat (1956), La miranda (1958), El cop a la terra (1958), Declarat amb el vent (1963) etc., la seva poesia experimenta, també, una poderosa creixença interior i absorbeix estímuls intel·lectuals i ètics més profunds que els que eren habituals en l''Escola'".

Llompart de la Peña en el llibre Els nostres escriptors (Editorial Moll, 1996) confirma les opinions de Fuster quan diu parlant d'Elegies i paisatges (pàg. 242): "D'altra banda, l'aire, diguem-ne noucentista, del poeta eivissenc, és ben perceptible. Els plantejaments i els resultats són, emperò molt diferents. Aquella visió sentimental i sovint elegíaca del paisatge, que l'Escola Mallorquina havia convertit en recepta fàcil, tòpica i superficial, adquireix a la poesia de Marià Villangómez una categoria profunda i transcendent". En l'apartat "Nota sobre Marià Villangómez" del magnífic treball de Margalida Pons Poesia insular de postguerra: quatre veus dels anys cinquanta poden copsar la vital influència, en la poesia de Villangómez de Pedro Salinas, Jorge Guillén, García Lorca, Alberti i Cernuda. Influència, evidentment, que també podem trobar en Llompart de Peña, Blai Bonet i Jaume Vidal Alcover. Com diu Margalida Pons: "Si a aquests noms afegim els que apareixen a les seves versions de poesia estrangera (Pound, Rimbaud, Mallarmé, Valéry, Hardy i Laforgue, entre altres), l'escola postsimbolista es fa visible amb absoluta claredat".

Un dels poemaris de Villangómez que més m'impressionà en el seu moment va ser El cop a la terra (Editorial Moll, 1964). Un poemari del qual Josep M. Llompart havia escrit en Els nostres escriptors (pàg. 243): "El cop a la terra és el llibre on la visió del propi poble, del material humà del propi poble, troba una expressió més plena. La gent d'Eivissa, les vides anònimes, amb les seves alegries, les seves penes i els seus treballs, que donen fesomia pròpia a la col·lectivitat insular, hi són objecte d'una interpretació plena d'emoció i de bellesa".

De cop i volta, rellegint Terra i somni (1948), Elegies i paisatges (1949), Els dies (1950), Els béns incompartibles (1954), Sonets de Balansat (1956), La miranda (1958), El cop a la terra (1962) o Declarat amb el vent (1963), en tornaven a la memòria molts records: la presència sempre patent de Marià Villangómez en totes les nostres inicials provatures literàries dels seixanta i setanta; els viatges en temps de la clandestinitat quan fugíem per uns dies de la trista grisor ciutadana, de les persecucions de la tenebrosa Brigada Social (la policia política del règim franquista). Aleshores ens perdíem per les platges de Formentera -eren els anys dels hippis, de la brutal repressió contra els "barbuts de cabells llargs" i el "nudisme"- tot imaginant la possible existència d'un món més humà i llibertari. Era el temps d'arribar al port d'Eivissa amb aquells atrotinats vaixells antics de la Transmediterrània. Una de les primeres coses que fèiem en arribar era anar al Museu del Puig des Molins, perdre'ns enmig de l'art immens de la civilització púnica i romana amb un poemari de Marià Villangómez sota el braç.

Seria impossible, en un article tan curt, deixar constància escrita de tota l'obra del poeta eivissenc, de les traduccions de poesia que inclouen des dels sonets de Shakespeare a poetes com Keats, Baudelaire, Yeats i Dylan Thomas, entre d'altres. La importància cultural de Versions de poesia moderna (1971) i Recull de versions poètiques (1974) és prou evident. Dos volums en prosa, L'any en estampes i Llibre d'Eivissa situen Maria Villangómez com un prosistes d'excellent qualitat.

Com digué Tomàs Garcès (Pròleg a la Poesia de Marià Villangómez, dins Serra d'Or, núm. 114, març de 1969: 40-41): "Villangómez Llobet és, per damunt de tot, un poeta insular. Els seus llibres són, abans que res, llibres d'Eivissa, que ell ha descrit (Llibre d'Eivissa, L'any de les estampes) en una prosa acurada, elegant, exacta...)".

Marià Villangómez va rebre l'any 1989 el Premi d'Honor de les Lletres Catalanes. Abans, el 1955, havia guanyat un premi literari a Cantonigròs per Sonets a Balansat i el premi de la Crítica de Serra d'Or (Traducció, 1984) per Trenta-quatre poemes de W.B. Yeats i el Jaume Vidal Alcover de teatre, dels Premis Cavall Verd. Igualment va ser mereixedor del premi Crítica de Serra d'Or (1987) per Obres Completes. L'any 1989 obtingué el Premi d'Honor de les Lletres Catalanes.



          

Fran Hervías: el "señor Lobo" de Ciudadanos intenta resistir

 Cache   

Fran Hervías (Tossa de Mar, Girona, 1983) no quería irse y al final ha logrado quedarse, al menos durante unos meses, pese a haber anunciado su dimisión hace unos días como secretario de Organización en una sentida carta de despedida. El presidente del Consejo General, Manuel García Bofill, en su reunión de este sábado, ha decidido contar con él en la gestora que acaba de ser nombrada para preparar el próximo congreso extraordinario de marzo, en el que, salvo sorpresas, se entronizará a Inés Arrimadas como nueva líder de Ciudadanos.

Con solo 36 años el hasta ahora todopoderoso secretario de Organización de Ciudadanos anunció el lunes pasado que dejaba su cargo, al igual que antes lo habían hecho otros compañeros, empezando por el propio Albert Rivera, como consecuencia de la hecatombe sufrida en las elecciones generales del 10 de noviembre. 

Su marcha después de más de cinco años controlando con mano férrea los hilos de su área ejecutiva, causó más alivio que tristeza entre una militancia que desde hacía días exigía su cabeza y entre la que no cosecha muchas simpatías. Cuando todas las señales apuntaban hacia él, la propia dirección orquestó una campaña en su defensa a través de Twitter, según denunciaron grupos de afiliados. Esos movimientos de apoyo y las insinuaciones que había ido dejando caer los días anteriores en la red el propio Hervías apuntaban a que quería resistir en su puesto. Y de alguna manera así ha sido, aunque su resurgimiento de momento será por un breve periodo de tiempo, los cuatro meses escasos de mandato de la gestora, que se disolverá en marzo en cuanto haya sido elegida una nueva dirección. Su futuro quedará entonces en manos de Arrimadas.

De hecho, entre los dirigentes consultados son muchos los que no descartan que Hervías consiga también entrar en la nueva Ejecutiva de la jerezana, aunque sea en un área diferente de la que ha dirigido hasta ahora, o quizá como asesor. 

"Personalmente, estoy a disposición de mi partido para seguir aportando mi granito de arena, para que Ciudadanos siga siendo un partido fuerte, unido, con una única voz y anteponiendo siempre el interés de España y los españoles al de las siglas políticas. Juntos volveremos a conseguirlo", escribió en el que parecía su adiós. 

En el haber de Hervías queda la gran expansión territorial lograda por Ciudadanos desde que en 2015 Rivera decidió que era la hora de dar el salto definitivo a la política nacional. Él fue el encargado de articular la nueva estructura del partido y en un tiempo récord logró su implantación en casi todas las provincias españolas y en más de un millar de municipios. "Fran se recorrió España y se dejó la piel en su trabajo. El partido le debe mucho", recuerdaba uno de sus compañeros que el otro día le 'despedían' en Twitter. 

Pero también deja un amplio listado de víctimas. Apodado internamente "señor Lobo", por ser, como el personaje de la película Pulp Fiction, el encargado de 'limpiar' los desaguisados del partido y de apagar los fuegos internos, el hasta ahora número tres de Rivera siempre ha preferido estar en la sombra, como dictan los manuales de fontanería política. Desde ahí ha movido los hilos y ahora en estos meses los seguirá moviendo. Nadie mejor que Hervías controla la estructura orgánica de Ciudadanos y sabe lo que se 'cuece' en cada agrupación, sea grande o pequeña. Y esa seguirá siendo su tarea.

Un pasado de expedientes disciplinarios y polémicas primarias

Como colofón a sus años anteriores de mandato en la Ejecutiva, Hervías deja tras de sí un rosario de expedientes de expulsión y de sanciones a todo aquel que discrepaba o se salía de la senda marcada por el partido. A lo largo de estos años también ha tejido una red de peones que ha ido colocando por las agrupaciones, fieles a su persona. Muchos de ellos se han colocado en el punto de mira de los críticos, que siguen exigiendo dimisiones.

La página más negra de su trayectoria la escribió Hervías durante las últimas primarias convocadas por la dirección para elegir candidatos a las elecciones autonómicas. El caso más sonado fue el de Castilla y León, en donde el pucherazo para que ganara Silvia Clemente frente a Francisco Igea, y la sospecha de otros -aún sin aclarar- le colocó en una difícil tesitura. Su departamento y el de Garantías son los encargados de organizar y asegurar la limpieza del estos procesos, que por lo general han terminado envueltos en polémicas. Especialmente por culpa del sistema telemático elegido para las votaciones, que ha sido cuestionado y sigue siendo rechazado por los propios afiliados y por sectores críticos del partido, contra los que Hervías siempre se ha mostrado muy beligerante.

En Castilla y León el rastro de sospecha que ha quedado es apabullante porque nadie del entorno de Rivera escondía que su preferida era Silvia Clemente. El partido que presumía de venir a regenerar la política se encontró con una manipulación de los votos para favorecer a una candidata recién fichada del Partido Popular. Y nadie asumió ninguna responsabilidad. La gestión del escándalo no fue la tarea más fina del "señor Lobo".

Fran Hervías, un treintañero de la política, como tantos cargos de la dirección de Ciudadanos, nació en el municipio de Tossa de Mar (Girona), adonde su padre, guardia civil, fue destinado en pleno auge de ETA por lo que conoció el miedo a la banda terrorista. En Tossa trabajó unos años como meteorólogo tras licenciarse en Geografía y obtener un máster en Climatología Aplicada por la Universidad de Barcelona. Su hermano fue concejal de CiU mientras él se afiliaba a finales de 2006 a Ciudadanos participando junto a Rivera, Villegas y Girauta en sus inicios. Aunque Catalunya es su tierra natal, sus orígenes están también en Granada dado que sus padres son de Quéntar, un pequeño pueblo de aquella provincia con cerca de mil habitantes.

Diputado por Granada por sus vínculos familiares con la provincia

Ese vínculo familiar justificó que en las anteriores elecciones generales del 28A pasara de estar con Rivera en la lista por Madrid a encabezar por primera vez la candidatura de Granada, acta que sin embargo no consiguió revalidar el pasado 10N. Pese a su fracaso en la provincia, Hervías destacó el "éxito" cosechado por Ciudadanos en la localidad de origen de su familia.

También su mujer, Virginia Millán Salmerón, es andaluza, de Sevilla. Allí la conoció y allí se casaron siendo ya secretaria autonómica de Relaciones Institucionales del partido. Millán ha sido en las tres últimas elecciones candidata por Sevilla al Congreso. Pero por cuestiones de salud el 28A renunció a encabezar la lista. El pasado 10N iba como número dos, detrás de Pablo Cambronero, sin salir electa. 

Hervías formó parte de la comisión nacional de los pactos de Ciudadanos que el partido centró básicamente con el PP, etapa en la que se ganó fama de negociador algo "marrullero", según quienes le conocen en esa faceta, pero también "implacable". En base a esos pactos fue asimismo el artífice de que su compañero Luis Salvador se hiciera con el bastón de mando del Ayuntamiento de Granada después de unos complejos acuerdos que a día de hoy no están del todo aclarados. Y a él se atribuye también que Salvador renunciara a presentarse a las primarias para competir con Juan Marín por la candidatura a la Junta.

En Andalucía Hervías deja una larga cola de detractores. Tanto por los intentos de controlar el partido junto con su mujer y Mar Hormigos, la secretaria de Organización impulsada al cargo por él, como por las maniobras que para enchufar a algunos familiares. El caso más reciente, el de su cuñado, Javier Millán, en el Instituto Andaluz de la Juventud que depende de la Junta de Andalucía de la que ahora es vicepresidente Marín. 

La tensión de los últimos días le llevó el pasado viernes a suspender una reunión que había cerrado en Granada con los coordinadores y miembros de las Juntas Directivas, a la que estaban citados también los concejales y cargos públicos de toda la provincia.

Inicios como diputado en el Parlament de Catalunya 

El exsecretario de Organizacion fue entre 2015 y 2106 diputado en el Parlament de Catalunya. Pero, como Villegas, con el que siempre ha trabajado en equipo, y otros compañeros de filas quiso dar el salto al Congreso y recalar en Madrid en donde se afincó en el municipio de Las Rozas, donde sigue viviendo con su mujer. 

Escurridizo con la prensa -son contadas las entrevistas que ha ofrecido a lo largo de todo su mandato- Hervías se han granjeado la imagen de ser un dirigente autoritario y bastante desconfiado que, sin embargo, siempre se dirige a su interlocutor con una amplia sonrisa. 

Poco después de anunciar su dimisión, Arrimadas, le agradecía en Twitter los servicios prestados:  "Muchas gracias por todo, Fran. Has sido una pieza fundamental en Ciudadanos. Sin tu trabajo y dedicación hubiera sido imposible expandir y consolidar este gran proyecto. Seguiremos luchando por la libertad.¡Un abrazo fuerte!". Al poco, llegó un aluvión de mensajes similares de otros compañeros. 

Hervías se fue echando en su carta flores a Arrimadas. "Inés es la persona ideal para liderar este proyecto y conseguir grandes éxitos", le dijo. Pero Hervías no se va, se queda. Y quizá no sea para poco tiempo.


          

StudentFinance consigue la confianza de los inversores de Revolut para financiar la formación del talento digital en España

 Cache   

La fintech española StudentFinance, ha conseguido atraer la confianza de inversores internacionales para consolidar su sistema de financiación educativa basada en el ‘Acuerdo de Ingresos Compartidos’. Un apoyo que permitirá a la compañía continuar facilitando el acceso a la formación de habilidades tecnológicas en España. La compañía, que tiene como objetivo reducir la brecha de …

La entrada StudentFinance consigue la confianza de los inversores de Revolut para financiar la formación del talento digital en España aparece primero en MuyPymes


          

roupas em atacado direto do fabricante

 Cache   

 

conjunto-de-suplex-no-atacado.jpg

Essa é a melhor contribuição da Internet para todas as empresas e clientes de roupas. Como existem muitas pessoas que preferem fazer compras on-line, as empresas de vestuário por atacado aumentam bastante. Você pode se perguntar se as pessoas obtêm lucro com isso.

Existem inúmeras coisas necessárias para gerar renda por meio de pequenas empresas de roupas por atacado on-line, no entanto, tudo isso é fácil, desde que você saiba o que fazer. Em primeiro lugar, as roupas por atacado on-line tinham que ter uma rede de acesso de alta velocidade. Esta é a primeira coisa que você precisa ter nesta ferramenta será a sua organização. Este é o local onde você colocará e venderá seus itens atuais e também será onde os clientes comprarão de um indivíduo.

Depois de terminar de configurar sua web, você decide se deseja oferecer suas roupas em seu próprio site ou no eBay. Se você quiser vendê-lo em seu site, escolha o site que você ganhou, se preferir, para o eBay, conclua todas as necessidades necessárias. A próxima coisa que você deve fazer é sempre encontrar fornecedores por atacado que possam fornecer a roupa que você precisa para vender. Existem atacadistas que podem fornecer roupas baratas. Você deve ter em mente lidar com fabricantes confiáveis ​​e legítimos para não encontrar e preparar seu capital digno. Se você precisar de um fornecedor confiável e confiável, navegue até o site, pois ele possui muitas empresas confiáveis.

Em seguida, o último é para tirar fotos atraentes de suas coisas, em seguida, postá-lo visando o seu site no atacado de roupas então contê-lo com informações completas sobre o determinado item. Para que você possa ter muitos clientes, ofereça suas roupas a um preço razoável para que elas possam pagar. Nunca pretenda oferecer roupas a preços mais altos, pois os compradores definitivamente não conseguirão suas roupas. Com essas técnicas fáceis para definitivamente lucrar abundantemente dentro de sua empresa de roupas por atacado on-line. Basta aplicar essas técnicas quando você iniciar o seu negócio e realizar o seu melhor para torná-lo mais bem-sucedido, acabar comprometido e focar profundamente o seu negócio. Com esse tipo de empresa, você definitivamente receberá um pote referente à renda do ouro.


          

La Embajada de la República Saharaui es invitada por el decano del cuerpo diplomático en Panamá, el Sr. Miroslaw Adamczyk

 Cache   

Diario La Realidad Saharaui/24/11/2019
La Embajada de la República Saharaui es invitada por el decano del cuerpo diplomático en Panamá, el Sr. Miroslaw Adamczyk. Protocolo donde fue recibido por el Canciller y vicecanciller panameños, el encargado de negocios saharaui en Panamá.
Ciudad de Panamá. Gabinete prensa de la Embajada de la República Saharaui. El pasado viernes 22 de noviembre de 2019 el decano del cuerpo diplomático acreditado en Ciudad de Panamá, y que representa la Santa Sede del Vaticano el Sr. Miroslaw Adamczyk invitó al ministro de relaciones exteriores Sr. Alejandro Ferre López y al viceministro Federico Alfaro Boyd para un almuerzo con el cuerpo diplomático acreditado en la capital panameña.
A este acto también fue invitado el encargado de negocios de la Embajada de la  República Saharaui Democrática, el Sr. Hasana Ahreyim. El encuentro diplomático según la embajada saharaui pretende afianzar y consolidar la amistad, cooperación y la solidaridad entre el gobierno de la República de Panamá a través de su ministerio de exteriores y los países miembros acreditados en el país centroamericano.
Las relaciones diplomáticas y de amistad entre Panamá y la República Saharaui, datan de los años setenta. Panamá fue uno de los primeros países latinoamericanos que reconoció a la República Saharaui y abrió una embajada que representa los intereses políticos y comerciales con el gobierno y pueblo panameño.

          

La Junta ofertará 1.622 plazas para consolidar contratos temporales

 Cache   
El Gobierno regional y los sindicatos pactan que la fase de concurso contabilice un 40% de la nota para dar facilidades a los empleados actuales
          

Quarto acolhedor para alugar em apartamento de 3 quartos perto da praia em...

 Cache   

O amante do oceano * _Porque a praia está bem ali._ * Eu vou gostar daqui? * Definitivamente. Se preferir sentir a areia entre os dedos dos pés e a brisa do mar no seu cabelo do que lidar com o trânsito e os turistas, em seguida, fugir para o...
3 dormitórios 100 m2 garagem
Thu, 06 Jun 2019 13:34:23 -0400
          

Rezolvarea laturii civile în cazul infracțiunilor contra vieții sau integrității corporale sau sănătății în ipoteza existenței sau nu a unui asigurător – poliță RCA sau malpraxis – răspunderea în solidar a autorului infracțiunii singur sau alături de asigurător

 Cache   
În cazul infracțiunilor contra vieții sau integrității corporale, de cele mai multe ori, alăturat laturii penale a cauzei, instanța de judecată este învestită cu latura civilă. O particularitate există în cazul infracțiunilor de ucidere din culpă sau vătămare corporală din culpă rezultate în urma accidentelor de circulație. În cazul acestora, de regulă, față de obligativitatea […]
          

cobrar con gloria

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.   Nombre de Usuario o E-mail Contraseña * Recuérdeme     Olvidó la Contraseña

La entrada cobrar con gloria se publicó primero en Mariana Patino.


          

Taller de Manifiesta una nueva historia

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada Taller de Manifiesta una nueva historia se publicó primero en Mariana Patino.


          

3 fases para desarrollar tu multinivel

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada 3 fases para desarrollar tu multinivel se publicó primero en Mariana Patino.


          

Tu mentalidad y tu negocio

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada Tu mentalidad y tu negocio se publicó primero en Mariana Patino.


          

6 pilares de tu negocio

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada 6 pilares de tu negocio se publicó primero en Mariana Patino.


          

Hazte amiga de la organización y eleva tu productividad

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada Hazte amiga de la organización y eleva tu productividad se publicó primero en Mariana Patino.


          

¿Cómo vender mis asesorías?

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada ¿Cómo vender mis asesorías? se publicó primero en Mariana Patino.


          

¿Cómo puedo convencer a mi cliente para que me compre?

 Cache   

¡Hola! Para ingresar a este contenido es necesario realizar el pago correspondiente. Si ya realizaste tu pago, por favor contáctanos para validar tu acceso.  

La entrada ¿Cómo puedo convencer a mi cliente para que me compre? se publicó primero en Mariana Patino.


          

El Gobierno de Castilla-La Mancha intensifica sus contactos internacionales para consolidar el objetivo 2020 del peso de la industria en su PIB

 Cache   
El Gobierno de Castilla-La Mancha intensifica sus contactos internacionales para consolidar el objetivo 2020 del peso de la industria en su PIB
El Gobierno de Castilla-La Mancha intensifica sus contactos internacionales para consolidar el objetivo 2020 del peso de la industria en su PIB
El Gobierno de Castilla-La Mancha intensifica sus contactos internacionales para consolidar el objetivo 2020 del peso de la industria en su PIB

          

Google começa a testar nova funcionalidade de validação das SMS

 Cache   

android messagens

A Google começou a testar uma nova funcionalidade para a sua aplicação de Mensagens no Android, que poderá ajudar os utilizadores a evitarem ser vitimas de esquemas de spam ou phishing por intermédio de mensagens SMS.

 A nova funcionalidade encontra-se a ser disponibilizada apenas nos EUA, mas pretende ser uma forma de travar as mensagens SMS maliciosas enviadas para os utilizadores.

Com a nova funcionalidade de SMS Verificadas, a aplicação de mensagens irá analisar os números de telefone dos remetentes das mensagens e validar se correspondem aos contactos legítimos das empresas. Com isto torna-se mais difícil para ataques de spam poderem adulterar o remetente das mensagens.

A funcionalidade irá analisar os números de telefone e confirmar se estes estão associados com a empresa que dizem ser. Em caso negativo, a mensagem será classificada automaticamente como Spam pela app. A funcionalidade encontra-se ativa por padrão nas mais recentes versões, mas infelizmente apenas se encontra disponível para os EUA. Não existe uma confirmação de quando a funcionalidade será integrada noutros países.

validação mensagens sms

Em Portugal, as mensagens SMS de spam e phishing tem vindo a ser cada vez mais distribuídas, com novos casos a serem reportados praticamente todos os dias, sobre as mais variadas empresas de renome no pais.


          

JxCat aumenta la presión sobre ERC para condicionar las negociaciones de la investidura de Sánchez

 Cache   

Junts per Catalunya no está invitada a la reunión que este jueves mantendrán los equipos de ERC y el PSOE, pero eso no significa que los de Laura Borràs piensen renunciar a influir sobre el encuentro. La formación ha aumentado las exigencias y consideran que el president de la Generalitat debería participar en la futura negociación entre gobiernos que reclaman sus socios para facilitar la investidura de Pedro Sánchez. En las últimas horas tanto JxCat como el propio Govern han subido el listón de las condiciones, redoblando la presión sobre ERC, que trata de incluir a sus socios en el acuerdo con el PSOE.

Las peticiones de los republicanos quedaron fijadas al inicio de la semana, primero con un artículo de su líder, Pere Aragonès, y después con una consulta a las bases que avalaron masivamente la posición de la dirección. ERC reclama que el PSOE se comprometa a establecer, tras la investidura, una mesa de negociación entre los gobiernos catalán y español, en la que se pueda hablar de cualquier asunto –incluida la amnistía y la autodeterminación– y con un calendario prefijado.

Centrados en estas reivindicaciones, los republicanos han querido mostrar flexibilidad en el resto de cuestiones. Los de Aragonès, por ejemplo, no creen que sea necesario exigir que en esa eventual mesa participen los presidentes de los respectivos gobiernos, ni tampoco creen que ahora haya que pedir un "relator", controvertida figura arbitral que, hace un año, hizo estallar la vía iniciada en Pedralbes. Los republicanos sí consideran que sería positivo que Sánchez reconociera a Torra como interlocutor, pero admiten que esto puede dejarse para después de la investidura.

Pero en JxCat las cosas se ven de forma muy diferente. Para empezar, Borràs reclamó el pasado lunes que el PSOE se abriera a la interlocución no solo con Torra, sino también con Carles Puigdemont como líder de su formación. Además volvió a meter en el debate la figura del relator, que en su opinión debe ser un mediador internacional. Posteriormente el Govern se reafirmó en una opinión similar por boca de la consellera portavoz, Meritxell Budó, que indicó que la figura del mediador debe estar sobre la mesa si hay negociación con el Gobierno. Finalmente, este miércoles ha sido el propio Torra quien se ha reivindicado como interlocutor y ha apuntado que como president debería estar en una mesa entre gobiernos, a la vez que ha pedido que Pedro Sánchez también asista.

"Queremos soluciones y un diálogo, pero un diálogo serio y con contenido" ha asegurado Torra ante el Parlament. En su opinión, lo debe aceptar el PSOE es "un diálogo de gobierno a gobierno en el que los presidente de los gobiernos se reúnan". En los pasillos de la Cámara, Borràs ha subrayado que no hay negociación bilateral entre gobiernos que pueda hacerse sin el concurso de su formación y del president de la Generalitat.

Los requisitos agravados que impone la formación posconvergente no tienen una especial trascendencia para la formación de una mayoría parlamentaria en el Congreso. Tras el pacto con Unidas Podemos y contando con el apoyo del PNV y otras formaciones autonómicas, Sánchez solo necesita una abstención de ERC para revalidar la presidencia. Sin embargo, los republicanos aspiran a votar lo mismo que sus socios para evitar que estos capitalicen ante el electorado independentista un posible bloqueo a la investidura.

Los republicanos, por esa razón, se han movido en las últimas semanas para tratar de consensuar una postura común, no solo con JxCat sino también con los anticapitalistas de la CUP y con los independentistas vascos y gallegos de Bildu y BNG. Por lo que respecta a sus socios en el Govern, ERC se comprometió a informarlos del contenido de los contactos que mantuvieran con el PSOE. Pero en esta recta final hacia el inicio de las negociaciones, ha quedado patente que las dos principales formaciones del independentismo catalán ven de forma muy diferente la investidura y su rol a jugar en ella.

En la dirección de ERC mantienen su apuesta por tratar de arrastrar a JxCat hacia la abstención, algo que creen poder conseguir si el PSOE acepta una mesa de gobiernos. No obstante, en el partido ya piensan en la posibilidad de ser los únicos independentistas que se muevan del 'no', con el posible desgaste electoral que eso supondría. En el otro lado de la balanza, sostener un gobierno de Sánchez y Unidas Podemos pondría al alcance de su mano otra cuestión importante para ellos: la mayoría en la cámara catalana para aprobar los presupuestos autonómicos, para los que necesitan el voto de los Comuns.


          

Prazo para renovar contrato do Fies termina neste sábado

 Cache   
Aditamento dos contratos acontece semestralmente. O primeiro prazo para a renovação era até 31 de outubro, mas foi prorrogado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Prazo para renovação do Fies termina neste sábado (30) Termina neste sábado (30) o prazo para estudantes que têm contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) firmados até o segundo semestre de 2017 renovarem o financiamento. Primeiro, o pedido de aditamento é solicitado pelas instituições de ensino. Depois, os alunos devem validar as informações inseridas pelas faculdades no Sistema Informatizado do Fies (Sisfies). O aditamento dos contratos acontece semestralmente. O primeiro prazo para a renovação era até 31 de outubro, mas foi prorrogado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). São dois tipos de aditamento: o simplificado, que pode ser feito pela internet, e o não simplificado, que requer ida a uma agência da Caixa Econômica Federal ou do Banco do Brasil. Vale lembrar que os contratos firmados a partir de 2018 – Novo Fies – têm prazo de aditamento definido pela Caixa. Casos de aditamento simplificado renovação do financiamento com acréscimo no valor da semestralidade, definida no momento da contratação, considerado o índice de reajuste, nos termos do § 1º do art. 58 desta Portaria, sem acréscimo no limite de crédito global do financiamento; transferência de curso ou de instituição de ensino superior sem acréscimo no limite de crédito global; suspensão do período de utilização do financiamento; aumento do prazo remanescente para conclusão do curso sem acréscimo no limite de crédito global do financiamento; majoração da coparticipação do estudante no contrato de financiamento. Casos de aditamento não simplificado alteração do CPF ou do estado civil do estudante ou do(s) fiador(es) do financiamento; substituição ou a exclusão de fiador(es) do contrato de financiamento; inclusão de fiador(es) no contrato de financiamento; alteração da renda do(s) fiador(es) do financiamento; acréscimo no valor do limite de crédito global do contrato de financiamento; transferência de curso ou de instituição com acréscimo no limite de crédito global ou alteração do prazo de conclusão do curso; Renegociação Apenas 2% dos estudantes em dívida com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) fecharam acordos para parcelar os pagamentos em atraso. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o governo federal conseguiu renegociar um total de R$ 354 milhões, ou 14% das dívidas acumuladas. Ao todo, 567 mil ex-alunos atendiam aos requisitos para aderir ao programa de renegociação anunciado no ano passado. Eles financiaram R$ 12 bilhões por meio do Fies, sendo que R$ 2,5 bilhões já venceram e ainda não foram pagos. No Fim das Contas, estudante tem que planejar gastos para pagar dívida com o FIES Para renegociar a dívida era preciso estar, até o segundo semestre de 2017, na fase de amortização da dívida e ter atraso de pelo menos 90 dias no pagamento. De acordo com o MEC, apenas 11,5 mil concluíram a renegociação, que exigia o cumprimento da contrapartida de depositar o valor da entrada até 10 de outubro, fim do prazo de adesão. Pelas regras do programa, a entrada equivale ou a 10% do saldo da dívida ou R$ 1 mil, o valor que for mais alto. Os estudantes que fizeram o pagamento poderão ter sua dívida parcelada em valor mensais de pelo menos R$ 200.
          

Unicamp aprova criação de novo curso para o vestibular 2021: licenciatura em teatro

 Cache   

Serão ofertadas 25 vagas no período noturno e os candidatos terão de enfrentar três etapas para o ingresso: vestibular, prova prática e entrevista. Vista aérea do campus da Unicamp, em Campinas (SP) Reprodução/EPTV A Unicamp anunciou a criação de um novo curso a partir do vestibular 2021: licenciatura em teatro. A decisão foi aprovada pelo Conselho Universitário (Consu) e divulgada nesta quinta-feira (28). Serão ofertadas 25 vagas no período noturno e os candidatos terão de enfrentar três etapas para o ingresso: vestibular, prova prática e entrevista. Em nota, o coordenador da graduação em Artes Cênicas da Unicamp, Rodrigo Spina, destaca que o curso "surge de uma demanda antiga dos próprios estudantes", já que a região não possui instituições com licenciatura na área. O curso funcionará no Instituto de Artes (IA) e segundo o coordenador terá muita prática, "propiciando ao futuros professores que entendam o fazer teatral pelo próprio jogo cênico". Segundo a Unicamp, o novo curso está em concordância com a inclusão de artes no currículo da educação básica, pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), e que fixou prazo de cinco anos para que os sistemas de ensino promovam a formação de professores. À Unicamp, Spina defende que a expansão do ensino de teatro trará um "impacto positivo" na sociedade. “A questão da intolerância e dicotomias sociais está muito pronunciada na contemporaneidade e o fazer teatral, que tem a alteridade em sua constituição, poderá trazer um impacto muito positivo para futuras gerações, ao fazer com que o indivíduo em sua formação aprenda a lidar com as diferenças a partir de seu próprio corpo.” Área de atuação Ao anunciar o novo curso, a Unicamp informa que os futuros professores poderão trabalhar em escolas, cursos técnicos em teatro e cursos superiores, "atuando na preparação, planejamento, execução e avaliação das atividades teatrais", além de organizar atividades como mostras e eventos culturais, bem como empreender e gerenciar negócios na área. Veja mais notícias da região no G1 Campinas
          

Revalida será aplicado em 2020 e custo de inscrição será de até R$ 3,6 mil, diz MEC

 Cache   
Universidades privadas poderão aplicar o exame. Última prova ocorreu em 2017 e governo avalia que cerca de 15 mil médicos formados no exterior aguardam a revalidação do diploma. O Ministério da Educação (MEC) afirmou nesta quinta-feira (28) que será aplicada em 2020 uma nova edição da prova do Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira). A última vez que o exame ocorreu foi em 2017 e o governo avalia que cerca de 15 mil médicos aguardam para revalidar os diplomas. O anúncio do MEC ocorre no dia seguinte em que os senadores aprovaram um projeto de lei que institui o Revalida. Pela proposta, o Revalida será aplicado semestralmente, e o edital será publicado 60 dias antes da realização do exame escrito. A prova será realizada em duas etapas: exame teórico e exame de habilidades clínicas. De acordo com o texto aprovado, os custos da realização do Revalida serão cobrados dos inscritos. O candidato reprovado na segunda etapa estará habilitado para realizar o exame nas duas edições seguintes, sem a necessidade de fazer a primeira etapa novamente. "Estamos querendo começar a fazer aplicar o mais rápido possível, então estamos querendo aplicar a primeira prova no primeiro semestre e a segunda no segundo semestre", disse o ministro. A novidade da proposta é que faculdades privadas com avaliação 4 e 5 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) também poderão participar do programa. Atualmente, somente universidades públicas podem aplicar a prova. Além disso, o MEC anunciou mudanças no valor a ser pago por quem presta o exame. Na primeira fase, o candidato pagará o equivalente a 10% do valor mensal da bolsa do médico-residente, valor de R$ 330. Já na segunda etapa, o valor será de R$ 3,3 mil. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, o novo valor é menor do que o antigo Revalida, e que antes cada participante aprovado custava R$ 9,5 mil. O secretário de Educação de Ensino Superior do Ministério da Educação, Arnaldo Barbosa, explicou que pequenas mudanças serão feitas em relação a matérias inclusas dentro da prova, como a matéria de saúde mental. “É uma mudança necessária nos tempos atuais”, afirmou. O governo estudo a realização da prova digital, em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (unifesp), Universidade Federal do Ceará e National Board Medical Examiners. "No futuro, se o candidato tiver uma nota boa no Revalida, ele poderá ter uma boa bolsa nos programas de residência", explicou secretário Arnaldo Barbosa. (*Sob supervisão de Ardilhes Moreira)
          

AWS expands DeepRacer league, intros new Evo autonomous mini race car

 Cache   
The new DeepRacer Evo car adds more ways to study reinforcement learning with a new stereo camera and LIDAR sensor.

          

Comentário sobre Soft Skills: habilidades que destacam profissionais por Marcos Antonio Silva

 Cache   
acho interessante como em alguns momentos alguém escreve sobre determinados temas sem a devida sustentação teórica e isso se torna viral a ponto de muitas pessoas comprarem livros, palestras, treinamentos , etc. Um breve olhar na ciência cognitiva ou apenas na educacional já seria suficiente para provar que a teoria apresentada não tem a menor base científica para se sustentar. há uma confusão de conceitos de diferentes linhas de pensamento aqui. Note que dizer que o conceito não se sustenta não significa dizer que as empresas não precisam. Vou dar um exemplo: equilibro emocional aparece no texto como uma soft skill. E como tal é descrita como sendo difícil de ser avaliada e também que não pode ser adquirida a partir de capacitação técnica. Muitos profissionais tem treinamento em seus cursos para lidar com suas emoções em situações diversas , de médicos a policiais. Na educação infantil ensinamos crianças a lidar com suas emoções. Outro exemplo interessante de soft skil é a " boa comunicação". Vou ligar para uma amiga agora que desenvolve treinamento em diversas empresas exatamente sobre práticas de boa comunicação e retórica para parar tudo. Alguém aqui já apresentou um seminário ou viu uma palestra? não sabemos exatamente quando alguém não apresentou o tema se forma satisfatória? Não é tão difícil assim avaliar o que dá certo e o que não dá no processo de comunicação. E sim, é possível treinar e ser um comunicador melhor. E para fechar podemos falar de colaboração. neste momento estou pensando em toda as aulas de empreendedorismo que já dei onde ensino os alunos a trabalhar em equipe ou grupos criativos. concluindo, acho que este é um destes temas da moda que precisam ser melhor aprofundados a luz da ciência .
          

Teensy 4 and LidarLite V3 3d Scanning.

 Cache   
Recently have been getting back into robotics and started playing again with using LIDAR for obstacle avoidance and 3d Room Scanning. Experimented...
          

VAGA RECEPCIONISTA E PEDREIRO

 Cache   
Pedreiro Descrição de atividades: Irá atuar como Pedreiro. Realizar serviços de alvenaria e acabamento. Requisitos: Disponibilidade para viagens e horas extras. Ensino fundamental Desejável residir em Contagem/ Betim. Interessados enviar currículo para recrutamento20144@hotmail.com Assunto: Pedreiro Recepcionista Descrição de atividades: receber e transferir ligações no pabx, arquivar documentos, lidar com o público em geral e atender […]
          

Como validar se minha página é Mobile Friendly

 Cache   

Conheça importantes questões que vão além do Design Responsivo para que seu site seja amigável com os dispositivos móveis.


          

AWS expands DeepRacer league, intros new Evo autonomous mini race car

 Cache   
The new DeepRacer Evo car adds more ways to study reinforcement learning with a new stereo camera and LIDAR sensor.
          

Cuba y Corea del Norte acuerdan consolidar la cooperación en Salud Pública

 Cache   

Los Ministerios de Salud Pública de Cuba y Corea del Norte acordaron consolidar el intercambio y la cooperación en el marco de la visita de la ministra Oh Chun Bok, la primera que realiza a la Isla un titular de la cartera sanitaria del país asiático, informaron este miércoles medios estatales. El ministro de Salud […]

La entrada Cuba y Corea del Norte acuerdan consolidar la cooperación en Salud Pública se publicó primero en OnCubaNews.


          

Más de 70 emprendedores de San Pedro Sula participaron en el i7 Day 2019

 Cache   

precios. La gasolina superior tendrá un alza de 8 centavos y la  gasolina regular subirá 26 centavos.

San Pedro Sula, Honduras.

Más de 70 emprendimientos y 400 personas de la zona norte de Honduras participaron en la segunda edición del i7 Day del Instituto Hondureño de Ciencia, Tecnología y la Innovación (Ihcieti).

El evento reunió a los emprendedores de la zona norte que han participado en Honduras Start Up donde recibieron capacitaciones a través de talleres y conferencias magistrales para seguir formándose y desarrollando sus proyectos tecnológicos.

Los talleres fueron impartidos por 12 emprendedores exitosos hondureños que hablaron de temas de desarrollo de videojuegos, aplicaciones, las tendencias tecnológicas, como tener modelos de negocios, manejo de redes sociales y experiencias virtuales.

Los niños también disfrutaron de la zona de videojuegos.

Carlos Valdiviezo, cofundador de Finde, manifestó que como emprendedores exitosos están transmitiendo experiencias para ayudar a crecer a otros proyectos.

“El Honduras Start Up nos ha permitido convertirnos en una empresa más sólida, nos dio las herramientas para crecer y consolidar a la empresa”, dijo Valdiviezo.

Gerardo Flores, vocero de Honduras Start Up, explicó que el i7 Day es parte de la Start Up Academy que está formando a los emprendedores.

Flores detalló que cuatro expertos internacionales brindaron las conferencias magistrales con cuatro temas: eSports, cómo cambiar el mundo con tecnología, el fracaso en los emprendimientos e inteligencia artificial.

Edson Araúz, costarricense, habló de cómo los jóvenes están generando entre 2,000 y 40,00 dólares a través de los videojuegos en torneos profesionales.

Parte del objetivo del Honduras Start Up era incentivar a jóvenes y niños a conocer la tecnología de realidad virtual para que empiecen a crear nuevas ideas.

Mateo Salvato, conferencista argentino de 20 años, brindo la conferencia de cómo se puede cambiar el mundo con la tecnología.

Salvato ganó con 16 años el mundial de robótica y a través de sus experiencias incentivó a los jóvenes a empezar a crear proyectos para sus comunidades que ayuden a transformar su entorno con la tecnología.

Además de los talleres y conferencias, el i7 Day ofreció al público zonas de realidad virtual, videojuegos y estands promocionando los emprendimientos locales.


          

Fácil de lidar Shirtinstyle Shirt in Style T-Shirt Que Jaime Darmstadt ta Ville Ville Edition culte Lieblingsstadt Tailles S-XXXL bleu clair ISkea

 Cache   
Fácil de lidar Shirtinstyle Shirt in Style T-Shirt Que Jaime Darmstadt ta Ville Ville Edition culte Lieblingsstadt Tailles S-XXXL bleu clair ISkea
  • Encolure de couleur similaire
  • Col rond avec coton
  • T- Shirt Valueweight
  • disponible en plusieurs couleurs et de taille s-xvxl DISPONIBLE


acheter
          

Destaca Nicolás Maduro legado histórico de Fidel Castro

 Cache   

Nicolás Maduro, presidente de Venezuela, destacó hoy en la red social Twitter la lucha de Fidel Castro para consolidar la igualdad, la unidad y la autodeterminación del pueblo cubano.


          

El Consell de Eivissa apuesta en Valencia por consolidar la isla como destino deportivo

 Cache   
El Consell de Eivissa apuesta en Valencia por consolidar la isla como destino deportivo

Los ocho eventos deportivos más importantes de la isla realizarán una promoción turística conjunta en todo el mundo con el respaldo del Consell Insular de Eivissa

Las pruebas que conforman este calendario deportivo son: Ibiza Marathon, Ruta de la Sal, Vuelta a Ibiza MTB, Ibiza Media Maratón, Vuelta Cicloturista a Ibiza Campagnolo, Ibiza Trail Maratón, Ibiza Half Triathlon y 3 Días Trail Ibiza

El Consell Insular de Eivissa ha presentado su firme apuesta por consolidar la isla como destino de eventos deportivos, para lo que realizará un trabajo de promoción e impulso conjunto a un total de ocho pruebas de gran calado en Ibiza. Esta selección de eventos más representativos vertebra el nuevo modelo de turismo deportivo para desestacionalizar la actividad económica de la isla de los meses de verano. Todos ellos se promocionarán internacionalmente, mostrando las cualidades y potencial de Ibiza como escenario idílico para la realización de eventos deportivos a través de las diferentes pruebas asentadas en la isla.

Los eventos deportivos han sido seleccionados con criterios que responden a la calidad organizativa, el impacto turístico, el impacto económico y social y los niveles de participación de los mismos. Estas pruebas, además, garantizan una experiencia global de ocio, deporte, turismo, gastronomía y cultura. Por ello, están en trámite de ser reconocidos los ocho como Eventos de Interés Turístico Insular. En ese sentido, según un el estudio de la Universitat de les Illes Balears (UIB) estas ocho pruebas deportivas generaron un impacto económico en la isla de 13,15 millones de euros en 2018.

El conseller de Deportes y Juventud del Consell Insular de Eivissa, Salvador Losa, ha presentado durante la Feria del Corredor del Maratón de Valencia, evento deportivo de referencia en Europa, las ocho pruebas que conforman este calendario de pruebas: Ibiza Marathon (4 de abril de 2020), Ruta de la Sal (9 al 12 de abril de 2020), Vuelta a Ibiza MTB (10 al 12 de abril de 2020), Ibiza Media Maratón (2 de mayo de 2020), Vuelta Cicloturista a Ibiza Campagnolo (10 al 12 de octubre de 2020), Ibiza Trail Maratón (18 de octubre de 2020), Ibiza Half Triathlon (25 de octubre de 2020) y 3 Días Trail Ibiza (27 al 29 de noviembre de 2020). A ello se añade que Ibiza será sede del Campeonato del Mundo de Triatlón Multideporte 2022.

Al acto han acudido, además del conseller Losa y el director insular de Turismo, Juan Miguel Costa, la concejala de Turismo del Ayuntamiento de Eivissa, Desirée Ruiz, el concejal de Deportes de Santa Eulària des Riu, Toni Ramón y el concejal de Turismo de Sant Antoni de Portmany, Miquel Tur. También han participado en la presentación los organizadores Francisco Larrey de la Ibiza Marathon, Juan José Planells, de la Vuelta a Ibiza MTB y la Vuelta Cicloturista, Matías Navas, de la Ibiza Trail Maratón y Andoni Valencia de la Ibiza Half Triathlon y el Triatlón de Ibiza. Además, han estado presentes atletas como Martin Fiz, campeón de Europa y del Mundo en los años 90, la atleta Tama Sanfabio, campeona de España de Maratón y el dos veces subcampeón del Mundo de Duatlón, Javi García.

La presentación, que ha conducido la periodista y presentadora Mónica Martinez, se ha realizado ante numerosos deportistas ibicencos desplazados a Valencia para correr la maratón de la ciudad del Turia con el objetivo de que estas pruebas deportivas de Ibiza sean un eje fundamental en la promoción turística de la isla asociada a experiencias en familia y a estilos de vida saludables.

El conseller de deportes cree que agrupar la promoción de las mejores pruebas deportivas de Ibiza reportará grandes beneficios a la isla: "Para eventos deportivos al aire libre, Ibiza, por su paisaje y las condiciones medioambientales y climatológicas del territorio, es el mejor escenario mundial para la celebración de estos acontecimientos. Ibiza apuesta firmemente por los eventos y el turismo deportivo como nuevo modelo de desestacionalización para que ciudadanos de todo el mundo se animen a visitar la isla los 365 días del año".

Uno de los grandes logros de estas ocho pruebas es la cantidad de público que atraen a la isla fuera de la temporada. Los miles de participantes que visitan Ibiza para disfrutar del deporte viajan habitualmente desde el continente europeo con sus familias, lo que supone una presencia de visitantes todavía mayor.


          

Did They Get It Right with the Pioneer Bans of Leyline, Oath, and Felidar Guardian?

 Cache   

Luis Scott-Vargas and Matt Nass react to the latest round of bannings in Pioneer!

The post Did They Get It Right with the Pioneer Bans of Leyline, Oath, and Felidar Guardian? appeared first on ChannelFireball - Magic: The Gathering Strategy, Singles, Cards, Decks.


          

PARLAMENTO EUROPEU DECLARA EMERGÊNCIA CLIMÁTICA

 Cache   
  • Propostas dos Verdes para reduzir 65% de GEE até 2030 e atingir a neutralidade carbónica até 2040 foram rejeitadas
  • Aprovação de medidas dos Verdes referentes ao fim de isenções fiscais a combustíveis fósseis e à política de novos investimentos do BEI
  • PAN vota contra resolução sobre metas europeias a propor na COP25 por esta reforçar a expansão da indústria nuclear na transição energética

O Parlamento Europeu (PE) declarou hoje em votação plenária a emergência climática. Pese embora tenha sido dado um passo importante no Parlamento as metas propostas pelos Verdes Europeus para reduzir a emissão de Gases de Efeito de Estufa (GEE) em 65% até 2030 e para atingir a neutralidade carbónica em 2040 foram rejeitadas. 

Apesar de ser declarada a emergência climática, os esforços para reduzir as emissões dos GEE na Europa são insuficientes para cumprir o acordo de Paris e não se coadunam com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) que indica que as emissões de GEE, neste território, não estão a decrescer ao ritmo exigido pela comunidade científica. 

Mais do que resoluções, os cidadãos querem ação climática e hoje o parlamento fez apenas meio caminho nesse sentido” afirma Francisco Guerreiro, eurodeputado do PAN. “Ficámos aquém das metas necessárias para combater e mitigar o impacto das alterações climáticas mas os Verdes conseguiram importantes vitórias” conclui o mesmo.

Nesta sessão plenária foi também votada uma resolução relativa ao compromisso do PE perante os objetivos da União Europeia (UE) na COP25 que se realizará do dia 2 a 13 de dezembro de 2019, em Madrid.

O PAN votou contra o texto final da resolução porque a mesma incluía uma emenda dos liberais, votada a favor pelos Conservadores (ECR), pela extrema-direita (ID) e por grande maioria do PPE, que defende a expansão do complexo industrio-nuclear na europa como método de substituição a energias fósseis para combate as alterações climáticas (Votação final: 328 a favor, 285 contra e 45 abstenções).

Apesar do voto foram várias as emendas que os Verdes conseguiram ver aprovadas nomeadamente que os acordos comerciais internacionais não prejudiquem a preservação da biodiversidade, que se termine com a isenção fiscal a produtos que contenham querosene, mas também a combustíveis marítimos, e a garantia que o Banco Europeu de Investimentos (BEI) aprove apenas projetos em linha com os objetivos do Acordo de Paris.

O Parlamento Europeu por força dos liberais e conservadores deu um tiro no pé ao validar a expansão da indústria nuclear na Europa, não apostando unicamente em energias 100% limpas e renováveis” afirma Francisco Guerreiro.


          

ALVAIÁZERE MOSTRA PRESÉPIOS DE NATAL

 Cache   

Presépios de Natal 2019

O Natal assume-se, na sociedade cristã, como um período de celebração marcado por diversas tradições que assinalam o nascimento do Menino Jesus e que se manifestam de forma plástica e teatral; destaque para a tradição de montar presépios, através dos quais se recriam quadros do nascimento do Menino.

O Município de Alvaiázere convida a comunidade a manter viva esta tradição. Para o efeito, os interessados em participar nesta mostra de criatividade e fé deverão proceder à sua inscrição nos serviços da Biblioteca Municipal de Alvaiázere até ao dia 06 de dezembro de 2019.

Serão considerados os presépios que estejam patentes ao público em locais de culto, espaços públicos, espaços abertos ao público ou espaços comerciais.

Será atribuído um prémio de participação no valor de 15,00€ para os presépios tradicionais, de 30,00€ para os presépios tradicionais animados (com um mínimo de 3 figuras animadas, sendo que essas figuras terão de ser reconhecidas como parte integrante do presépio tradicional) e de 75,00€ para os presépios ao vivo. No que se refere a esta última categoria, uma mesma entidade só poderá inscrever um único presépio ao vivo, com exceção de eventuais grupos constituídos por força dos ciclos de ensino, sendo que, caso se trate de um grupo específico este só pode participar uma única vez - independentemente do local e horário em que essa representação tenha lugar. Aquando da inscrição de um presépio ao vivo, o responsável deve dar indicação da data e lugar onde o mesmo será realizado, sendo que a teatralização não deve exceder 20 minutos.

Os serviços municipais visitarão os presépios inscritos entre os dias 11 e 13, e 16 e 20 de dezembro de 2019 para validar a atribuição do prémio de participação, de acordo com cronograma a transmitir pelos serviços.

77001286_3032765636752136_6765832466373541888_o.jpg


          

Mães relatam rotina em único centro do SUS para microcefalia no Sudeste: 'Tranquiliza'

 Cache   

Brasil tem 10 unidades com serviços gratuitos de psicologia, pedagogia, assistência social e terapia ocupacional para crianças com até 6 anos e familiares. A auxiliar veterinária Bruna Vasconcelos e o filho Renato, de 3 anos, no Centro-Dia de Ribeirão Preto (SP) Pedro Martins/G1 A vida da auxiliar veterinária Bruna Vasconcelos, de 26 anos, mudou por completo após o nascimento do filho Renato, diagnosticado com microcefalia em decorrência do Zika vírus. O menino tem dificuldade para respirar e comer, e muitas vezes precisa ser levado às pressas ao hospital. Foi durante uma dessas internações, em Ribeirão Preto (SP), que Bruna encontrou esperança em oferecer uma condição de vida melhor ao filho. Ela conheceu o Centro-Dia, uma das 10 unidades que existem no país, especializadas em atender crianças com microcefalia e seus familiares. "Eles leem, contam historinhas, trabalham a parte cognitiva. São atividades evolutivas para ele e de acolhimento para mim. Tenho aula de artesanato, de costura. Ver meu filho feliz é incrível, me faz feliz. Saber que ele está em boas mãos me tranquiliza." Criadas há dois anos pelo Ministério da Cidadania, as unidades do Centro-Dia oferecem atendimento psicológico, pedagógico, terapia ocupacional e assistência social. Os núcleos são custeados por União e governos estaduais, e geridos pelas Prefeituras. O projeto surgiu após um surto de Zika no país em 2015, quando gestantes infectadas pelo vírus tiveram bebês com microcefalia. A gravidade do caso levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar situação de "Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional". Além de Ribeirão Preto, há unidades de atendimento em Salvador (BA), Teresina (PI), São Luiz (MA), Arapiraca (AL), João Pessoa (PB), Campina Grande (PB), Natal (RN), Cuiabá (MT) e Campo Grande (MS). "Além de dar suporte às crianças, eles atendem às mães", afirma Bruna. "É uma terapia social. Não trabalha com a saúde. Elas cuidam, brincam. O trabalho principal é diminuir esse fardo nas nossas costas. É dar um pouco mais de tranquilidade para nós", completa. A recepcionista Gisele Klemp e a filha, Ana Letícia, no Centro-Dia de Ribeirão Preto (SP) Pedro Martins/G1 Todas as quartas e sextas-feiras, Renato passa o dia na instituição. Enquanto isso, Bruna participa de atividades oferecidas pelo próprio Centro-Dia, como aulas de artesanato. "Enquanto as crianças são cuidadas, as mães têm oportunidade de fazer um curso, aprender algo, ou até mesmo distrair a cabeça. Somos as pernas deles, as vozes deles, os olhos deles. Somos tudo, então a gente também precisa de cuidado", desabafa. Entre idas e vindas ao hospital, Bruna conheceu a recepcionista Gisele Klemp, de 38 anos, que é mãe da Ana Letícia, também diagnosticada com microcefalia. A menina passou a ser atendida no Centro-Dia, junto com outras 49 crianças. "Eles ajudam também com a parte burocrática, porque têm a assistência social, advogado. Com essas questões que a gente não consegue sozinha, eles sempre dão suporte. Algumas crianças têm quase cinco anos e a mãe ainda não conseguiu nenhum benefício", diz Gisele. Além de Ana Letícia, de 3 anos, a recepcionista também é mãe de Daniel, de 8 anos. Gisele conta que, no início, o menino teve dificuldade para lidar com as limitações da irmã. Por isso, ele também passou a ser atendido por um psicólogo no Centro-Dia. "Ele convive com outras crianças, então chega em casa e me conta do Renato, do Abraão, fala de todo mundo. Ele viu que não é só a irmã dele, que não é um bicho de sete cabeças, que realmente é difícil, mas ele faz parte disso agora e fica feliz", afirma a mãe. A recepcionista Gisele Klemp com os filhos Ana Letícia e Daniel no Centro-Dia de Ribeirão Preto (SP) Pedro Martins/G1 Chefe da seção de atendimento e assessoria às entidades da Secretaria Municipal de Assistência Social, Telma Vendrúscolo explica que Ribeirão Preto foi escolhida para sediar uma unidade do Centro-Dia em razão do número de bebês com microcefalia em decorrência do Zika vírus. Desde 2017, quando o governo federal lançou o projeto, a Prefeitura trabalhava na implantação da instituição, que passou a funcionar em setembro e, atualmente, é gerida pelo Instituto Limite, uma associação civil sem fins econômicos e lucrativos. "Colocamos de zero a 3 [anos] como prioridade, em razão da estimulação precoce. Mas é de zero a 6 [anos]. A criança com microcefalia demanda muito das famílias, então quando você traz essa criança, traz [também] o grupo de irmãos, os pais. É uma forma de apoio que a gente dá." O Centro-Dia de Ribeirão Preto tem capacidade de realizar 150 atendimentos por mês, mas hoje tem 50 crianças cadastradas. Telma afirma que o serviço foi estendido a meninos e meninas com outros tipos de deficiência, desde que recebem benefício de prestação continuada (BPC). "Cada criança tem um plano individual específico. A gente chama de PIA – plano individual de atendimento –, que são as ações que a terapeuta ocupacional vai fazer com os cuidadores e também o trabalho do assistente social e do psicólogo com essas famílias", explica. Chefe da seção de atendimento a assessoria às entidades da Prefeitura de Ribeirão Preto, Telma Sanchez Vendrúscolo Pedro Martins/G1 A auxiliar de limpeza Patrícia Veloso também é atendida com o filho Abraão, de 3 anos, no Centro-Dia de Ribeirão Preto. Ela trabalhava em uma casa de repouso, mas abandonou o emprego para se dedicar ao menino, diagnosticado como microcefalia ao nascer. Patrícia tem outros dois filhos, de 16 e 21 anos, e conta que a mudança de vida para cuidar do caçula foi radical. Na instituição, ela encontra apoio nos momentos mais difíceis e diz que o atendimento tem sido importante para o desenvolvimento intelectual de Abraão. "Está sendo um lugar que me acolhe, me ampara, onde me sinto bem. Eles entendem meu problema, me orientam, tiram dúvidas. Eles entendem tudo que está passando com a criança. A gente fica tranquila, porque nossos filhos estão na mão das cuidadores e todos são atenciosos, carinhosos", finaliza. A auxiliar de limpeza Patrícia Veloso com o filho Abraão, de 3 anos, no Centro-Dia de Ribeirão Preto Pedro Martins/G1 *Sob supervisão de Adriano Oliveira Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
          

'É só ter força de vontade' e outros 6 mitos que atrapalham a luta contra a obesidade

 Cache   

De 'obesidade é uma escolha' a 'gordura é sinônimo de doença', os esforços para lidar com a condição esbarram em uma série de ideias equivocadas e preconceitos. Número de obesos no mundo quase triplicou desde 1975 Getty Images/BBC A obesidade quase triplicou no mundo desde 1975, de acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS). A agência da ONU estima que mais de 1,9 bilhão de adultos estavam acima do peso em 2016. Deste total, mais de 650 milhões eram obesos. Esses números ajudam a entender por que autoridades de várias áreas alertam sobre uma "epidemia de obesidade", que a OMS afirma estar matando quase três milhões de pessoas todos os anos — e cujo custo econômico anual pode chegar a US$ 2 trilhões, de acordo com uma estimativa de 2014 da consultoria americana McKinsey. Cientistas e formuladores de políticas públicas alertam que os esforços para combater a obesidade têm sido prejudicados por ideias equivocadas e preconceitos. Mas, afinal, o que é mito ou verdade na luta contra a obesidade? Você pode ficar surpreso com as respostas. 'A obesidade é uma escolha, e não uma doença' Os Estados Unidos são um dos países mais afetados pela epidemia de obesidade. As autoridades de saúde americanas estimam que mais de 36% da população seja obesa. Desde 2013, a obesidade é considerada uma doença pela American Medical Association. A 'força de vontade' pode não ter qualquer relação com a obesidade, como indicam evidências científicas Getty Images/BBC Ainda assim, uma pesquisa de 2018 realizada pelo Medscape, site de notícias voltado para profissionais de saúde, revelou que 36% dos médicos e 46% dos enfermeiros do país pensavam o contrário. E 80% dos médicos responderam que as escolhas de estilo de vida eram "sempre ou frequentemente" a causa básica da obesidade. Mas um relatório divulgado no fim de setembro pela British Psychological Society declarou veementemente que "a obesidade não é uma 'escolha'". "As pessoas ficam acima do peso ou obesas como resultado de uma combinação complexa de fatores biológicos e psicológicos combinados com influências ambientais e sociais", diz o relatório. "A obesidade não se deve simplesmente à falta de 'força de vontade' de um indivíduo." 'Não é uma questão genética' Pesquisas científicas identificaram uma relação entre genética e obesidade desde os anos 1990. Em julho, uma equipe de pesquisadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia mostrou que pessoas predispostas geneticamente correm um risco maior de ter um índice de massa corporal (IMC) elevado. Pesquisa mostrou ligação entre genética e obesidade nos anos 1990 Getty Images/BBC O IMC, calculado com base na nossa altura e no peso, é um dos indicadores mais comuns para avaliar se nosso peso é saudável. Os cientistas analisaram uma amostra de quase 119 mil pessoas que tiveram seus IMCs medidos repetidas vezes. E descobriram que o IMC da população norueguesa, de uma maneira geral, aumentou substancialmente ao longo das décadas, mas a genética contribuiu para alguns noruegueses ganharem mais peso. "Hoje, a predisposição genética faz com que, em média, um homem norueguês de 35 anos e altura mediana tenha 6,8 kg a mais que seus pares (protegidos geneticamente)", afirmou Maria Brandkvist, uma das pesquisadoras, à BBC. 'Estar acima do peso nunca é saudável' A correlação entre excesso de peso e complicações de saúde é bem conhecida e comprovada. Mas há uma linha de pesquisa em ascensão que está questionando se o excesso de peso/obesidade é sempre perigoso para a saúde de alguém. Em 2012, a Sociedade Europeia de Cardiologia publicou o maior estudo sobre o tema realizado até o momento — e revelou um "paradoxo da obesidade". A pesquisa mostrou que algumas pessoas podem ser obesas, mas metabolicamente saudáveis, sem apresentar um risco maior de desenvolver ou morrer de doenças cardiovasculares e câncer do que indivíduos com peso normal — elas não sofrem de condições como colesterol alto ou hipertensão, além de ter um condicionamento físico melhor que o de outras pessoas obesas. "É sabido que a obesidade está ligada a um grande número de doenças crônicas, como problemas cardiovasculares e câncer. No entanto, parece haver um subconjunto de pessoas obesas que parecem estar protegidas de complicações metabólicas relacionadas à obesidade", escreveu Francisco Ortega, da Universidade de Granada, na Espanha, principal autor do estudo. "Os médicos devem levar em consideração que nem todas as pessoas obesas têm o mesmo prognóstico." 'Todas as calorias são iguais' Não comer demais é uma regra básica para o controle de peso, mas o foco de uma dieta não deveria ser a qualidade das calorias, em vez da quantidade? Em sua definição de dieta saudável, a OMS sugere uma ingestão diária de 2 mil calorias para adultos. Mas há algumas ressalvas — a agência recomenda, por exemplo, que menos de 30% da ingestão total de calorias seja proveniente de gorduras. Um estudo de 2011 da Universidade de Harvard, nos EUA, mostrou que "uma caloria não é uma caloria", e que certos alimentos têm maior probabilidade de promover ganho de peso no longo prazo. Os pesquisadores acompanharam mais de 120 mil homens e mulheres saudáveis ​​por até 20 anos. Em média, os participantes ganharam 1,52 kg a cada quatro anos, acumulando ganho de peso total de 7,6 kg em 20 anos. O consumo de alimentos processados ​​ricos em amido, grãos refinados, gorduras e açúcares aumentou o ganho de peso: só comer batatas fritas resultou em ganho de peso médio de cerca de 1,5 kg a cada quatro anos, enquanto consumir mais legumes e verduras levou a uma perda de peso de 0,09 kg . "Estratégias para ajudar as pessoas a consumirem menos calorias podem ser mais eficazes quando há o consumo reduzido (ou maior) de determinados alimentos e bebidas", diz o estudo. 'Devemos ter metas realistas de perda de peso para evitar frustrações' Evitar criar muita expectativa pode ser um princípio básico para a vida. No entanto, estudos indicam que não há uma associação negativa entre metas ambiciosas e perda de peso. De acordo com uma pesquisa de 2017 publicada no Journal of the American Academy of Nutrition and Dietetics, quem tinha as expectativas mais altas em relação à perda de peso obteve os melhores resultados em um grupo de 88 pessoas com obesidade severa. 'A obesidade é um problema apenas nos países ricos' Embora muitas nações desenvolvidas apresentem de fato altas taxas de obesidade, você pode ficar surpreso se der uma olhada no ranking mundial. Em termos de incidência, os países mais afetados pela obesidade são as Ilhas do Pacífico — na Samoa Americana, quase 75% da população é considerada obesa. O preço mais baixo de alimentos que não são saudáveis está associado a um risco maior de obesidade para os mais pobres Getty Images/BBC É verdade que essas nações insulares têm populações muito pequenas, mas os países em desenvolvimento com populações maiores também apresentam problemas crescentes de obesidade — no Egito e na Turquia, 32% da população é obesa, segundo dados da OMS de 2016. Na verdade, estudos mostram que indivíduos com renda mais baixa são os mais vulneráveis ​​à obesidade. "A obesidade é um produto da desigualdade social. Nos EUA, o estado mais 'obeso', o Arkansas, também é o quarto estado mais pobre, e o estado mais pobre, o Mississippi, também é o terceiro com mais sobrepeso", diz Martin Cohen, autor do livro I Think Therefore I Eat ("Penso, logo como", em tradução livre), sobre a sociologia da alimentação. No Reino Unido, dados do sistema público de saúde (NHS, na sigla em inglês) de 2015 a 2016 mostram que a incidência da obesidade em crianças que vivem em áreas mais carentes é mais que o dobro daquelas que vivem em regiões menos desfavorecidas. Especialistas afirmam que o principal motivo dessa disparidade está relacionado ao fato de que alimentos mais saudáveis ​​são mais caros. 'A amamentação não está relacionada à obesidade' Nas últimas décadas, as fórmulas infantis têm sido ativamente anunciadas como complemento ao leite materno. No entanto, dados de um amplo estudo da OMS publicado em abril mostram que a amamentação também pode reduzir as chances de a criança ficar obesa. Após analisar 30 mil crianças em 16 países europeus, os cientistas constataram que crianças que nunca foram amamentadas tinham 22% mais chances de serem obesas. Especialistas foram rápidos em apontar, no entanto, que fatores como um estilo de vida mais saudável nas famílias em que as mulheres amamentavam também podem ter tido um papel importante na proteção contra a obesidade. João Breda, autor sênior do estudo, afirma que os benefícios do leite materno contra a obesidade são irrefutáveis. "A amamentação tem um efeito protetor muito forte. As evidências estão aí. O benefício é excepcional, devemos informar isso às pessoas." Obesidade atinge uma em cada três crianças de 5 a 9 anos, aponta relatório
          

'Minha mãe tem síndrome de Down'

 Cache   

Hoje, quase 30 anos após Izabel Rodrigues ter se tornado mãe, os parentes ainda se surpreendem por ela ter conseguido criar a filha: 'Eles ficam admirados por ela ter dado conta de cuidar de mim'. Foto tirada na colação de grau da Cristinna, em fevereiro deste ano Arquivo pessoal/BBC Nas fotografias da colação de grau da atendente Cristinna Maria da Silva, o largo sorriso da mãe dela, a dona de casa Izabel Rodrigues, de 66 anos, se destaca. A alegria da idosa demonstra o orgulho que ela sentiu ao ver a única filha concluir o ensino superior. Junto delas e com um sorriso tímido, o pai de Cristinna, o aposentado José Ribeiro, de 78 anos, também demonstrou felicidade com a conquista da filha, que se formou em Administração. Síndrome de Down não é doença: entenda Conheça a história de pessoas que vivem sem se preocupar com limitações ou preconceito A conclusão do ensino superior foi algo distante para os pais de Cristinna, que cresceram na região rural do pequeno município de Morrinhos (GO) — hoje a família vive na área urbana da cidade. Eles estudaram somente até as primeiras séries do ensino fundamental. O diploma de Cristinna foi também uma conquista para a mãe dela. Izabel tem síndrome de Down e um dos principais desafios que enfrentou na vida foi provar para os parentes que seria capaz de criar a filha. Muitos duvidavam que a mulher, que tinha amigos imaginários e parecia alheia a tudo, poderia cuidar de uma criança. A síndrome de Down de Izabel foi descoberta somente quando ela tinha 35 anos. A idosa, que é a caçula de 19 filhos, passou parte da vida sendo considerada pelos familiares como alguém que vivia "no mundo da lua". No passado, parentes e conhecidos não desconfiavam que ela pudesse ter uma alteração genética. Para eles, tratava-se do jeito dela. Para provar que conseguiria criar a filha, Izabel foi uma mãe extremamente cuidadosa. "Sempre que eu me sujava, ela corria para me limpar. Mesmo que estivesse perto da lama, com as outras crianças sujas, eu sempre estava limpa", diz Cristinna, hoje com 29 anos. "Ela era a minha bonequinha. Cuidei muito bem dela. Ela era um xodó para mim", conta Izabel, que é de poucas palavras, mas sempre está sorridente. Modelo brasileira com síndrome de Down é capa de revista australiana Hoje, quase 30 anos após a dona de casa ter se tornado mãe, os parentes ainda se surpreendem por ela ter conseguido criar a filha. "Eles ficam admirados por ela ter dado conta de cuidar de mim", comenta Cristinna. A síndrome de Down Izabel nasceu por meio de uma parteira, que era responsável pelos nascimentos dos bebês da região rural de Morrinhos. Na infância, demorou mais que os outros irmãos para aprender a falar e a andar. "Percebiam que ela era mais lenta que os outros, mas achavam que não era nada. Pensavam que era preguiça dela", diz Cristinna. Desde pequena, a idosa tem dificuldades de compreensão. Logo nos primeiros anos da escola, os pais decidiram retirá-la de lá, porque ela tinha extrema dificuldade de aprendizado. Izabel sabe ler e escrever muito pouco. Desde o início do casamento, Izabel e José queriam ter filhos Reprodução/Alex Duarte/BBC Na adolescência e no início da vida adulta, os parentes notaram que Izabel tinha atitudes diferentes. "Por um período, a minha mãe trabalhou. Ela falava que ia ao banheiro, mas quando iam atrás dela, ela estava no pomar, brincando com amigos imaginários. Diziam que ela não era certa da cabeça", conta Cristinna. Aos 25 anos, Izabel começou a namorar com José Ribeiro. Eles são primos de segundo grau e moravam em regiões próximas. Com cerca de seis meses de namoro, ele pediu permissão para se casar com ela. "Alguns dos meus tios não queriam deixar a minha mãe se casar, porque falavam que ela não era muito certa. Mas a minha avó permitiu." Desde o início do casamento, Izabel e José queriam ter filhos. Dez anos depois, parentes do casal levaram a mulher ao médico, para descobrir o motivo de ela não conseguir, até então, engravidar. "Nessa consulta, o médico descobriu a síndrome de Down da minha mãe. Ele disse que ela nunca poderia ter filhos, porque pessoas assim são inférteis", diz Cristinna. A síndrome de Down é uma alteração genética caracterizada pela presença de três cromossomos 21 nas células do indivíduo. Aqueles que possuem a síndrome têm, ao todo, 47 cromossomos nas células, enquanto a maior parte da população tem 46. No Brasil, estima-se que haja cerca de 300 mil pessoas com a trissomia do cromossomo 21, como também é conhecida a síndrome de Down. Em todo o mundo, estudos apontam que um a cada 700 mil bebês nascidos vivos possui a característica genética. Uma das características da síndrome é a infertilidade. Estudos apontam que metade das mulheres que possuem a alteração genética são inférteis. Entre os homens com a síndrome, a infertilidade chega a atingir 80% deles. Apesar do prognóstico desanimador, Izabel conseguiu engravidar meses após descobrir a síndrome. "Foi uma grande felicidade descobrir que ela estava grávida", comenta José. Há considerável possibilidade de que o bebê de uma pessoa com síndrome de Down nasça com a mesma característica genética. Em casos de mãe e pai com a síndrome, as chances de a criança ter a alteração genética chegam a 80%. No caso de Izabel e José, como somente ela possui a síndrome de Down, as chances de a criança ter a mesma característica eram de 50%. Apesar da possibilidade considerável, Cristinna nasceu sem nenhuma alteração genética. Casos de filhos de pai ou mãe com síndrome de Down que nascem sem a alteração genética são considerados incomuns. O nascimento da filha Desde o início da gravidez, os parentes de Izabel tinham receio sobre a capacidade dela para cuidar de um bebê. Em razão disso, logo após o nascimento de Cristinna, uma irmã da dona de casa a auxiliou nos cuidados com a recém-nascida. "Os meus tios não queriam deixar a minha mãe sozinha comigo e decidiram que alguém precisava acompanhá-la nos primeiros dias, depois que ela saísse do hospital. Essa minha tia, que já tinha filhos, ficou na minha casa durante o meu primeiro mês de vida. Depois ela foi embora, porque a minha mãe já tinha aprendido o que tinha que aprender", relata Cristinna. "Meu pai passava o dia trabalhando, então ficávamos eu e a minha mãe. Ela é muito determinada quando quer alguma coisa e sempre quis mostrar que poderia cuidar de mim. Ela teve muita capacidade para me criar", declara. Casamento de Izabel e José Reprodução/Alex Duarte/BBC Uma das grandes dificuldades enfrentadas pelas pessoas com síndrome de Down é a crença de que são incapazes. Apesar da deficiência intelectual, que pode se manifestar em diferentes níveis, especialistas orientam que é importante estimular o desenvolvimento dessas pessoas para que elas possam se tornar cada vez mais independentes. "Hoje, a deficiência intelectual e as dificuldades de desenvolvimento das pessoas com síndrome de Down são condições acolhidas de forma melhor pela sociedade. Mas a gente percebe que muitas pessoas não querem que o indivíduo com síndrome de Down se desenvolva, porque têm a crença de que serão eternas crianças", afirma a neuropsicóloga Karyny Ferro, que atua no Instituto Jô Clemente (antiga Apae de São Paulo). "A deficiência intelectual é uma questão genética. Mas existe uma questão social. É importante que as pessoas tratem o indivíduo com Down conforme a idade cronológica dele, para que culturalmente ele consiga lidar com a autoimagem, porque querendo ou não, é uma pessoa que está envelhecendo", acrescenta. Especialistas frisam que uma pessoa com síndrome de Down pode ser capaz de criar um filho. Em alguns casos, pode necessitar de maior apoio externo, mas é fundamental que não menosprezem a capacidade daquele indivíduo e estimulem a independência. Questões referentes à autonomia e desenvolvimento de uma pessoa com síndrome de Down tornam-se ainda mais importantes atualmente. Isso porque a expectativa de vida deles, que em décadas atrás era de 35 anos, hoje corresponde a, aproximadamente, 63 anos. Entre os pontos de desenvolvimento de pessoas com a síndrome de Down, o geneticista e pediatra Zan Mustacchi ressalta a importância de entender que esses indivíduos podem ter uma vida sexual comum. Ele afirma que é fundamental falar sobre sexualidade com eles. "O problema é que a sociedade não assumiu esse tipo de abertura. Dizem que por eles terem dificuldades intelectuais, não podem ter uma vida sexual. Isso faz com que esse indivíduo seja despreparado e, consequentemente, possa até sofrer abusos. A sexualidade deles é comum, como qualquer outra", pontua Mustacchi. Especialistas afirmam que para que o indivíduo com síndrome de Down tenha uma vida produtiva e inclusiva em todos os aspectos, é preciso haver apoio dos familiares e de diferentes profissionais, como fonoaudiólogo e psicólogo. Uma mãe extremamente zelosa Diferente do que costuma ser orientado por especialistas, Izabel nunca teve nenhum tipo de acompanhamento em razão da síndrome de Down. "Ela nunca procurou ajuda ou quis algum acompanhamento, até porque a gente mora em uma cidade pequena. Ela diz que esse diagnóstico não mudou em nada a vida dela", conta Cristinna. A síndrome de Down não afetou a criação que recebeu da mãe, afirma Cristinna. "Ela sempre foi muito amorosa e cuidadosa. Muita gente me pergunta qual é a diferença em ter uma mãe com síndrome de Down, mas para mim isso nunca mudou nada." Os pais e Cristinna quando era bebê Reprodução/Alex Duarte/BBC "Sempre cuidei muito bem da minha filha. Eu a levava e buscava na escola. Gostava muito de passear com ela", diz Izabel. Um dos poucos momentos em que Cristinna se viu com medo em relação à alteração genética da mãe foi durante a adolescência. "Eu estava na sétima série. Estávamos estudando sobre cromossomos e uma professora explicou sobre a síndrome de Down. Na época, eu desconhecia sobre o assunto e disse que minha mãe tinha. Nisso, minha professora garantiu que a minha mãe não tinha, porque as pessoas com essa síndrome são inférteis." "Eu fiquei abalada, porque comecei a pensar que pudesse ser adotada. Procurei meu tio, que tinha me falado sobre a síndrome, e ele me mostrou fotos da minha mãe grávida. Até falei com um médico da cidade e ele também me disse que, apesar de ser incomum uma pessoa com síndrome de Down ter filhos, eu era filha da minha mãe", relembra. Os netos Há alguns anos, Cristinna deixou a casa dos pais para morar com o marido. Hoje, ela é mãe de dois garotos, de seis e 10 anos, e está grávida de seis meses. A atendente se recorda que o primeiro momento em que duvidou da capacidade da mãe, em razão da síndrome de Down, foi logo após o nascimento do primogênito. "Eu não deixei que ela desse banho no meu filho nos primeiros meses dele, porque fiquei pensando que ela não fosse capaz. Para que ela não ficasse magoada, também não deixei que a outra avó fizesse isso. Eu mesma dei os banhos nele", diz. Cristinna confessa que se arrependeu da atitude. "Eu fiquei pensando: a minha mãe conseguiu cuidar de mim e me deu banho sozinha. Por que não conseguiria fazer isso com meu filho? Então, quando tive meu segundo filho, o primeiro banho, fora do hospital, foi dado por ela. Foi uma forma de me redimir", conta. Atualmente, Izabel cuida dos netos durante o período da manhã, enquanto a filha trabalha. "Ela é uma avó muito carinhosa", comenta Cristinna. Olhar Em Pauta: Jovem dedica diploma de odontologia para pai com síndrome de Down na Síria 'Fiz questão de dar esse orgulho para eles' Izabel e José moram na mesma casa, em um conjunto habitacional de Morrinhos, há mais de 30 anos. Hoje, vivem com a aposentadoria do idoso, que é um salário mínimo, e com a renda de tapetes que fazem para vender. "O dinheiro deles é escasso, mas nunca passaram necessidade. Eu ajudo quando eles precisam de algo. Como a família deles é muito grande, sempre ajuda também", conta Cristinna. "Nós tentamos aposentar a minha mãe por invalidez, mas não conseguimos, porque a Justiça alega que o benefício só pode ser concedido se a renda familiar for inferior a 1/4 do salário mínimo por pessoa. Como ela é casada com o meu pai e eles têm o salário mínimo dele, o juiz entendeu que a renda dela é maior que 1/4", diz Cristinna. Segundo ela, o caso segue na Justiça. A preocupação de Cristinna com Izabel e José é constante. Ela conta que desde criança soube que teria que ter muito cuidado com eles. "Os meus tios sempre falaram que vim ao mundo para ajudar os meus pais." Ao relembrar tudo o que viveu com os pais até hoje, ela cita que um dos momentos mais importantes foi o dia da sua colação de grau, em fevereiro deste ano. Orgulhosos, Izabel e José posaram para diversas fotos ao lado da filha. O momento especial causou comoção em parentes ao ser compartilhado por Cristinna nas redes sociais. "Uma prima, muito mais velha que eu, comentou que ninguém acreditava que meus pais dariam conta de cuidar de mim, muito menos de me formar. Ninguém nunca acreditou que eles fossem capazes. Mas fiz questão de dar esse orgulho para eles."
          

Space laser scans reveal massive migration of ocean wildlife

 Cache   
Based on findings from “CALIPSO” lidar and IR earth observation joint venture by NASA and French Space Agency. - Source: optics.org
          

Main Event do BSOP Millions tem 1030 jogadores no Dia 2

 Cache   

BSOP Millions registra segundo maior field de sua história Depois de seis dias iniciais o evento principal do BSOP Millions registra numero recorde de inscritos. Ao todo foram 3.315 entradas, ficando atrás somente da edição de 2015, que contou com 3.472 inscrições. Deste verdadeiro mar de jogadores, 1.030 avançaram para o Dia 2, liderados pelos paranaenses Alcioni…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post Main Event do BSOP Millions tem 1030 jogadores no Dia 2 appeared first on Poker é no MaisEV.


          

Chris Moorman crava o High Roller do 888poker LIVE London

 Cache   

O embaixador do 888poker, Chris Moorman bate  Benjamin Winsor e fica com o título do High Roller do LIVE London O embaixador do 888Poker, Chris Moorman saiu vitorioso depois dos dois dias do High Roller do 888poker LIVE London. O torneio atraiu 39 entradas e os seis primeiros lugares receberam uma parcela do prêmio de £ 77.220. O espanhol…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post Chris Moorman crava o High Roller do 888poker LIVE London appeared first on Poker é no MaisEV.


          

MILLIONS Online – partypoker dará US$ 1 milhão extra se o Chip Lider do Dia 1A for o campeão

 Cache   

Além dos US$ 20 milhões garantidos do MILLIONS Online o partypoker ainda vai dar mais US$ 1 milhão se o chip leader do Dia 1A for o grande campeão O partypoker se prepara para o MILLIONS Online do dia 1 de dezembro, que contará com US$ 20 milhões garantidos e vem recebendo diversas promoções. O destaque…

Author information

Alex Resende

Alex Resende

Envolvido com tecnologia desde muito jovem, encontrei nas ciências biológicas minha verdadeira vocação. Aprecio no poker a atmosfera e toda a gama de variáveis que uma pessoa tem que lidar a cada jogada.

The post MILLIONS Online – partypoker dará US$ 1 milhão extra se o Chip Lider do Dia 1A for o campeão appeared first on Poker é no MaisEV.




Next Page: 10000

© Googlier LLC, 2019